Últimas notícias

Atividades agressivas de espionagem da Turquia em solo alemão continuam, revela documento secreto

Atividades agressivas de espionagem da Turquia em solo alemão continuam, revela documento secreto
janeiro 22
00:26 2023

Não tem havido trégua nas atividades agressivas e clandestinas de espionagem de agentes turcos em território alemão que visam críticos e opositores do governo do presidente Recep Tayyip Erdoğan, de acordo com um comunicado secreto obtido pelo Nordic Monitor. 

O comunicado revela como os espiões turcos operam na Alemanha sob cobertura diplomática e conduzem operações ilegais em solo estrangeiro para coletar informações e transmiti-las ao Ministério das Relações Exteriores em Ancara. 

Datado de 11 de fevereiro de 2022, o comunicado foi assinado por Erdoğan Kartal, chefe adjunto do departamento de contraterrorismo da Direção Geral de Segurança (Emniyet), a principal agência de aplicação da lei da Turquia. 

Mencionou informações recentes transmitidas pelo Ministério das Relações Exteriores, referidas apenas como Instituição V para mascarar sua origem, em 8 de fevereiro ao Emniyet sobre uma reunião privada supostamente planejada para ser realizada por membros sênior do movimento Hizmet, um grupo que se opõe ao regime opressivo do Erdoğan na Turquia. 

A inteligência mencionou especificamente Mustafa Yeşil, um dos principais críticos do governo Erdoğan, como alvo da atividade de espionagem. Yeşil, de dupla nacionalidade britânico-turca, foi presidente da Fundação de Jornalistas e Escritores (GYV) até que o governo Erdoğan a fechou ilegalmente em 2016 e confiscou seus bens. Ele teve que deixar a Turquia para evitar a prisão sob acusações fabricadas após uma repressão sem precedentes contra a mídia livre, independente e crítica do país. 

Um comunicado secreto de um alto funcionário da polícia que advertiu que a inteligência deve ser tratada com base na necessidade de conhecimento e não deve ser compartilhada com pessoas/instituições não autorizadas. 

No entanto, as acusações e investigações contra Yeşil continuaram a crescer à revelia enquanto o governo Erdoğan intensificava a repressão e a campanha de intimidação contra os críticos, incluindo jornalistas e defensores dos direitos humanos. A Turquia apresentou um pedido de extradição do Reino Unido que foi negado por um juiz britânico. 

Yeşil deveria viajar para a Alemanha para se reunir e depois voar para os EUA, de acordo com a inteligência. O fato de o governo turco ter conseguido obter o itinerário privado de um grande crítico sugere que sua agência de inteligência tem uma extensa rede de espiões e informantes em comunidades da diáspora, especialmente na Europa. 

 Kartal explicou que a inteligência foi obtida como parte das operações de coleta de informações e que uma nota informativa foi preparada com base nela. Ele compartilhou a nota de informação com o Departamento de Polícia de Ancara. 

A fim de evitar uma reação diplomática e problemas a nível bilateral no caso de serem reveladas as atividades ilegais de espionagem na Alemanha, Kartal advertiu que as informações passadas pelo Ministério das Relações Exteriores devem ser tratadas com base na “necessidade de conhecimento” e que “não devem ser compartilhadas com pessoas/instituições não autorizadas”. 

A origem das informações foi a Diretoria de Segurança e Pesquisa do Ministério das Relações Exteriores (também conhecida como seção de inteligência, ou Araştırma ve Güvenlik İşleri Genel Müdürlüğü em turco), uma seção sigilosa de espionagem do Ministério das Relações Exteriores da Turquia. 

A carta do oficial da polícia que revela a inteligência foi reunida por agentes que operam sob cobertura diplomática e enviada ao Ministério das Relações Exteriores turco, identificada como “Instituição V”: 

Yeşil era conhecido pelo seu envolvimento em atividades de diálogo inter-religioso, algo a que o Presidente Erdoğan se opôs publicamente, dizendo que não era possível o diálogo entre o Islã e o Cristianismo. A GYV sob Yeşil organizou uma série de reuniões que reuniram líderes das igrejas católica síria, ortodoxa grega e ortodoxa armênia. 

A GYV sob Yeşil também organizou workshops chamados Plataforma Abant para abordar os problemas da Turquia com questões curdas e alevitas há décadas, e reuniu representantes de várias comunidades e segmentos da sociedade turca em um esforço para preencher a lacuna. Os esforços de reconciliação apresentaram um desafio à política polarizadora e divisionista de Erdoğan. 

Como Yeşil, muitos turcos no exterior de vários grupos da oposição foram alvo de vigilância, assédio e ameaças de assassinato por parte do serviço de inteligência turco. Alguns foram sequestrados pela agência de espionagem turca MIT de países estrangeiros em flagrante violação do direito internacional e das leis dos países anfitriões. 

Mustafa Yeşil realizou uma coletiva de imprensa em İstanbul, em janeiro de 2014, nivelando as críticas contra o governo Erdoğan por suposta corrupção. 

Nos últimos anos, as autoridades alemãs tomaram algumas medidas para reprimir as atividades ilegais de espionagem da Turquia, mas o governo Erdoğan aparentemente permanece inabalável. 

Em 10 de novembro de 2022, a Divisão de Segurança do Estado do Tribunal Regional Superior de Düsseldorf condenou um cidadão alemão de 47 anos de origem turca, identificado como Aziz A., da Renânia do Norte-Vestefália, a nove meses de prisão por espionagem de membros do movimento Gülen em nome da unidade de inteligência da gendarmeria turca (Jandarma İstihbarat Başkanlığı). Seu encarregado era um turco chamado Ali D., que já havia sido condenado por espionagem em 14 de julho de 2022 e condenado a quase dois anos de prisão pelo mesmo tribunal. 

De acordo com os registros do tribunal, Aziz não só forneceu informações sobre dissidentes, mas também forneceu munições a Ali. Aziz confessou seus crimes durante seu julgamento e forneceu um relato detalhado de seu envolvimento com a inteligência turca, o que levou a uma sentença suspensa. 

Ali D. foi preso em um hotel de Düsseldorf em 17 de setembro de 2021 depois que um funcionário alertou a polícia de ter visto uma arma e munição em seu quarto. Listas dos nomes de alguns seguidores do movimento Hizmet e membros do proscrito Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) também foram apreendidos em seu quarto de hotel, que incluíam informações adicionais sobre cada pessoa, de acordo com um relatório do Der Spiegel na época. 

Em 2015, o procurador geral da Alemanha acusou Muhammet Taha Gergerlioğlu, um conselheiro próximo de Erdoğan e um operacional do MIT, de espionagem porque ele e dois de seus associados coletaram informações sobre pessoas de origem turca que viviam na Alemanha e eram críticos em relação ao governo turco. Gergerlioğlu foi posteriormente divulgado como parte de um acordo político entre a Turquia e a Alemanha. 

 Em 2017 um relatório de investigação da polícia alemã ligou Ankara a uma quadrilha de boxe na Alemanha acusada de ir atrás de adversários do governo turco. De acordo com a investigação, o antigo legislador e amigo de longa data do Erdoğan Metin Külünk forneceu dinheiro para a quadrilha, Osmanen Germania, para comprar armas, organizar protestos e atingir críticos do governo Erdoğan, informou a mídia alemã. 

Investigações policiais também sugeriram que Osmanen Germania teve contato com a União dos Democratas Internacionais (UID, antiga UETD), uma organização que funciona como um grupo de interesse estrangeiro em nome do governo Erdoğan no exterior. 

por Abdullah Bozkurt 

Fonte: Turkey’s aggressive spying activities on German soil continue, secret document reveals – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer