Últimas notícias

Conselho da Europa deve disciplinar a Turquia sobre ativista preso

Conselho da Europa deve disciplinar a Turquia sobre ativista preso
dezembro 06
17:23 2021

O Conselho da Europa disse na sexta-feira que vai lançar uma ação disciplinar contra a Turquia por se recusar a libertar o proeminente ativista e filantropo Osman Kavala, desencadeando um procedimento usado apenas uma vez na história da organização.

O comitê de ministros do órgão pan-europeu de direitos humanos concordou com o movimento sobre a recusa reiterada da Turquia em cumprir uma decisão de 2019 do Tribunal Europeu de Direitos Humanos de libertar Kavala da prisão.

A preocupação cresce com os abusos de direitos na Turquia sob o governo do presidente Recep Tayyip Erdogan. O líder turco tem visado repetidamente Kavala, que está na prisão há mais de quatro anos sem jamais ter sido condenado por um crime.

“Ao não garantir a libertação imediata do candidato, o comitê considera que a Turquia se recusa a cumprir a decisão final do tribunal neste caso”, disse o CdE.

O Ministério das Relações Exteriores turco havia instado o CdE na quinta-feira a não iniciar a ação “por respeito ao processo judicial em andamento”, advertindo que o procedimento seria “interferência” em seus assuntos internos.

O diretor da Anistia Internacional para a Europa, Nils Muiznieks, recebeu a mensagem à Turquia como “cristalina” e disse que a situação de Kavala era “uma violação inaceitável das obrigações do país em matéria de direitos humanos”.

Aisling Reidy, assessor jurídico sênior da Human Rights Watch, acrescentou que a ação foi o “rumo certo”, dizendo que a natureza quase sem precedentes da ação foi um “reconhecimento da crise do Estado de Direito na Turquia”.

– Uma “ferramenta forte” –

Esta é apenas a segunda vez que o CdE utiliza seu chamado processo por infração contra um de seus 47 Estados membros, sendo a primeira ocasião uma ação contra o Azerbaijão por sua recusa em liberar o dissidente Ilgar Mammadov.

Mammadov foi então libertado da prisão em agosto de 2018 e o processo acabou sendo encerrado.

O procedimento foi criado em 2010 para garantir o pleno cumprimento das decisões da CEDH, que são juridicamente vinculativas para os Estados membros do CdE e não consultivas.

A decisão do comitê de ministros, que exigiu uma maioria de dois terços, coloca a Turquia sob notificação formal de que sua não libertação de Kavala será remetida de volta à CEDH.

A Turquia tem um prazo até 19 de janeiro para responder, após o qual o comitê encaminharia o caso de volta para a CEDH em sua próxima reunião em 2 de fevereiro.

O CEDH decidirá então se a não implementação pela Turquia de sua decisão de 2019 representa uma violação adicional.

A próxima audiência no caso de Kavala em Istambul está agendada para 17 de janeiro.

“Esta decisão é uma ferramenta forte que precisa ser usada por todos os atores relevantes para aumentar a pressão sobre a Turquia para acabar com suas práticas problemáticas de direitos humanos”, disse Ayse Bingol Demir, codiretora do Projeto de Apoio a Litígios na Turquia.

O estatuto do CdE permite a suspensão dos direitos de voto de um Estado membro, ou mesmo a expulsão como uma sanção final. O processo, entretanto, ainda está longe de chegar a esta etapa.

– Ataque à dignidade humana’ –

A prisão de Kavala tornou-se um dos casos mais emblemáticos na Turquia sob o comando de Erdogan, que dominou o país nas últimas duas décadas, mas que agora está enfrentando uma grave crise econômica.

O empresário de 64 anos nascido em Paris ajudou a financiar projetos da sociedade civil e estava particularmente empenhado em procurar reconciliar a Turquia e sua vizinha Armênia, com a qual Ancara não tem relações diplomáticas.

Erdogan acusou repetidamente Kavala de ser o agente na Turquia do bilionário financeiro e defensor da democracia George Soros e de ser o principal protagonista em 2013 dos protestos sobre o reordenamento de um parque de Istambul que abalou Erdogan.

Mas Kavala rejeitou as acusações “difamatórias” de Erdogan como “um ataque à dignidade humana”.

A recusa da Turquia em liberar Kavala também alimentou tensões com o Ocidente.

Em outubro, 10 embaixadas – incluindo França, Alemanha e Estados Unidos – disseram em uma declaração altamente incomum que sua contínua detenção “lançou uma sombra” sobre a democracia e o sistema judicial da Turquia.

Erdogan então ameaçou expulsar os 10 embaixadores ocidentais, embora mais tarde tenha se afastado disso.

Kavala é acusado de financiar os protestos antigovernamentais de 2013 e de desempenhar um papel numa tentativa de golpe contra Erdogan, em 2016. Se condenado, ele poderia enfrentar uma pena perpétua sem a possibilidade de liberdade condicional.

Antoine POLLEZ com Stuart WILLIAMS em Paris

Fonte: Council of Europe to discipline Turkey over jailed activist (yahoo.com)

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer