Últimas notícias

Agressão turca é “o elefante na sala” para OTAN

Agressão turca é “o elefante na sala” para OTAN
agosto 05
17:51 2020

Apesar de ser membro da OTAN, a Turquia comprou a defesa aérea russa. E uma recente entrada na Líbia e suas ambições energéticas quase levou a conflitos armados com a França e a Grécia.

Os navios de guerra escoltavam um navio suspeito de contrabandear armas para a Líbia, violando o embargo de armas da ONU. Desafiados por uma fragata naval francesa, os navios de guerra entraram em alerta de batalha. Em menor número e em menor poder de fogo, a fragata francesa se retirou.

Mas esse confronto naval de meados de junho no Mediterrâneo não foi um confronto de inimigos. Os antagonistas foram a França e a Turquia, membros da OTAN, que juraram se proteger.

Um encontro igualmente hostil entre a Turquia e um colega da OTAN aconteceu apenas duas semanas atrás, quando aviões de guerra turcos voaram baixo em uma área perto da ilha grega de Rodes, depois que navios de guerra gregos alertaram sobre a intenção da Turquia de perfurar gás natural submarino lá.

A Turquia – cada vez mais assertiva, ambiciosa e autoritária – tornou-se “o elefante na sala” da OTAN, dizem diplomatas europeus. Mas é uma questão, dizem eles, que poucos querem discutir.

Membro da OTAN desde 1952, a Turquia é grande, poderosa e estrategicamente importante demais – é o cruzamento da Europa com a Ásia – para permitir um confronto aberto, sugerem oficiais da aliança.

A Turquia rejeitou qualquer crítica ao seu comportamento como sendo injustificada. Mas alguns embaixadores da Otan acreditam que a Turquia agora representa um desafio aberto aos valores democráticos do grupo e sua defesa coletiva.

Uma Turquia mais agressiva, nacionalista e religiosa está cada vez mais em desacordo com seus aliados ocidentais sobre a Líbia, Síria, Iraque, Rússia e os recursos energéticos do Mediterrâneo oriental. A tendência da Turquia para o governo do homem forte depois de 17 anos com o presidente Recep Tayyip Erdogan no comando também perturbou outros membros da OTAN.

“Está ficando difícil descrever a Turquia como aliada dos EUA”, disse Philip H. Gordon, consultor de política externa e ex-secretário assistente de Estado que lidou com a Turquia durante o governo Obama.

Apesar disso, a Turquia está recebendo uma espécie de passe livre, dizem os analistas, seu caminho foi aberto por uma falta de liderança consistente dos EUA, exacerbada pelo desprezo do presidente Trump pela OTAN e sua clara admiração por Erdogan.

“Não dá para definir qual é a política dos EUA na Turquia e nem dá para ver onde Trump está se posicionando”, disse Gordon. “É um grande dilema para a política dos EUA, onde parecemos discordar estrategicamente sobre quase todas as questões”.

Essas divisões estratégicas estão proliferando. Elas incluem o apoio da Turquia a diferentes grupos armados na Síria; sua compra em 2019 de um sofisticado sistema antiaéreo russo apesar de objeções ferozes dos Estados Unidos e de outros membros da OTAN; sua violação do embargo de armas na Líbia; sua perfuração agressiva no Mediterrâneo oriental; sua constante demonização de Israel; e seu crescente uso da desinformação patrocinada pelo Estado.

Mas a mansidão geral das autoridades da OTAN em enfrentar a Turquia não ajudou, dizem os analistas, apontando para o secretário-geral do grupo, Jens Stoltenberg, cujo trabalho é manter a aliança de 30 nações unida, mas que é considerado excessivamente tolerante tanto dos americanos quanto dos turcos.

A última discussão séria das políticas da Turquia entre os embaixadores da OTAN foi no final do ano passado, apesar da compra do sistema antiaéreo, o S-400.

Outros países, como Hungria e Polônia, também ficam aquém da escala de valores, argumentou Nicholas Burns, ex-embaixador da OTAN agora em Harvard. Mas apenas a Turquia bloqueia os principais negócios da aliança.

A OTAN opera por consenso, de modo que as objeções turcas podem impedir quase qualquer política, e seus diplomatas são diligentes e conhecedores, “a par de tudo”, como um oficial da OTAN disse inicialmente. A França também usou seu veto efetivo para perseguir interesses nacionais, mas nunca para minar a defesa coletiva, dizem os embaixadores da OTAN. Mas a Turquia bloqueou parcerias da OTAN com países de que não gosta, como Israel, Armênia, Egito e Emirados Árabes Unidos.

Mais seriamente, por muitos meses a Turquia bloqueou um plano da OTAN para a defesa da Polônia e dos países bálticos, que fazem fronteira com a Rússia. E a Turquia queria que a OTAN listasse vários grupos curdos armados, que lutaram por sua independência, como grupos terroristas – algo que a OTAN não faz.

Alguns desses mesmos grupos curdos também são os melhores aliados de Washington na luta contra o Estado Islâmico e a Al Qaeda na Síria e no Iraque.

Um acordo foi supostamente elaborado na última reunião de cúpula da Otan em dezembro em Londres, mas a Turquia criou complicações burocráticas, e foi somente no final de junho que a Turquia cedeu – após considerável pressão da autoridade oficial de Washington, que perdeu a paciência com Erdogan e está enfurecida com sua insistência em comprar o S-400.

Se implantado, o S-400 colocaria os engenheiros russos dentro de um sistema de defesa aérea da OTAN, fornecendo informações valiosas sobre os pontos fortes da aliança, ameaçando diminuir a capacidade do caro caça de quinta geração, o F-35.

A suposição é que Erdogan, que ficou significativamente mais desconfiado desde que um golpe de 2016 fracassou contra ele, quer ser capaz de derrubar aviões americanos e israelenses como os que sua própria força aérea usou na tentativa de golpe.

“Toda vez que discutimos sobre a Rússia” na OTAN, “todo mundo pensa nos S-400 e ninguém diz nada”, disse um diplomata europeu, que falou sob condição de anonimato para discutir um assunto delicado. “É uma grande brecha na defesa aérea da OTAN e nem sequer é discutida”.

Em vez disso, a OTAN pressupõe que as negociações entre Washington e Ancara, de alguma forma, resolverão o problema. Mas Washington está dividido, e Erdogan fala apenas com Trump.

No entanto, a confusão não é simplesmente de Washington, disse Amanda Sloat, ex-vice-secretária de Estado assistente que lidou com a Turquia no Departamento de Estado de Obama e escreveu um ensaio recente com Gordon. A União Europeia e as Nações Unidas também não têm uma política clara sobre a Turquia ou a Líbia, disse ela.

A Turquia perseguiu seus próprios interesses nacionais no norte da Síria, onde agora possui mais de 10.000 soldados, e na Líbia, onde seu apoio militar a um governo falido ajudou a mudar a maré em troca de uma participação nos ricos recursos energéticos da Líbia.

Foi perto da Líbia em junho que três navios de guerra turcos confrontaram a fragata francesa.

Embora a União Europeia tenha uma missão para ajudar a aplicar o embargo de armas à Líbia, a OTAN não tem. A fragata, o Courbet, estava envolvida em uma missão diferente da OTAN voltada para os fluxos migratórios, mas como a Turquia e a França apóiam diferentes lados da guerra civil da Líbia, o confronto entre aliados da OTAN foi preocupante.

A Turquia disse que o navio estava carregando ajuda e não armas, e negou ter assediado o Courbet. As autoridades da OTAN dizem que seu comitê militar está investigando e que as evidências não são tão claras quanto sugerem os franceses.

Ainda assim, o presidente da França, Emmanuel Macron, usou o confronto como outro momento para afirmar que a Otan está se aproximando de uma “morte cerebral”, porque parece incapaz de controlar a Turquia ou agir de maneira política coordenada.

Sua primeira acusação também envolveu a Turquia, quando Trump, após uma ligação com Erdogan em outubro passado, decidiu unilateralmente retirar as tropas americanas do norte da Síria, onde a Otan está lutando contra o Estado Islâmico, deixando expostos os franceses e outros aliados. Por fim, o Pentágono convenceu Trump a deixar algumas tropas americanas lá.

As tensões franco-turcas na OTAN datam da decisão de 2011 de intervir contra o coronel Muammar el-Kadafi na Líbia, observou Ivo Daalder, que era então o embaixador americano na OTAN.

A França, com sua política de secularismo, teme que a reinserção do Islã por Erdogan na política se espalhe no norte da África, incentive milícias islâmicas e prejudique a “esfera de influência” da França, disse Soner Cagaptay, diretor do Programa de Pesquisa Turco de Washington. Instituto de Política do Oriente Próximo. “Eles estão bastante preocupados.”

O último ponto de fulgor está na exigência da Turquia de compartilhar descobertas de gás natural feitas em 2015 no Mediterrâneo oriental, o que levou a acordos e alianças entre Grécia, Chipre, Israel e Egito.

As reivindicações marítimas são contestadas e Erdogan reclamou em junho que “o objetivo delas era aprisionar nosso país, que tem a maior linha costeira no Mediterrâneo, em uma faixa costeira da qual você só pode pescar peixes com uma vara de pescar.”

Ele então enviou navios de inspeção e perfuração para explorar a costa do Chipre, levando a sanções europeias, e disse que faria o mesmo perto de Rodes, levando os gregos a ameaçarem com a guerra. Na semana passada, a chanceler Angela Merkel, da Alemanha, fez Erdogan esperar enquanto as negociações prossigam.

Enquanto muitos viam a Turquia como um modelo democrático moderado durante a primavera árabe de uma década atrás, a Turquia é um país diferente sob Erdogan, que mobilizou os eleitores mais religiosos do campo.

Um islamista, Erdogan tornou-se mais nacionalista e autoritário, especialmente após a tentativa de golpe de 2016, quando expurgou e prendeu muitos secularistas, juízes, jornalistas e comandantes militares turcos.

Ele rompeu definitivamente com o secularismo turco, simbolizado por sua recente decisão de transformar a Santa Sofia de um museu de volta em uma mesquita. Ele pressionou fortemente a região com uma ambição neo-otomana, rebaixando as alianças mais antigas para avançar com os interesses turcos.

Para a OTAN, Sloat disse: “A questão agora é se a Turquia ainda é um país ocidental e compartilha nossos valores”.

Ibrahim Kalin, porta-voz de Erdogan, rejeita críticas e diz que Trump e Macron são os que estão questionando o valor da OTAN.

“Acho que Macron está tentando afirmar algum tipo de liderança no norte da África, do tipo que ele não tem na Europa”, disse Kalin. “Ele chamou a Turquia de criminosa, e é incrível a França chamar outro membro da OTAN disso”.

Quanto a Bruxelas, Kalin disse: “a União Europeia deve olhar no espelho. ” A Grécia “usa a UE como forma de pressionar a Turquia, mas essa linguagem de sanções não funcionará”, afirmou ele, argumentando que a Turquia quer apenas “um compartilhamento equitativo e justo dos recursos energéticos ”.

A posição pública americana é essencialmente instar a Turquia a “interromper as operações que aumentam as tensões”, disse Philip T. Reeker, secretário de Estado assistente interino dos EUA para a Europa e a Eurásia, sobre o Mediterrâneo oriental.

“Queremos que nossos amigos e aliados – e lembre-se, somos todos, Turquia, Grécia e Estados Unidos, todos aliados da OTAN – queremos que amigos e aliados da região abordem essas questões com espírito de cooperação”, disse ele. .

“Há uma grande conversa sobre o que fazer com a Turquia”, disse um diplomata europeu sênior. “Mas não é para agora.”

Carlotta Gall contribuiu com reportagem de Istambul e Matina Stevis-Gridneff de Bruxelas.

Fonte: Turkish Aggression Is NATO’s ‘Elephant in the Room’ 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer