Últimas notícias

Turquia: Jogador que não quer saber do time

Turquia: Jogador que não quer saber do time
julho 27
21:52 2020

Uma tendência nacionalista em casa e provocações no exterior desgastou laços com a Europa e, talvez, em breve também com os EUA.

A Turquia está se tornando cada vez mais a peça do quebra-cabeça da OTAN que não se encaixa. O tipo específico de populismo nacionalista turco do presidente Recep Erdoğan ganhou críticas da maioria dos membros da OTAN em um momento ou outro. Os planos da Turquia para a adesão à União Europeia parecem cada vez mais uma lembrança distante, já que as críticas às atividades de Ancara de seus aliados europeus sobre uma série de questões têm sido relativamente constantes.

Em 2017, por exemplo, os holandeses recusaram dar a permissão para o ministro das Relações Exteriores turco desembarcar no país e expulsaram um ministro turco, pois ambos procuravam fazer comícios para o referendo turco sobre a expansão dos poderes presidenciais. A Áustria fechou várias mesquitas com financiamento turco e expulsou vários imãs turcos que, segundo ela, estavam importando ideais nacionalistas turcos.

Mas é na arena da segurança que as medidas políticas de Erdogan não apenas o colocam em conflito com seus outros parceiros da OTAN, como também aumentam as perspectivas de uma divisão muito mais séria. Houve a compra do ano passado do sistema de mísseis antiaéreos S-400, construído na Rússia, que resultou no embargo das vendas do caça F-35 de próxima geração. Washington disse desde então que os jatos destinados à Turquia serão comprados pela Força Aérea dos EUA. E no ano passado, a UE também estabeleceu um limite para a venda de armas à Turquia após a incursão militar de Ancara no norte da Síria.

Erdogan é um oportunista de política externa e, dada uma administração distraída e ineficaz em Washington, ele tentou promover os seus interesses regionais com pouca consideração por seus parceiros da OTAN.

Mas é o conflito líbio cada vez mais complicado e uma disputa separada, porém relacionada, sobre as reservas de gás do Mediterrâneo Oriental que estão exacerbando as tensões. A França, um importante membro militar da OTAN, juntamente com vários companheiros fora do normal, como a Rússia e os Emirados Árabes Unidos, tem apoiado as forças da oposição do general Khalifa Haftar, enquanto a Turquia está apoiando o Governo de Acordo Nacional (GNA), reconhecido pela ONU. A Turquia supostamente fornece às forças do GNA mercenários sírios como parte de sua aventura na Líbia. E mercenários russos do Grupo Wagner também foram enviados para apoiar as forças de Haftar. Com o GNA agora em ascensão, o conflito ameaça se tornar ainda mais complicado com a aprovação do parlamento egípcio na semana passada para enviar tropas para fora do país para garantir sua fronteira ocidental, se necessário.

A Turquia também usou sua aliança com o GNA para assinar um MOU de fronteira marítima em novembro de 2019 que foi rotulado de “ilegal” e “ilógico” e causou consternação no Egito, Grécia, Israel e Líbano. A Turquia é vista como um espoliador por esses outros países na pressa de desenvolver as reservas ricas em gás no Mediterrâneo oriental, usando seu controle da (não reconhecida internacionalmente) República Turca do Norte de Chipre e do MOU como justificativa para suas ações.

As ações da Turquia colocaram em conflito com outros parceiros da OTAN – a França em particular. As tensões entre a França e a Turquia aumentam há meses e, em janeiro deste ano, a França prometeu apoio naval para ajudar a Grécia em um impasse com a Turquia no Mediterrâneo Oriental. Mas, no mês passado, o incidente mais grave entre os dois países ocorreu quando um navio francês que fazia parte de uma missão marítima da OTAN no Mediterrâneo procurava revistar um navio registrado na Tanzânia que acreditava estar contrabandeando armas para a Líbia. Ele estava sendo escoltado por navios da marinha turca, que declaravam que o navio carregava suprimentos humanitários, e que os franceses alegaram ter alertado agressivamente seu navio. Insultos públicos foram trocados e uma investigação da OTAN foi conduzida, cujos resultados não foram divulgados.

A retórica e as ações ultra-nacionalistas de Erdogan lhe renderam poucos amigos, e a recente decisão de reabrir a Hagia Sophia de Istambul como mesquita depois de mais de 80 anos como museu levou o Papa a dizer que estava “profundamente magoado” com a mudança. Mas Erdogan é no seu âmago um político interno e pouco se importa com o que outros países ou líderes pensam. Ele também é um oportunista de política externa e, dado um governo distraído e ineficaz em Washington, ele tentou promover os seus interesses regionais com pouca consideração por seus parceiros da OTAN, imaginando que eles precisam mais dele do que ele deles. Mas ele deveria esperar mais resistência de um governo Biden, que seria instintivamente multilateralista e mais disposto a rejeitar as políticas externas unilateralistas de Ancara.

Como vice-presidente, Biden experimentou o estilo de liderança de Erdogan, incluindo ser desprezado pelo presidente quando visitou a Turquia em 2016. Mas em um tweet no ano passado, Biden criticou a abordagem de luvas de pelica de Trump à intervenção turca na Síria:

“Primeiro Trump deu um sinal verde a Erdogan para limpar etnicamente os curdos que nos ajudaram a derrotar o ISIS. Agora, ele recebe Erdogan de braços abertos e acordos amorosos. É difícil evitar a conclusão de que, mais uma vez, os interesses pessoais de Trump, e não os EUA, estão impulsionando sua política.”

Se os tweets são alguma indicação de intenção política – e hoje em dia parecem ser o meio preferido para anunciar políticas -, a Turquia pode achar suas ambições regionais mais difíceis de realizar se houver uma mudança de atitude em relação à unidade da aliança de um novo governo em Washington.

Fonte: Turkey: Not a team player | The Interpreter

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer