Últimas notícias

Reunião do grupo paramilitar SADAT, da Turquia, discutiu envio de combatentes estrangeiros para Caxemira e Palestina

<strong>Reunião do grupo paramilitar SADAT, da Turquia, discutiu envio de combatentes estrangeiros para Caxemira e Palestina</strong>
novembro 26
21:52 2022

A ideia de enviar combatentes estrangeiros para a Caxemira e a Palestina no contexto do conflito russo-ucraniano foi levantada durante uma reunião na Turquia organizada pelo grupo paramilitar secreto SADAT do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan.

“Não apenas a OTAN, mas todas as potências mundiais, eles disseram que qualquer voluntário, incluindo americanos, pode ir para a Ucrânia, pode lutar ombro a ombro com o exército ucraniano e que são chamados de heróis. Eu endosso isso. Mas meu único ponto é: esses voluntários terão permissão para ir à Palestina, para ir à Caxemira?” disse Syed Ghulam Nabi Fai, um criminoso condenado nascido na Caxemira que cumpriu pena na prisão federal dos EUA.

“Podemos perguntar às potências mundiais por que vocês não sentem essa dor e sofrimento quando vêm das ruas da Palestina ou da Caxemira?” ele adicionou.

As observações de Fai foram bem recepcionadas por outros participantes da reunião realizada pela organização de fachada do SADAT, o Centro de Estudos Estratégicos da Associação dos Defensores da Justiça (ASSAM), em 12 de novembro de 2022. A organização de Fai com sede nos EUA, o Conselho Americano da Caxemira (KAC), uma organização financiada pelo Inter-Services Intelligence (ISI) do Paquistão, há muito tempo é parceira do SADAT e de suas organizações afiliadas.

FOTO 1: Captura de tela de um vídeo da conferência dirigida por Syed Ghulam Nabi Fai em 12 de novembro de 2022.

Mesut Hakkı Caşın, assessor do presidente turco em segurança e política externa, e o senador paquistanês Muhammad Talha Mahmood, ministro federal dos estados e regiões fronteiriças, também estiveram entre os participantes da reunião.

Esta não é a primeira vez que Fai aparece em eventos do SADAT. Ele tem trabalhado em estreita colaboração com o fundador do SADAT, o general aposentado Adnan Tanrıverdi, que serviu como ex-assessor militar chefe do presidente turco e que ainda aconselha Erdoğan, embora não oficialmente, em questões militares e de segurança. Fai viajou para a Turquia e para a Europa para participar de discussões com funcionários do SADAT no passado.

FOTO 2: Adnan Tanrıverdi, um oficial aposentado e ex-conselheiro militar chefe do presidente Erdoğan, é visto no mesmo painel que Fai em um evento de setembro de 2018 em Colônia, na Alemanha.

Levantar a ideia de enviar combatentes para a Caxemira em uma reunião do SADAT é particularmente preocupante, dado que o SADAT facilitou o tráfico de combatentes para a Síria, forneceu armas e suprimentos logísticos para grupos jihadistas em todo o mundo e esteve envolvido no treinamento de facções islâmicas da Líbia. Seu líder Tanrıverdi pretende transformar o sistema secular da Turquia em um regime islâmico baseado na Shariah e sonha em criar um exército islâmico com a participação de países muçulmanos.

Grupos islâmicos militantes turcos sempre vigiaram a Caxemira com o objetivo de enviar combatentes para lutar contra o exército indiano. Alguns deles foram de fato mortos em batalhas enquanto lutavam contra os indianos. Alguns deles, endurecidos pela batalha no exterior, foram para a Bósnia, Chechênia, Etiópia, Afeganistão e Paquistão para defender as causas jihadistas e pegar em armas contra o que chamavam de infiéis. Nos últimos anos, muitos desses militantes se juntaram a outros grupos jihadistas alinhados com a Al-Qaeda e o Estado Islâmico no Iraque e na Síria (ISIS).

FOTO 3: Osman Öztürk, um jihadista turco que foi para a Caxemira em 4 de junho de 1997 e morreu em 11 de julho de 1997 enquanto lutava pelo Hizb-ul-Mujahideen contra o exército indiano.

O jihadista turco mais proeminente que lutou contra o exército indiano e foi morto durante os confrontos foi um homem chamado Osman Öztürk. Ele foi para a Caxemira em 4 de junho de 1997 e morreu em 11 de julho de 1997 enquanto lutava pelo Hizb-ul-Mujahideen, uma organização radical e separatista listada como entidade terrorista pela União Europeia, Índia, Canadá e Estados Unidos.

Öztürk se tornou um garoto-propaganda para os jihadistas turcos, que o aclamam como herói e um grande mártir. Ele até apareceu em calendários enviados para todo o mundo, incluindo grupos radicais na região da Caxemira para campanhas de doutrinação e recrutamento de novos aspirantes. O Nordic Monitor obteve fotos de um orfanato administrado pela Fundação para Direitos Humanos e Liberdades e Ajuda Humanitária (İnsan Hak ve Hürriyetleri ve İnsani Yardım Vakfı, ou IHH) no lado paquistanês da Caxemira. As fotos, que se acredita terem sido tiradas em fevereiro de 2014, mostram um homem contando às crianças reunidas ao seu redor sobre as pessoas apresentadas no calendário, que foi afixado nas paredes do orfanato.

O IHH é um grupo radical ligado a grupos jihadistas, incluindo a Al-Qaeda, e foi objeto de uma investigação antiterrorista em janeiro de 2014 na Turquia. Foi salvo pelo presidente turco Erdoğan, que interveio no caso. A unidade trabalha em estreita colaboração com a agência de inteligência turca MIT, liderada pelo confidente de Erdoğan, Hakan Fidan, uma figura islâmica, e foi descrito como um fornecedor logístico global para grupos jihadistas por especialistas em terrorismo.

FOTO 4: Nesta foto de 2014, alunos de um orfanato no lado paquistanês da Caxemira estão sendo ensinados sobre um jihadista turco que foi morto enquanto lutava contra o exército indiano na década de 1990.

FOTO 5

O Nordic Monitor publicou anteriormente um relatório documentando como o IHH se conectou com a organização extremista e militante islâmica indiana, a Frente Popular da Índia (PFI), como parte do alcance do governo turco às comunidades muçulmanas na região do Sudeste Asiático.

A campanha contra a Índia por jihadistas turcos corre o risco de colocar em perigo diplomatas indianos e cidadãos indianos na Turquia. Na verdade, há um precedente para isso que levou à violência contra a embaixada indiana no passado. Um grupo militante turco, envolvido em assassinatos, atentados e sequestros, plantou uma bomba em um veículo pertencente a um funcionário da embaixada indiana em Ancara em 1992 sobre a Caxemira.

O incidente ocorreu em 12 de dezembro de 1992, quando três membros do grupo terrorista Tevhid Selam, um grupo proxy dirigido pela Força Quds do Irã, plantaram uma bomba com temporizador em um carro operado pelo diplomata indiano Yash Paul Kumar em Ancara. O veículo foi danificado quando a bomba explodiu, mas Kumar escapou sem ferimentos. Durante o interrogatório policial, Ferhan Özmen, um dos três militantes que planejaram e executaram o atentado, disse que o objetivo do ataque era enviar uma mensagem à Índia sobre os acontecimentos na Caxemira. Özmen foi julgado, condenado e enviado para a prisão na época.

No entanto, a maioria dos membros do grupo terrorista Tevhid Selam foi libertada da prisão depois que Erdoğan chegou ao poder na Turquia. Uma campanha está em andamento para garantir a libertação dos poucos, incluindo Özman, que ainda estão cumprindo pena. Uma nova investigação sobre a rede, lançada em 2011 por um promotor público, foi abafada pelo governo de Erdoğan em fevereiro de 2014, antes de o caso ir a julgamento. Muitos suspeitos na nova investigação foram criminosos condenados na década de 1990.

Alguns deles que foram objeto de uma investigação de contraterrorismo acabaram sendo assessores próximos do presidente Erdoğan, como Sefer Turan, o principal conselheiro de Erdoğan nas relações da Turquia com os países do Oriente Médio e Norte da África, e Mustafa Varank, um ex-assessor e agora o ministro da indústria e tecnologia.

É claro que com a proteção política de Erdoğan, os jihadistas turcos se sentem encorajados. Com dezenas de milhares de expurgos no judiciário e na força policial, incluindo oficiais veteranos que haviam investigado tais grupos no passado, os jihadistas turcos agem com impunidade e não enfrentam nenhuma repressão real no sistema de justiça criminal, que agora é projetado para ir atrás dos opositores políticos, jornalistas críticos e defensores dos direitos humanos.

Como resultado desse ambiente permissivo, o SADAT tem organizado reuniões durante as quais o envio de voluntários para lutar no exterior, inclusive na região da Caxemira, são discutidos e considerados livremente.
Fonte: Turkey’s paramilitary SADAT meeting discussed deploying foreign fighters to Kashmir, Palestine – Nordic Monitor

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer