Últimas notícias

Erdoğan insistiu que ISIL atacasse cidade curda Kobane

Erdoğan insistiu que ISIL atacasse cidade curda Kobane
novembro 01
10:16 2019

O presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, alegou na quarta-feira que ordenou um ataque jihadista em 2014 a Kobane, no norte da Síria, matando um militante de alto escalão do Estado Islâmico no Iraque e o Levante (ISIL), de acordo com o diário britânico de esquerda Morning Star.

Taha Abdurrahim Abdullah, um confidente íntimo do líder do ISIL, Abu Bakr al-Baghdadi – que morreu no início desta semana – foi capturado pela aliança das milícias das Forças Democráticas da Síria (SDF) liderada pelos curdos em março deste ano.

Ele disse a seus captores que Erdoğan havia insistido que o ISIL atacasse a cidade fronteiriça, em grande parte curda, no norte da Síria em setembro de 2014, apesar da relutância dos jihadistas.

“Estávamos nos preparando para a guerra, mas nosso objetivo era avançar para Damasco, não para Kobane”, afirmou ele sob interrogatório.

“[O ex-líder do ISIL] Baghdadi queria que Kobane fosse atacada. Nós nos opusemos a esta situação. Mas ele recusou. Sofremos pesadas perdas em Kobane.

“Mais tarde, descobrimos que a razão pela qual Baghdadi nos direcionou a Kobane da noite para o dia foi a insistência dos turcos. Os turcos queriam atacar Kobane. Erdoğan insistiu ”, alegou Abdullah.

Os jihadistas capturaram cerca de 350 aldeias em grande parte curdas ao redor de Kobane durante a ofensiva, fazendo com que cerca de 300.000 pessoas fugissem para salvarem suas vidas e também conquistaram alguns distritos da cidade.

Seguiu-se um cerco de seis meses, com as Unidades de Proteção ao Povo (YPG) lideradas pelos curdos fazendo forte resistência.

O YPG levantou o cerco em janeiro de 2015 e retomou o controle das aldeias em meados de março, ajudado por ataques aéreos dos EUA.

No entanto, cerca de 70% de Kobane foram destruídos na batalha.

Abdullah também afirmou que o substituto do líder morto do ISIL foi escolhido por seus estreitos vínculos com o estado turco.

Abdullah Qardas, também conhecido como Hacı Abdullah, foi anunciado como o novo líder do ISIL, após a morte de Baghdadi.

Dizendo que Qardas também se chama “Ebu Ömer Türkmeni”, disse Abdullah, “ele usa esse nome para apaziguar o estado turco e aprofundar suas relações com eles”.

Ele disse que o ISIL estava se reagrupando e “não iria parar”, com a morte de seu ex-líder, não afetando no grupo que cultiva a morte.

Erdoğan é acusado há muito tempo de apoiar grupos terroristas jihadistas.

Relatórios de inteligência europeus afirmaram que ele encomendou os ataques suicidas do ISIL em um comício de paz em Ancara em 2015, que matou pelo menos 109 pessoas.

Em agosto, foi revelado que a Organização Nacional de Inteligência da Turquia contrabandeava dezenas de ex-combatentes do ISIL através das fronteiras para liderar batalhões na ocupação de Afrin, invadida por militares de Ancara em janeiro de 2018.

A Turquia também é acusada de ter sido o principal comprador de petróleo originário de fontes ISIL no Iraque.

No final de 2015, Erdoğan e sua família foram acusados ​​pela Rússia de se beneficiarem pessoalmente do comércio ilegal de petróleo.

Fonte: https://www.turkishminute.com/2019/10/31/erdogan-insisted-isil-attack-kurdish-territory-in-2014-terrorist-commander-alleges/

Marcadores

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer