Últimas notícias

Principais pontos do polêmico acordo UE-Turquia

Março 18
23:15 2016

O acordo firmado nesta sexta-feira entre a União Europeia e a Turquia inclui medidas inéditas e polêmicas. A mais surpreendente é o reenvio à Turquia dos refugiados que desembarcarem na Grécia a partir de 20 de março, incluindo os solicitantes de asilo.

“Serão enviados de volta para a Turquia todos os novos migrantes irregulares que viajarem deste país para as ilhas gregas a partir de 20 de março”, uma medida “temporária e extraordinária” para tentar acabar com as travessias perigosas do Mar Egeu.

Para evitar que a expulsão dos requerentes de asilo viole o direito internacional, o acordo prevê que todos os pedidos passem por um “exame individual” nas ilhas gregas, o que exigirá difíceis condições logísticas.

Serão enviados de volta à Turquia “os migrantes que não apresentarem um pedido de asilo ou se for decidido que o seu pedido é infundado”.

Quando a Grécia reconhecer formalmente a Turquia como um “país terceiro seguro”, as expulsões serão legais, segundo afirma a UE.

Além disso, “as operações de regresso dos migrantes irregulares serão custeadas pelo bloco europeu”.

“Para cada sírio que for enviado de volta para a Turquia a partir das ilhas gregas”, outro sírio na Turquia será recebido e acolhido na UE.

“Será dada prioridade” aos migrantes que não tentaram entrar ilegalmente na UE.

O projeto prevê um limite máximo de 72.000 pessoas, o que a UE já prometeu acolher.

Se o número de expulsões se aproximar deste limite máximo, “o mecanismo será revisto”.

Se excedido, o mecanismo será “suspenso”.

Uma das contrapartidas para a Turquia será permitir uma dispensa de visto para os turcos que viajarem para a UE, “o mais tardar no final de junho de 2016”.

No entanto, Ancara terá que cumprir com 72 critérios específicos para a adoção de tal medida, o que levou alguns diplomatas a considerar difícil a sua implementação até junho.

Este período é, portanto, um objetivo e não uma promessa.

A UE promete “acelerar” a entrega de 3 bilhões de dólares prometidos à Turquia para melhorar as condições de vida dos cerca de 2,7 milhões de refugiados neste país.

“Quando esses recursos estiveram perto do esgodamento”, e se a Turquia respeitar certas promessas sobre a sua utilização, a UE “irá mobilizar um financiamento adicional de 3 bilhões de euros” antes do final de 2018.

Contra a promessa de abrir rapidamente novos “capítulos” nas negociações de entrada de Ancara na União Europeia, o Chipre havia ameaçado impedir que o acordo com a Turquia fosse concluído nesta sexta-feira.

A fórmula de compromisso adota estabelece que as partes decidiram “abrir apenas um capítulo, o 33 (sobre questões orçamentais) durante a presidência rotativa holandesa” do bloco, que termina no final de junho.

Fonte: http://www.istoedinheiro.com.br/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Mailer