Últimas notícias

Vítimas da repressão pós-golpe de Erdoğan presas na Turquia depois de rejeitas pela Grécia

Vítimas da repressão pós-golpe de Erdoğan presas na Turquia depois de rejeitas pela Grécia
agosto 07
04:12 2022

Três turcos que enfrentavam a prisão por acusações falsas de terrorismo como parte de uma repressão lançada pelo presidente Recep Tayyip Erdoğan após uma tentativa de golpe em 2016 e foram forçados de volta pela Grécia no início de julho, depois de terem fugido através da fronteira, foram presos pelas autoridades turcas, informou a Turkish Minute na quarta-feira. 

Agentes da lei gregos em 19 de julho forçaram a volta de Rıdvan Anur, Sultan Anur e Murat Yaşar, que foram condenados por pertencerem ao movimento Hizmet e libertados aguardando recurso, de volta à Turquia depois de levarem seus telefones, carteiras e pertences, informou o site de notícias Kronos. 

O governo turco acusa o movimento Hizmet de controlar a tentativa de golpe em 15 de julho de 2016 e o rotula como “organização terrorista”, embora o movimento negue fortemente o envolvimento na tentativa de golpe ou em qualquer atividade terrorista. 

De acordo com a agência de notícias estatal Anadolu, Rıdvan Anur e sua esposa, Sultan Anur, haviam sido condenados anteriormente a 10 anos, seis meses e sete anos, nove meses e 22 dias de prisão, respectivamente. 

Yaşar, que foi preso junto com o casal Anur, também tinha sido condenado à prisão com a mesma acusação, disse Kronos, sem dar detalhes sobre a duração de sua pena de prisão. 

Anur disse em sua comparência perante o tribunal esta semana que se casou há cerca de três meses e que seu marido Rıdvan foi dispensado enquanto servia como estagiário oficial na gendarmaria turca. 

“Meia hora depois de atravessarmos, fui pego pela polícia grega e eles pegaram meus pertences, telefone e dinheiro e me empurraram de volta para a Turquia”, Yaşar foi citado como tendo dito em seu testemunho. 

De acordo com dados coletados pelo The Guardian com base em relatórios das agências das Nações Unidas, bem como das bases de dados das organizações da sociedade civil, os países europeus empurraram para trás 40.000 migrantes, forçadamente na maioria dos casos, entre janeiro de 2020 e maio de 2021, e mais de 2.000 migrantes morreram durante essas rejeições. 

A política de recuo foi apoiada pela Agência Europeia de Fronteiras e Guarda Costeira (Frontex) e tornou-se sistemática à medida que os migrantes, incluindo crianças, que escaparam de guerras eram mandados de volta, noticiou o diário. 

Um total de 6.230 recuos pela Grécia ocorreu entre janeiro de 2020 e maio de 2021, de acordo com um relatório da Rede de Monitoramento da Violência nas Fronteiras (BVMN). 

Em fevereiro, 12 migrantes congelaram até a morte após serem despojados de suas roupas e forçados de volta pelos guardas de fronteira gregos. O incidente provocou a condenação internacional. 

O governo do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) lançou uma guerra contra o movimento Hizmet, uma iniciativa cívica mundial inspirada nas ideias do clérigo muçulmano Fethullah Gülen, após as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013 que implicaram os membros da família e do círculo interno do então primeiro-ministro e atual presidente Erdoğan. 

Descartando as investigações como um golpe e conspiração do Hizmet, o governo AKP designou o movimento como uma organização terrorista e começou a alvejar seus membros. O governo intensificou a repressão após a tentativa de golpe em julho de 2016. 

Um total de 319.587 pessoas foram detidas e 99.962 presas em operações contra apoiadores do movimento Hizmet desde a tentativa de golpe, o Ministro do Interior da Turquia, Süleyman Soylu, anunciou em novembro. 

Além dos milhares que foram presos, dezenas de outros participantes do movimento Hizmet tiveram que fugir da Turquia para evitar a repressão do governo. 

As vítimas da purga que queriam fugir do país para evitar a repressão pós-crime fizeram perigosas viagens através do Rio Evros ou do Mar Egeu. Alguns foram presos pelas forças de segurança turcas, alguns foram empurrados de volta à Turquia pelas forças de segurança gregas e outros pereceram no caminho para a Grécia. 

As vítimas da purga tiveram que deixar o país ilegalmente porque o governo havia revogado seus passaportes. 

Fonte: Victims of Erdoğan’s post-coup crackdown arrested in Turkey after pushback by Greece – Stockholm Center for Freedom (stockholmcf.org) 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer