Últimas notícias

Uigures na Turquia clamam pelo boicote dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim: “China, feche os campos de concentração”

Uigures na Turquia clamam pelo boicote dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim: “China, feche os campos de concentração”
janeiro 25
20:04 2022

Os muçulmanos uigures que vivem na Turquia clamaram pelo um boicote no domingo dos próximos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim.

Em Istambul, dezenas de membros da comunidade uigur, uma minoria étnica da Ásia Central e Oriental, realizaram um protesto contra os Jogos Olímpicos de Inverno e conclamaram os países a boicotar a competição, segundo a Reuters. A China está sob forte ataque da comunidade internacional por abusos dos direitos humanos e supostos genocídios contra os uigures que vivem em sua região ocidental de Xinjiang.

No evento, os manifestantes agitaram a bandeira azul e branca do movimento de independência do Turquestão Oriental, um grupo que a China chamou de ameaça à sua província de Xinjiang. Eles usaram frases como “China, pare o genocídio” e “China, feche os campos de concentração”, este último referindo-se aos campos de concentração que, segundo consta, estão sendo usados para “reeducar” à força membros das comunidades uigur de Xinjiang.

“A China não tem o direito de sediar as Olimpíadas enquanto comete toda a tortura, crueldade e genocídio contra uigures”, disse a dona de casa e manifestante Munevver Ozuygur, de acordo com a Reuters. Ela alegou ter parentes sendo mantidos em campos de concentração na China.

Estima-se que cerca de 50.000 Uyghurs vivem na Turquia. Esta é a maior comunidade da diáspora do grupo fora da Ásia Central. O povo turco também compartilha vários traços “étnicos, religiosos e linguísticos” com os uigures, conforme observado pela Al Jazeera.

As Olimpíadas de Inverno estão programadas para começar em 4 de fevereiro. Até agora, os Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá, Dinamarca e Japão optaram por não enviar delegados diplomáticos, em protesto contra o histórico de direitos humanos da China. Os Estados Unidos também impuseram uma série de sanções contra várias empresas e políticos chineses sobre o suposto tratamento dado aos uigures.

Especialistas das Nações Unidas e grupos de direitos humanos afirmam que mais de um milhão de Uyghurs foram detidos à força nos campos de concentração de Xinjiang. Inicialmente negando a existência dos campos de concentração, a China alega agora que eles são usados para treinamento vocacional e para reduzir o apelo do “extremismo”.

Também no domingo, Rushan Abbas, um ativista americano Uyghur e diretor executivo da Campanha pelos Uigures, um grupo de direitos humanos, escreveu uma op-ed para The Hill.

Ela descreveu o boicote diplomático das Olimpíadas como “um mínimo, simbólico ao invés de substancial”. Ela pediu que os EUA e outros países não comparecessem aos jogos e que os possíveis espectadores de todo o mundo não se sintonizassem com o evento.

“Quando as gerações futuras olharem para o nosso mundo de hoje, elas aprenderão que os Estados Unidos agiram com clareza moral?” Abbas escreveu. Nossa nação muitas vezes repete o grito de manifestação “Nunca mais! No entanto, isso está acontecendo novamente. Temos uma chance de corrigir a história em construção. O que vamos decidir?”

POR THOMAS KIKA

Fonte: Uyghurs in Turkey Call for Beijing Winter Olympics Boycott: ‘China, Close the Camps’ (newsweek.com)

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer