Últimas notícias

Espionagem por diplomatas turcos continuou em 2022 com novos alvos na Noruega, Holanda e Grécia 

Espionagem por diplomatas turcos continuou em 2022 com novos alvos na Noruega, Holanda e Grécia 
novembro 09
23:17 2022

Um documento secreto do governo turco de junho deste ano revelou que os diplomatas turcos não cessaram a prática ilegal de coleta de informações sobre críticos e opositores na Europa, apesar dos avisos dos países anfitriões de que a Turquia deve interromper suas atividades de espionagem. 

O documento, datado de 7 de junho de 2022 e selado em segredo, foi emitido pela Direção Geral de Segurança (Emniyet), que faz parte do Ministério do Interior. Mencionou que a inteligência foi transmitida ao Emniyet pelo Ministério das Relações Exteriores turco em 2 de junho de 2022, o que significa que o ministério compilou os nomes a partir de relatórios enviados à sede pelas embaixadas e consulados turcos. 

O documento foi assinado por Erdoğan Kartal, chefe adjunto do departamento antiterrorista do Emniyet, e distribuído a 74 províncias turcas numa mensagem secreta para novas ações policiais contra cidadãos turcos perfilados por diplomatas no exterior. 

Aparentemente preocupado com um vazamento do documento e possíveis consequências da atividade escandalosa em solo estrangeiro, Kartal referiu-se à fonte da inteligência como “a nota informativa obtida da instituição afiliada (V)”. O numeral romano V é o número de código da Diretoria de Segurança e Pesquisa do Ministério das Relações Exteriores (também conhecido como seção de inteligência, ou Araştırma ve Güvenlik İşleri Genel Müdürlüğü em turco). 

Não está claro quantas pessoas foram espionadas por diplomatas turcos neste caso específico, uma vez que falta o documento anexo com a lista completa de nomes que foi enviado pelo Ministério das Relações Exteriores. Mas a distribuição da lista para 74 províncias com base nos registros de registro de população sugere que centenas de pessoas devem ter sido perfiladas como críticas do governo Erdoğan no exterior. 

Outro documento obtido da Procuradoria-Geral da Afyonkarahisar dá uma ideia da extensão da atividade de espionagem desenvolvida pelos diplomatas turcos. O documento, datado de 21 de junho de 2022, citava a inteligência que veio de um departamento da polícia provincial em 8 de junho que, de fato, havia originado do Emniyet um dia antes. Ele afirmava que seis pessoas estavam localizadas na Noruega, Holanda e Grécia e ordenou uma ação legal apropriada contra elas. 

Acredita-se que as pessoas que foram visadas pelo governo turco em países estrangeiros estão afiliadas ao movimento Hizmet, um grupo que é altamente crítico do governo Erdoğan em uma série de questões, desde corrupção generalizada até a ajuda e cumplicidade da Turquia a grupos armados jihadistas. 

A fim de evitar um retrocesso diplomático e problemas a nível bilateral no caso de serem reveladas as atividades de espionagem ilegal de diplomatas, o chefe da polícia Kartal advertiu que as informações passadas pelo Ministério das Relações Exteriores devem ser tratadas com base na “necessidade de conhecer” e não devem ser “compartilhadas com pessoas/instituições não autorizadas”. 

Funcionários das embaixadas e consulados turcos se encontraram em água quente em vários países europeus nos últimos anos, quando se descobriu que eles se envolveram em espionagem e outras atividades ilegais. 

Dois diplomatas turcos, então adido de imprensa Hacı Mehmet Gani e Hakan Kamil Yerge, então segundo secretário na Embaixada da Turquia em Berna, conspiraram para drogar e sequestrar um empresário suíço-turco em 2016. Em junho de 2018, a Procuradoria Geral da Suíça emitiu mandados de prisão para os dois diplomatas turcos e confirmou que eles seriam presos quando entrassem na Suíça. De acordo com relatórios locais, o processo criminal contra os dois diplomatas foi iniciado em março de 2017. Yerge deixou a Suíça em novembro de 2016, enquanto Gani permaneceu até agosto de 2017. 

Os diplomatas turcos foram acusados especificamente de terem reunido inteligência política para outro estado e de terem tentado sequestrar um empresário suíço de raízes turcas. O homem de negócios estava alegadamente afiliado ao grupo Hizmet e vivia na Suíça há cerca de 30 anos. 

Ministério das Relações Exteriores turco. 

Thomas de Maizière, o então ministro de Estado da Alemanha, disse em março de 2017 que era uma “ofensa criminal” realizar atividades de espionagem em solo alemão e que eles “não serão tolerados por nós”. 

“Isso se aplica a todos os estados estrangeiros e a todos os serviços de inteligência”, disse ele com relação ao rastreamento de críticos pela inteligência turca. 

As repercussões da perseguição da Turquia aos críticos do governo que aparentemente buscavam asilo em países europeus para escapar da tortura e do abuso na Turquia vão desde a perseguição legal abusiva até a punição de seus parentes. Os documentos mostram que os críticos já enfrentaram investigações criminais com múltiplas acusações falsas, o que significa que eles serão processados, presos e condenados a longas penas de prisão se alguma vez voltarem à Turquia. 

Enquanto isso, seus entes queridos e parentes também poderiam enfrentar ações legais vingativas por causa de sua associação com os críticos no exterior. Seus bens provavelmente também seriam confiscados pelas autoridades turcas. 

Os diplomatas que gozam dos privilégios e imunidades descritos na Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas têm o dever de respeitar as leis e regulamentos do Estado receptor e de evitar interferir em seus assuntos internos, conforme detalhado no Artigo 41. Da mesma forma, o pessoal consular recebe privilégios e imunidades limitados pela Convenção de Viena sobre Assuntos Consulares, mas as autoridades do Estado anfitrião podem iniciar investigações e processar qualquer um dos funcionários se eles cometerem crimes dentro ou fora das instalações do consulado, de acordo com o Artigo 43 da convenção. 

Os turcos que foram espionados por diplomatas turcos enfrentaram processos criminais na Turquia. 

O movimento Hizmet é inspirado pelo estudioso turco muçulmano Fethullah Gülen, um residente nos EUA que também enfrenta vários mandados de prisão e um pedido de extradição da Turquia. No entanto, o governo dos EUA tem repetidamente solicitado ao governo turco evidências sólidas de delitos, e a Turquia não apresentou até agora nenhuma evidência que incriminasse o Hizmet. 

Erdoğan, incriminado em um grande escândalo de corrupção em 2013, que expôs propinas secretas em esquemas de lavagem de dinheiro envolvendo o infrator de sanções iranianas Reza Zarrab, culpou o Hizmet pelas investigações de enxertos em seus familiares e associados comerciais e políticos. Ele marcou o grupo como uma entidade terrorista embora nenhuma ação violenta tenha sido associada a ele, e lançou uma grande repressão contra o grupo, prendendo e/ou expurgando dezenas de milhares de funcionários do governo, confiscando ilegalmente seus bens, fechando escolas, universidades, ONGs, veículos de comunicação, hospitais e outras entidades que pertenciam ou eram operadas por pessoas associadas ao movimento. 

Erdoğan acrescentou acusações de golpe contra o Hizmet, que negou qualquer envolvimento em um golpe abortado em julho de 2016 que foi rotulado por muitos como uma operação de bandeira falsa organizada pelo Presidente Erdoğan e seus chefes de inteligência e militares. Erdoğan usou o evento como pretexto para transformar o segundo maior exército da OTAN em um viveiro de neonacionalistas e islamistas com uma purga de quase 80% de todos os generais e almirantes. Ele também adquiriu poderes presidenciais “imperiais” e lançou ofensivas transfronteiriças na Síria. 

Fonte: Spying by Turkish diplomats continued in 2022 with new targets in Norway, Netherlands, Greece – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer