Últimas notícias

Protestos em Estocolmo, incluindo queima do Alcorão, atraem condenação da Turquia

Protestos em Estocolmo, incluindo queima do Alcorão, atraem condenação da Turquia
janeiro 23
18:06 2023

Protestos em Estocolmo no sábado contra a Turquia e a candidatura da Suécia à OTAN, incluindo a queima de uma cópia do Alcorão, acentuaram as tensões com a Turquia, em um momento em que o país nórdico precisa do apoio de Ancara para obter a entrada na aliança militar. 

“Condenamos com a maior veemência possível o vil ataque ao nosso livro sagrado … Permitir este ato anti-islamismo, que visa os muçulmanos e insulta nossos valores sagrados, sob o pretexto da liberdade de expressão é completamente inaceitável”, disse o Ministério das Relações Exteriores turco. 

Sua declaração foi emitida depois que um político anti-imigrante da extrema-direita queimou uma cópia do Alcorão perto da Embaixada da Turquia. O ministério turco instou a Suécia a tomar as medidas necessárias contra os perpetradores e convidou todos os países a tomarem medidas concretas contra a islamofobia. 

Um protesto à parte ocorreu na cidade apoiando os curdos e contra a proposta da Suécia de aderir à OTAN. Um grupo de manifestantes pró-Turcos também realizou um comício fora da embaixada. Todos os três eventos tinham permissão da polícia. 

“A Suécia tem uma ampla liberdade de expressão, mas isso não implica que o governo sueco, ou eu mesmo, apoiemos as opiniões expressas”, disse Billstrom no Twitter. 

A queima do Alcorão foi realizada por Rasmus Paludan, líder do partido político dinamarquês de extrema-direita Linha Dura. Paludan, que também tem cidadania sueca, realizou uma série de manifestações no passado onde queimou o Alcorão. 

Paludan não pôde ser contatado imediatamente por e-mail para fazer um comentário. Na autorização que obteve da polícia, diz-se que seu protesto foi realizado contra o Islã e o que chamou de tentativa do presidente turco Tayyip Erdogan de influenciar a liberdade de expressão na Suécia. 

Vários países árabes, incluindo Arábia Saudita, Jordânia e Kuwait, denunciaram a queima do Alcorão. “A Arábia Saudita exige a difusão dos valores do diálogo, tolerância e convivência, e rejeita o ódio e o extremismo”, disse o Ministério das Relações Exteriores saudita em uma declaração. 

A Suécia e a Finlândia solicitaram no ano passado a adesão à OTAN após a invasão russa da Ucrânia, mas todos os 30 Estados membros devem aprovar suas propostas. A Turquia disse que a Suécia em particular deve primeiro tomar uma posição mais clara contra o que ela vê como terroristas, principalmente militantes curdos e um grupo que ela responsabiliza por uma tentativa de golpe de 2016. 

Na manifestação para protestar contra a candidatura da Suécia à OTAN e para mostrar apoio aos curdos, oradores se colocaram diante de uma grande faixa vermelha com a frase “Somos todos PKK”, referindo-se ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão que é proscrito na Turquia, Suécia e Estados Unidos, entre outros países, e se dirigiram a várias centenas de apoiadores pró-curdos e esquerdistas. 

“Vamos continuar nossa oposição à candidatura sueca à OTAN”, disse Thomas Pettersson, porta-voz da Aliança contra a OTAN e um dos organizadores da manifestação, à Reuters. 

A polícia disse que a situação estava calma em todas as três manifestações. 

Em Istambul, pessoas de um grupo de cerca de 200 manifestantes incendiaram uma bandeira sueca em frente ao consulado sueco em resposta à queima do Alcorão. 

VISITA DO MINISTRO SUECO CANCELADA 

No sábado anterior, a Turquia disse que, devido à falta de medidas para restringir os protestos, havia cancelado uma visita planejada a Ancara do ministro da defesa sueco. 

Jonson disse separadamente que ele e Akar tinham se encontrado na sexta-feira durante uma reunião de aliados ocidentais na Alemanha e tinham decidido adiar a reunião planejada. 

O Ministro da Defesa turco Hulusi Akar disse que havia discutido com Erdogan a falta de medidas para restringir os protestos na Suécia contra a Turquia e havia transmitido a reação de Ancara a Jonson, à margem de uma reunião do Grupo de Contato de Defesa da Ucrânia. 

“É inaceitável não reagir a estes (protestos). As coisas necessárias precisavam ser feitas, medidas deveriam ter sido tomadas”, disse Akar, de acordo com uma declaração do Ministério da Defesa turco. 

O Ministério das Relações Exteriores da Turquia já havia convocado o embaixador da Suécia na sexta-feira por causa dos protestos planejados. 

A Finlândia e a Suécia assinaram um acordo de três vias com a Turquia em 2022 com o objetivo de superar as objeções de Ancara à sua adesão à OTAN. A Suécia diz ter cumprido sua parte do memorando, mas a Turquia exige mais, incluindo a extradição de 130 pessoas que considera terroristas. 

Reportagem de Omer Berberoglu, Ezgi Erkoyun e Bulent Usta em Istambul e Niklas Pollard e Simon Johnson em Estocolmo Reportagem adicional de Moaz Abd-Alaziz no Cairo Escrita de Ezgi Erkoyun e Niklas Pollard Edição de Toby Chopra e Frances Kerry 

Fonte: Protests in Stockholm, including Koran-burning, draw condemnation from Turkey | Reuters  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer