Últimas notícias

Os refugiados em Pazarkule que se tornaram peças no jogo de Erdogan

Os refugiados em Pazarkule que se tornaram peças no jogo de Erdogan
maio 14
17:54 2020

No início de março, milhares de refugiados se reuniram em frente ao portão da fronteira de Pazarkule, na Turquia, depois que o presidente Recep Tayyip Erdoğan disse que “abriria o portão” para a Europa.

A medida foi uma reação ao assassinato de 33 soldados turcos na província de Idlib em 28 de fevereiro e destinada a exercer pressão sobre a União Europeia e a Otan para apoiarem sua operação militar no norte da Síria.

Muitos foram de ônibus para Pazarkule – alguns organizados pelas autoridades turcas de Istambul – outros caminharam. As pessoas abriram mão de casas que estavam alugando e venderam os pertences que ainda tinham.

Rima, uma ex-enfermeira síria de 45 anos que documentou as atrocidades do regime em um hospital de campanha em Daraa, arrumou o que possuía, deixou seu alojamento alugado e pagou 500 liras turcas (420 reais) para chegar a Pazarkule. Ela esperava encontrar um caminho para a Europa e depois para a Suíça, onde sua irmã é refugiada política.

Quando ela chegou, no entanto, ela rapidamente percebeu que as fronteiras fechadas significavam que ela simplesmente fazia parte de um jogo maior do governo turco. “Eu entendi que estávamos sendo usados”, diz ela.

As forças gregas usaram gás lacrimogêneo e balas de borracha para repelir as pessoas que tentavam atravessar. A Turquia alega que 150.000 pessoas cruzaram as fronteiras terrestres e marítimas durante esse período, enquanto a Grécia coloca os números oficiais em menos de 3.500.

Nas semanas seguintes, Rima e os milhares que permaneceram em Pazarkule passaram de um pesadelo para outro quando o surto de coronavírus tomou conta da Europa. Na noite de 26 de março, as forças turcas queimaram as tendas improvisadas dos que viviam no campo de refugiados ​​e os forçaram a entrarem em ônibus, levando-os por milhares de quilômetros por todo o país até campos de quarentena.

A Lighthouse Reports seguiu Rima e outras 29 pessoas em suas viagens a partir de Pazarkule: rastreando e verificando testemunhos por meio de aplicativos, transmissões ao vivo e atualizações de mídia social.

A investigação mostrou como, depois de deixarem os campos de quarentena, algumas pessoas acabaram nas ruas de Izmir. Outros, incluindo crianças, foram colocados em um centro de detenção em Ancara. Alguns sírios foram ameaçados de serem deportados para “zonas seguras” no norte da Síria. Essas pessoas são o que resta da “influência” da Turquia sobre a União Europeia. Suas histórias são apenas alguns daqueles que arriscaram e perderam muito na fronteira europeia em março.

Depois que Rima viu sua barraca ser queimada, ela foi levada para um campo de quarentena em Malatya. Ela calcula que ela era uma das cerca de 2.300 pessoas que foram levadas de ônibus para mais de 1.000 km longe da fronteira, no lado leste da Turquia. Eles não tiveram escolha a não ser partir, diz ela: “[As forças turcas] nos ameaçaram com armas”.

Rima diz que havia provisão mínima de alimentos e assistência médica em Malatya. Eles foram finalmente libertados da quarentena em 16 de abril e deixados na província de Trabzon, no nordeste. Um grupo de 50 pessoas, incluindo Rima, que não tinham dinheiro para viagens posteriores, foram apanhadas pelas autoridades locais e levadas para um centro de detenção em Ancara, a 800 km de distância.

Os vídeos que ela compartilhou mostram mulheres gritando e crianças chorando quando chegam às instalações. Rima diz que todos inicialmente se recusaram a descer do ônibus quando perceberam que estavam prestes a ser detidos novamente.

“Eles nos trataram como detentos e criminosos”, diz ela. Ela conseguiu ficar com o telefone, embora outros o tivessem os deles levado embora. “Eu pude comunicar e documentar o que as pessoas sofreram nesta prisão.” As fotos que ela compartilhou mostram bebês e crianças sentados em beliches. Eles entraram em greve de fome em protesto contra as condições e Rima diz que não havia fórmula de leite para os bebês.

“Eles nos forçaram com cassetetes a desistir do nosso sonho e entrar no ônibus”

Ibrahim, refugiado sírio

“Foi seu presidente que nos anunciou que as fronteiras estavam abertas, o seu presidente! Você nos encorajou a sair, estava nos dizendo para forçar o portão grego e que ele não abriria sem pressão”, gritou Rima pela porta trancada do quarto.

Depois de cinco dias, eles foram libertados. Rima havia perdido a casa que estava alugando em Konya depois de não pagar uma mensalidade.

Rima não pode retornar à Síria por causa de suas atividades anteriores na mídia. Ela também está preocupada em ser deportada para “zonas seguras” que a Turquia estabeleceu no norte da Síria. Ela teme que essas zonas caiam nas mãos do regime sírio em um futuro próximo. “Por que devo confiar nas promessas de Erdoğan de criar zonas seguras na Síria, depois de tudo o que vimos do estado turco?” ela pergunta.

Ömer Faruk Gergerlioğlu, deputado do Partido Democrata do Povo e membro da Comissão de Direitos Humanos da Turquia, disse ao Guardian que os refugiados em Pazarkule foram usados ​​como peças políticas.

“Milhares de pessoas foram jogadas na fronteira como uma ferramenta política ou para chantagem”, diz ele. Gergerlioğlu testemunhou alguns dos eventos em Pazarkule na qualidade de membro da Comissão de Direitos Humanos. Ele disse que a ameaça de abrir as fronteiras para os refugiados é o “calcanhar de Aquiles do ocidente”.

“Erdoğan é um político pragmatista”, disse ele. “As pessoas que morreram, foram feridas, ficaram infelizes, perderam seus pertences, são apenas baixas para Erdoğan. Ele pode montar um jogo desse tipo novamente.”

Ibrahim *, 41, é outro sírio que tentou a sorte em Pazarkule. Ele costumava pintar paredes nas áreas rurais fora da cidade de Latakia e foi preso em 2016 depois de ser acusado de entregar equipamentos médicos aos rebeldes.

O anúncio de Erdoğan deu a Ibrahim a esperança de que ele pudesse se juntar à sua esposa, que havia viajado para a Alemanha enquanto ele estava na prisão.

Ibrahim foi roubado de seus pertences perto de Pazarkule por uma gangue de seis pessoas. Depois de uma tentativa malsucedida de atravessar, foram para o campo improvisado em Pazarkule. “Ficamos em silêncio e aqui outra forma de sofrimento começou”, diz ele.

Quando a quarentena foi anunciada, ele foi forçado a entrar em um ônibus. “Eles nos forçaram com cassetetes a desistir de nosso sonho e entrar no ônibus, depois que mentiram para nós que retornaremos após o final do período de quarentena”, disse ele. Ele foi levado para um antigo dormitório universitário em Edirne, onde teve que ceder seu telefone.

A comida nessa instalação de quarentena improvisada era mínima. “Chamávamos de amostras”, diz ele. As pessoas em quarentena foram ameaçadas de deportação e espancadas pelas autoridades turcas após um protesto contra as condições, diz ele. “Meu amigo ainda está sofrendo dos ferimentos na mão.”

Ibrahim diz que gastou cerca de 1.700 dólares (9.990,00 reais) e esgotou quase todas as suas finanças na tentativa de atravessar a fronteira para a Europa.

Mesmo após a quarentena, os refugiados que estavam em Pazarkule se viram no meio de jogos políticos. Histórias não verificadas apareceram na mídia grega no início de abril, sugerindo que a Turquia planejava enviar migrantes com Covid-19 para a Europa. Uma reportagem do jornal grego Kathimerini pôs na manchete: “A Turquia está forçando migrantes infectados por Covid a cruzarem a fronteira até a Grécia, acreditam as autoridades”.

Artigos semelhantes foram publicados nos meios de comunicação gregos ERT, Mega TV, Ethnos e Proto Thema. Proto Thema usou uma captura de tela do vídeo de Mohammad, um refugiado da província de Hamah. Isso foi apresentado sem contexto para reforçar as alegações de que refugiados com coronavírus estavam se reunindo na fronteira. O vídeo de Mohammad, no entanto, tinha uma legenda que explicava que todo mundo com quem ele estava acabara de ser libertado da quarentena e não tinham coronavírus. Mohammad, que não quer que seu nome completo seja usado, nunca teve o vírus.

Para aqueles que tentaram e não conseguiram chegar à Europa no portão da fronteira de Pazarkule, o futuro é desconhecido. Rima agora está desabrigada e fica com os amigos em Ancara. Ela não pode imaginar ganhar dinheiro suficiente para construir uma vida lá e teme ser deportada para o norte da Síria. “Não há futuro, proteção ou esperança”, diz ela.

Para Ibrahim, que está ficando com amigos em Istambul, Pazarkule é representante da paz e segurança que ele e tantos refugiados sírios foram até agora negados. “Foi assim que uma das tentativas em nossa busca por uma vida digna foi cancelada”, diz ele. “Para mim, esta é a história de Pazarkule.”

O Guardian entrou em contato com representantes do Ministério da Saúde turco para esclarecer detalhes sobre a evacuação de Pazarkule, os campos e a resposta ao Covid-19, mas não recebeu resposta.

* Os nomes foram alterados para proteger a identidade.

As reportagens para este artigo foram apoiadas pela Borders Newsroom no Lighthouse Reports. https://www.lighthousereports.nl/

Fonte: ‘There is no future’: the refugees who became pawns in Erdoğan’s game

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer