Últimas notícias

Juíza turca no mais alto tribunal de direitos humanos da Europa defende os argumentos falsos do governo durante os procedimentos 

Juíza turca no mais alto tribunal de direitos humanos da Europa defende os argumentos falsos do governo durante os procedimentos 
janeiro 21
01:33 2023

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (TEDH) se reuniu na quarta-feira para ouvir o caso do professor turco Yüksel Yalçınkaya, que foi demitido de seu cargo por decreto-lei e condenado a mais de seis anos de prisão por ser membro do movimento Hizmet após uma tentativa de golpe em 2016. 

Durante o julgamento Saadet Yüksel, o juiz que representa a Turquia no tribunal, fez uma pergunta em consonância com os argumentos do governo turco sobre um pedido de mensagens criptografadas que a Suprema Corte de Apelações decidiu não constituir prova suficiente de um crime. Defensores dos direitos humanos e advogados descreveram isso como um escândalo, exigindo que Yüksel se retirasse do caso. 

O governo turco acusa o movimento Hizmet de orquestrar a controversa tentativa de golpe de Estado de 15 de julho de 2016. O movimento, no entanto, nega veementemente qualquer envolvimento. 

O governo aceitou tais atividades como ter uma conta no Banco Asya, filiado ao Movimento Hizmet , ocupar uma posição administrativa em uma instituição ligada ao movimento Hizmet , assinar as publicações do grupo, ser membro de um sindicato ou outra instituição ligada ao movimento Hizmet e usar o aplicativo de mensagens criptografadas ByLock como referência para identificar e prender dezenas de milhares de seguidores do movimento Hizmet sob a acusação de ser membro de uma organização “terrorista”. 

Yalçınkaya, que foi acusado de usar o ByLock, tendo uma conta no Bank Asya e sendo membro de um sindicato filiado ao movimento, apresentou um pedido individual no Tribunal Constitucional após sua condenação ter sido confirmada pelo Supremo Tribunal de Recursos. O tribunal de primeira instância do país decidiu contra ele, com base no qual Yalçınkaya se candidatou ao ECtHR em 2020. Em seu pedido ele argumentou que as decisões proferidas pelos tribunais turcos eram contrárias aos artigos da Convenção Europeia de Direitos Humanos sobre “julgamento justo”, “nenhuma punição sem lei”, “respeito à vida privada” e “liberdade de associação”. 

Na audiência Yalçınkaya, os advogados explicaram como os dados ByLock foram obtidos ilegalmente e não puderam ser usados como prova. Afirmando que ByLock era um aplicativo disponível a todos, os advogados disseram que foi baixado por aproximadamente 600.000 pessoas em todo o mundo. “Os dados ByLock foram obtidos pela Organização Nacional de Inteligência [MIT] sem um mandado, e os pedidos do requerente para mostrar-lhe os dados ou para que eles fossem examinados por um especialista foram negados”, disseram seus advogados aos juízes. 

Eles também disseram que os dados brutos do ByLock não foram fornecidos aos tribunais durante os julgamentos do Yalçınkaya, que eles foram processados pelo MIT e que, portanto, a integridade dos dados foi prejudicada, portanto, não puderam ser considerados provas legais. 

Entretanto, o Juiz Yüksel, que deve ser imparcial, disse que havia relatórios de especialistas baseados no CGNAT que o réu havia baixado o aplicativo ByLock e que ele havia se conectado repetidamente ao servidor ByLock com seu telefone celular. Ela perguntou aos advogados do Yalçınkaya se eles estavam pedindo ao tribunal que pusesse de lado as conclusões dos peritos baseadas no CGNAT. 

CGNAT é um método usado por provedores de internet para compartilhar um único endereço IP público único com vários usuários.   

Gizay Dulkadir, ex-vice-presidente do Centro de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados de Ankara, respondeu a Yüksel em um tweet que dizia: “Estou envergonhado que Saadet Yüksel tenha apresentado os registros do CGNAT como se fossem provas de que alguém era usuário do ByLock. Até mesmo a Suprema Corte de Apelações decidiu que estes registros não eram suficientes para uma condenação”. 

O especialista jurídico Hüseyin Demir disse ao site de notícias Kronos que “Saadet Yüksel deve ter visto a defesa da Turquia como inadequada ou incompleta porque ao fazer perguntas ao advogado de Yalçınkaya, ela agiu como se fosse uma advogada e não uma juíza do tribunal de direitos humanos”. 

A Dra. Gökhan Güneş comentou sobre o desenvolvimento de uma série de tweets, dizendo que Yüksel perdeu sua imparcialidade com a pergunta que fez para colocar o acusado sob suspeita e que ela deveria se retirar do caso. Güneş também escreveu que Yüksel falou em turco com o agente do governo turco Hacı Ali Açıkgül na frente dos outros juízes e que isto era inaceitável. 

De acordo com uma decisão da 16ª Câmara Criminal do Supremo Tribunal de Recursos em 2017, o download do programa ByLock não é prova suficiente para uma condenação. Também deve haver provas concretas que provem que o acusado é membro de uma organização terrorista. 

Espera-se que a decisão seja anunciada pelo ECtHR no final deste ano, 

O Nordic Monitor analisou previamente casos em que Yüksel discordou da opinião majoritária nos quais os candidatos eram críticos do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan tomando uma posição clara em consonância com os tribunais turcos locais. Entre esses candidatos estavam Selahattin Demirtaş, o ex-coordenador de um partido de oposição pró-curdo, o empresário Osman Kavala e os jornalistas Kadri Gürsel e Ahmet Şık.   

Expressando opiniões divergentes ou parcialmente concordantes sobre quase todas as decisões, Yüksel se dirige aos politizados tribunais turcos, mesmo nos casos em que ela toma a mesma decisão que a maioria, mas argumenta que existe uma falta de comunicação entre o ECtHR e o Tribunal Constitucional da Turquia. Em pedidos feitos após a tentativa de golpe de 2016, que levou a uma proliferação de grandes violações dos direitos humanos na Turquia, Yüksel toma uma posição a favor do governo Erdoğan. 

Após a nomeação de Yüksel para o tribunal superior, os observadores de direitos humanos expressaram preocupação sobre sua imparcialidade, dadas as estreitas relações entre ela e o Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), que governa a Turquia. Não só seu irmão Cüneyt era um ex-professor e vice-presidente do AKP, mas a própria Yüksel era filiada a fundações islâmicas apoiadas pelo governo Erdoğan. Ela também foi assistente e aluna do falecido Burhan Kuzu, assessora principal e principal propagandista do presidente Erdoğan. A Nordic Monitor publicou anteriormente um relatório sobre os fortes laços de Yüksel com o governo. 

Yüksel e o ex-presidente do ECtHR Róbert Ragnar Spanó estiveram no centro de duras críticas em setembro de 2020. Spanó foi o primeiro presidente do ECtHR a fazer uma visita oficial à Turquia, o governo do qual é parte em mais de 16% dos casos perante o tribunal de Estrasburgo. Spanó e Yüksel reuniram-se com o Presidente Erdoğan à porta fechada em seu palácio presidencial.  

Aqueles que esperavam que Spanó transmitisse uma forte mensagem aos altos funcionários que a Turquia deveria implementar as decisões dos tribunais europeus e respeitar o Estado de Direito, ficaram desapontados. Spanó fez ligações de cortesia e recebeu um doutorado honorário da Universidade de Istambul, que demitiu dezenas de acadêmicos em uma repressão maciça desde 2016, em uma cerimônia que estudantes e jornalistas não foram autorizados a assistir, a pedido de Spanó. Spanó também foi para a cidade natal de Yüksel, Mardin, uma cidade no sudeste da Turquia. 

O diário francês Le Monde afirmou que Yüksel e Spanó são amigos próximos, o que implica que seu relacionamento é mais emocional do que profissional. 

por Levent Kenez 

Fonte: Turkey’s aggressive spying activities on German soil continue, secret document reveals – Nordic Monitor 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer