Últimas notícias

O problema do Erdogan com a Europa não se restringe apenas a Macron

O problema do Erdogan com a Europa não se restringe apenas a Macron
outubro 29
17:06 2020

Em setembro, o jornal estatal turco TRT publicou uma série de artigos analisando o declínio nas relações diplomáticas entre a França e a Turquia.

“Apesar das tiradas implacáveis ​​de Macron contra a Turquia e seu presidente Recep Tayyip Erdoğan, a visão comum dentro dos círculos políticos de Ancara é que “é apenas Macron que tem problemas com a Turquia, não o público francês”, afirmou Ufuk Necat Taşcı, analista de relações com o Oriente Médio e o Norte da África.

Isso parece uma ilusão, já que os problemas do governo turco com a União Europeia vão muito além de Macron, um líder que quer atuar como um pára-raios para o descontentamento dentro da UE em relação à política externa turca, a fim de carimbar a autoridade da França na política externa do bloco.

Com o Reino Unido tendo deixado a UE, França e Alemanha são deixadas como as duas maiores potências do bloco, e as duas nações geralmente tem adotado uma abordagem de policial bom e policial mau quanto às relações com a Turquia. Agir como defensor das preocupações de outras potências da UE, como a Grécia, dá à França maior autoridade dentro da UE.

‘Os passos do Oriente Médio da França ameaçam a unidade da OTAN’, reclamou Taşçı em outro artigo para o TRT. A projeção incorporada nesta visão do declínio nas relações entre os dois países é confirmada mais tarde no artigo, onde Taşçı cita ‘Ali Bakeer, especialista em segurança baseado em Ancara’, que diz que “os problemas internos de Macron devem permanecer internos e não exportados para a região em o nome da liderança. Com este envolvimento, Paris está ameaçando a unidade da UE e da NATO e a fortalecer o papel da Rússia na região”.

Aparentemente, basta um para dançar o tango nessa relação de desconfiança mútua. A Turquia tem ficado parada lá passivamente e não tem contribuído para esta disputa diplomática. A compra pela Turquia de mísseis russos S-400, que os líderes da OTAN dizem que ameaçam a integridade dos sistemas de armas da OTAN, aparentemente não desempenha nenhum papel nisso. A retórica agressiva de Erdogan para com a Grécia, membro da OTAN, não ameaçou a unidade da OTAN, aparentemente.

E agora, é claro, a retórica impulsiva chegou ao ponto em que Erdoğan, criticando a resposta do governo francês ao assassinato do professor Samuel Paty na semana passada, sugeriu que “Macron precisa de tratamento mental”. Macron respondeu ao brutal assassinato em um discurso em que sugeriu que alguns dos 6 milhões de muçulmanos da França queriam formar uma “contra-sociedade” e alertou sobre o “separatismo islâmico”.

“Como a França pode nos tratar assim? França e Turquia são aliadas há 500 anos. Não se esqueça de que salvamos a França dos Habsburgos quando Francisco I foi capturado por Carlos V”, reclamam os apoiadores de Erdoğan na mídia, como Taşçı, no mesmo artigo. Bem, em primeiro lugar, o Sacro Império Romano não existe há 200 anos e não há rivalidade europeia entre dinastias aristocráticas que exigiria que as potências europeias procurassem uma aliança diplomática com a Turquia.

Quando Francisco I procurou se aliar a Solimão, o Magnífico, foi por pragmatismo. Carlos V, como Sacro Imperador Romano, rei da Espanha, Holanda, Áustria, Borgonha e partes da Itália, cercou a França e representou uma ameaça aos territórios franceses. Francisco e Carlos se odiavam tanto que Carlos desafiou pessoalmente Francisco para um combate individual várias vezes. Após a Batalha de Pavia (1525), Francisco foi capturado pelas forças de Carlos e preso por um ano, antes de ser libertado após fazer concessões e após um ultimato de Solimão.

A cultura francesa desempenhou um papel importante na modernização da Turquia durante o período das reformas do Tanzimat no século 19, quando os conselheiros franceses ajudaram os sultões otomanos a modernizar sua burocracia. Toda uma geração de funcionários públicos otomanos foi treinada em francês, a língua franca europeia do século 19, resultando em palavras turcas para muitas invenções e práticas modernas sendo importações diretas do francês.

É importante ressaltar que a aliança francesa com os otomanos também permitiu que a França atuasse como protetora das grandes comunidades cristãs que viviam dentro do Império Otomano. Novamente, isso não se aplica mais. Na verdade, a grande população armênia da França incentiva a França a agir como protetora da Armênia e da diáspora armênia, o que leva a política externa francesa a ficar do lado da Armênia no conflito de Nagorno-Karabakh.

As vantagens comerciais da aliança franco-otomana também foram importantes, permitindo que a França desempenhasse um papel mais importante no comércio do Mediterrâneo, pois competia com Veneza. A Turquia carece do poder comercial como mercado de exportação de produtos europeus de que gozava o Império Otomano, portanto, há menos razões comerciais para a França ter uma relação econômica estreita com a Turquia do que havia 500 anos atrás.

Em seguida, há a retirada dos Estados Unidos de seu papel tradicional de potência hegemônica no Ocidente e de forma mais ampla no Oriente Médio. Quanto mais os EUA recusam seus serviços como mediador dentro da OTAN, mais países como a França entrarão na brecha e buscarão carimbar sua própria autoridade na política mundial.

Portanto, não se trata de Macron como indivíduo, mas de política externa francesa de maneira mais geral, que teria assumido uma forma semelhante, independente de quem fosse o presidente. Não há dúvida de que Macron parece apreciar seu papel napoleônico como líder da Europa em geral, mas os assessores políticos turcos deveriam ser mais realistas sobre por que seu relacionamento com a França azedou.

Chamar um oponente político doméstico de “mentalmente ruim” pode ser uma tática retórica comum para Erdogan que ninguém considera particularmente incomum, mas quando ele faz isso para líderes mundiais de países dos quais a Turquia é aliada da OTAN, isso envia um sinal de que o governo da Turquia é agressivo e indigno de confiança.

A Turquia tem razão em relação às reivindicações “maximalistas” dos gregos sobre o território marítimo em torno de Kastellorizo, mas esta questão não será resolvida por palavras iradas ou diplomacia de canhoneira. O perigo é que, ao aumentar as tensões com a França ou a Grécia, aumentem as perspectivas de um conflito militar e as divisões dentro da OTAN possam levar à expulsão da Turquia da aliança.

Por mais que a Turquia queira sentir saudade de sua aliança tradicional com a França, ela também tem que considerar sua rivalidade tradicional com a Rússia. Enquanto a Turquia e a Rússia se enfrentam em conflitos do Cáucaso ao Norte da África, a Turquia pode descobrir que sua posição como potência da OTAN é mais importante do que um desacordo temporário em sua aliança de 500 anos com os franceses.

Fonte: https://ahvalnews.com/turkey-eu/turkeys-problem-europe-not-just-about-macron# 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer