Últimas notícias

Governo turco leva perseguição contra imprensa para além das fronteiras

Governo turco leva perseguição contra imprensa para além das fronteiras
junho 30
15:00 2020

Em um novo esforço para silenciar os críticos do governo no exterior, um tribunal turco solicitou a extradição de um jornalista turco que está exilado na Suécia por supostamente insultar dois oficiais do tribunal em 2018.

Levent Kenez, editor da Nordic Monitor, é acusado de difamar um promotor e juiz em um tribunal de Istambul em um artigo publicado no site de notícias em turco TR724 em 17 de fevereiro de 2018 depois que o tribunal proferiu sentenças de prisão perpétua a seis jornalistas e trabalhadores da mídia acusados ​​de tentar destruir a ordem constitucional.

A promotora Yasemin Baba, que já havia redigido várias acusações que exigiam sentenças duras para jornalistas, ordenou que a polícia abrisse uma investigação e informasse imediatamente após a publicação do artigo. A polícia, indicando que Kenez já havia sido fichado, forneceu a ela um relatório de inteligência de 30 páginas, incluindo seus registros telefônicos e informações pessoais de voo, datadas de 2000, cópias de registros de identidade que incluíam as de suas duas filhas, contas bancárias e registros de segurança social e informações pessoais. Baba também emitiu um mandado de detenção para Kenez em 27 de fevereiro de 2018, um dia antes de registrar uma acusação, que foi extraordinariamente rápida, dada a lentidão habitual do sistema judicial turco.

O processo judicial começou em 5 de julho de 2018 à revelia e prosseguiu como um julgamento comum até 25 de março de 2019, quando o Ministério da Justiça enviou um relatório de inteligência escrito pelo Ministério do Interior dizendo que Kenez residia na Suécia e perguntou se o tribunal havia redigido uma solicitação formal de extradição junto a um Red Notice. Surpreendentemente, o tribunal decidiu não solicitar um Red Notice para Kenez, dada a natureza do crime durante a quinta audiência, em 18 de julho de 2019. No entanto, o ministério enviou uma nova diretiva em 9 de agosto de 2019, desta vez solicitando que o Ministério Público de Istambul inste o tribunal a preparar documentos para um pedido de extradição e a seguir as instruções anexas à diretiva. Finalmente, o 36º Tribunal Penal de Istambul decidiu apresentar um pedido de extradição para Kenez na sexta audiência, em 12 de dezembro de 2019.

Os documentos para o pedido de extradição foram preparados em 9 de março de 2020 em meio à pandemia de coronavírus, quando os tribunais adiaram as audiências e a maioria dos funcionários foi autorizada a ficar em casa. O pedido alega que Kenez apontou o juiz Kemal Selçuk Yalçın e o promotor Can Tuncay como alvos para grupos terroristas, um pretexto comum usado pelo governo turco para remover oponentes políticos e ativistas da sociedade civil. O promotor Tuncay foi acusado de envolvimento na morte do professor Gökhan Açıkkollu, que foi submetido a tortura durante a detenção na sede da polícia em Istambul. O juiz Yalçın era o chefe de um painel de juízes que havia proferido sentenças de prisão perpétua a três jornalistas de destaque, incluindo o romancista Ahmet Altan e três outros réus em 16 de fevereiro de 2018. O Supremo Tribunal de Apelações da Turquia posteriormente se recusou a manter as sentenças de prisão perpétua. Um alto tribunal criminal de Istambul deu novamente aos réus sentenças de prisão de tamanhos variados. Entre eles estavam Fevzi Yazıcı e Yakup Şimşek, que foram acusados ​​de enviar mensagens implícitas sobre uma tentativa de golpe que ocorreu na Turquia em 15 de julho de 2016 em um comercial de TV dirigido pelo jornal Zaman, o extinto jornal mais vendido da Turquia, quase um ano antes a tentativa de golpe.

O promotor Yasemin Baba ordenou que a polícia abrisse imediatamente uma investigação.

“Não fiquei surpreso”, disse Kenez, que mora em Estocolmo desde 2016, ao Nordic Monitor, acrescentando: “Não é segredo que o governo do [presidente] Erdoğan se envolveu em uma campanha de perseguir seus críticos abertos de qualquer maneira possível.”

“A Turquia não é um país livre, onde se possa usufruir do direito ao devido processo, e o judiciário não é independente. Dezenas de milhares de pessoas de todas as esferas da vida, não apenas jornalistas, estão atrás das grades sob acusações de terrorismo falsas e injustificadas”, disse Kenez.

Kenez acredita que os fundamentos do governo para solicitar sua extradição são uma admissão disso. “Tenho mais seis processos judiciais pendentes, em um dos quais sou acusado de pertencer a uma organização terrorista. Não é estranho que a Turquia me queira não por causa disso, mas por insultar funcionários públicos? Há um caso contra mim no qual sou acusado de insultar o Presidente Erdoğan. É promissor que a Turquia considere que juízes e promotores sejam mais “sal da terra” do que o presidente”.

Kenez acha que as autoridades do governo estão cientes de que seria absurdo se a Turquia, o pior carcereiro de jornalistas do mundo, quisesse Jornalista crítico da Suécia, o país ficou em primeiro lugar no mundo em termos de liberdade de imprensa, em alegações infundadas de terror.

Kenez foi o ex-editor-chefe do jornal Meydan, que foi ilegalmente fechado pelo governo em 2016. Ele foi brevemente detido durante uma batida policial em sua sede em Istambul, após uma tentativa de golpe controverso em 2016. Um novo mandado de prisão foi emitido no dia seguinte à sua libertação. Kenez teve que fugir da Turquia atravessando o rio Evros para a Grécia, a fim de evitar o risco de perseguição e prisão arbitrária.

O Nordic Monitor havia revelado anteriormente o escopo alarmante das operações clandestinas realizadas pelo governo de Erdogan contra jornalistas críticos que vivem em exílio na Suécia, de acordo com documentos secretos do Ministério de Relações Exteriores da Turquia que confirmam que a Embaixada da Turquia em Estocolmo espionou organizações suecas e fichou jornalistas turcos exilados.

O tribunal superior da Suécia rejeitou recentemente o pedido da Turquia de extradição de Ragip Zarakolu, 72 anos, jornalista e editor que está sendo julgado desde 2011 por acusações de terrorismo com base em um discurso.

A Turquia ocupa a 154ª posição entre 180 países no Índice Mundial da Liberdade de Imprensa de 2020, compilado pelo Repórteres Sem Fronteiras (RSF), um órgão de vigilância da liberdade de mídia que descreve a Turquia como “o maior carcereiro do mundo de jornalistas profissionais”.

Segundo o grupo de defesa do centro de Estocolmo para a liberdade, que monitora a liberdade de imprensa na Turquia, 175 jornalistas estão atualmente atrás das grades nas prisões turcas. Os dados do SCF também mostram que pelo menos 168 jornalistas foram forçados a viver no exílio.

Fonte: Turkey takes crackdown on press freedom beyond its borders, seeks extradition of journalist from Sweden

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer