Últimas notícias

Será que as ambições da Turquia para o Afeganistão vão sair pela culatra?

Será que as ambições da Turquia para o Afeganistão vão sair pela culatra?
outubro 07
15:44 2021

Os planos da Turquia de potencializar um papel no Afeganistão para atingir seus objetivos mais amplos parecem desajustados.

Em uma época em que muitos países estão deixando o Afeganistão, a Turquia tem procurado maneiras de ficar. Ao ajudar a administrar o aeroporto de Cabul, Ancara acredita que pode se estabelecer no Afeganistão, o que, por sua vez, a ajudaria a alcançar seus objetivos mais amplos. Entretanto, a crise do Afeganistão está se tornando cada vez mais regionalizada e os vizinhos do Afeganistão provavelmente desempenharão um papel mais proeminente, enquanto a Turquia – desprovida de um papel de segurança – será, na melhor das hipóteses, um jogador marginal.

Ao ajudar a administrar o aeroporto de Cabul, Ancara acredita que pode ganhar uma posição no Afeganistão, o que, por sua vez, a ajudaria a atingir seus objetivos mais amplos.

Para que Ancara possa potencializar o Afeganistão para outros fins, precisa primeiro garantir que qualquer papel que desempenhe no aeroporto de Cabul tenha uma dimensão de segurança e não seja um papel estritamente técnico ou civil, em parte porque Ancara carece de outras fontes de influência no país.

Por exemplo, o Catar desempenha um papel importante no espaço diplomático como facilitador, já que muitos países se envolvem com o Talibã em Doha, mas também podem fornecer ao Afeganistão assistência tanto civil quanto técnica. A Turquia também não compartilha uma fronteira terrestre ou marítima com o Afeganistão e sua influência potencial não seria, portanto, comparável a lugares como Síria, Nagorno-Karabakh ou Líbia, onde a Turquia desempenha um papel proeminente.

Os Talibãs parecem aprovar que a Turquia assuma um papel na administração do aeroporto – juntamente ao Qatar – em parte para manter os laços com os atores internacionais e evitar o isolamento internacional, mas também estão desconfiados de lhe atribuir qualquer dimensão significativa de segurança. Para superar a resistência do Talibã, a Turquia parece ser flexível e, em vez de usar seus militares, poderia considerar uma empresa de segurança privada apoiada por um número limitado de forças especiais no aeroporto.

Na fronte política, a Turquia queria que o Talibã incluísse no novo gabinete do Afeganistão figuras turcas de origem minoritária uzbeque ou turcomena, pois isso teria ajudado a narrativa interna do governo turco. Entretanto, o Talibã não atendeu às exigências turcas na fronte

político ou de segurança e, mesmo que o Talibã concorde com um papel limitado de segurança para a Turquia, é pouco provável que isso ajude Ancara a atingir suas ambições.

O que a Turquia espera alcançar?

Ancara quer usar o Afeganistão como alavanca para melhorar suas relações com os EUA, ganhar uma fonte de alavancagem em relação à Europa – particularmente em relação à migração – desempenhar um papel na eventual reconstrução do Afeganistão e ganhar uma posição modesta na geopolítica da Ásia Central e do Sul.

Como tal, os objetivos da Turquia parecem estar deslocados. A motivação principal do governo de Erdogan era usar o Afeganistão para reparar os laços com a administração Biden. As relações entre a Turquia e os EUA/o Ocidente têm estado em profunda crise nos últimos anos e a crescente maré de autoritarismo na política interna e o desacoplamento geopolítico na política externa têm impulsionado as divisões entre os dois lados. O governo Erdogan parecia ter apostado em uma crise geopolítica para lembrar os EUA de seu valor e acreditava que o Afeganistão era a crise que poderia ajudar a restabelecer os laços com a administração Biden.

A situação no Afeganistão certamente trouxe uma mudança na linguagem utilizada nas relações EUA-Turquia. As autoridades americanas se referem cada vez mais à Turquia como um aliado estratégico e um parceiro inestimável – algo que a administração Biden tem evitado até agora. Mas isso provavelmente é o mais longe que se pode chegar. O quanto o Afeganistão será importante para os EUA daqui a um ano ou dois é questionável, na melhor das hipóteses. Os EUA estão ansiosos para deixar o dossiê do Afeganistão para trás, enquanto Ancara aspira a usá-lo para fins não relacionados ao Afeganistão nos próximos anos. Assim, há um notável desalinhamento em sua abordagem do Afeganistão. O fato de Erdogan ter retornado de uma recente viagem dos EUA para participar da abertura da AGNU sem ter conseguido uma reunião com Biden é ilustrativo da importância que os EUA atribuem às aspirações da Turquia no Afeganistão.

Os governos europeus estão preocupados com a perspectiva de novas ondas de refugiados afegãos rumo ao continente e estariam interessados em trabalhar com a Turquia – um país de trânsito – para conter tal maré. A cooperação sobre migração e refugiados tem sido uma das áreas mais tangíveis de engajamento entre a Turquia e a UE nos últimos anos. Entretanto, a perspectiva e a profundidade de tal cooperação dependerá muito do tamanho dos fluxos de refugiados. Além disso, a Turquia já abriga o maior número de refugiados do mundo e refugiados adicionais minariam a popularidade do governo.

Quanto a desempenhar um papel na eventual reconstrução do Afeganistão, qualquer papel que a Turquia pudesse desempenhar aqui seria pálido em comparação com o da China.

Como o ângulo americano da política da Turquia para o Afeganistão dificilmente será tão compensador quanto o governo turco esperava, é provável que Ankara agora reestruture seu papel em torno da importância do Afeganistão. No discurso oficial, a dimensão da Ásia Central/Mundo turco do envolvimento da Turquia no Afeganistão vai se tornar mais pronunciada. No entanto, em termos de política externa, isso seria autodestrutivo, pois é improvável que os Talibãs aprovem tal linguagem de solidariedade étnica e a China e a Rússia também desaprovariam tal discurso. Apesar de ser uma narrativa míope, é provável que Ancara vá em frente, pois seria bom para o público interno.

Em termos da dimensão do Sul da Ásia, a Turquia tem laços culturais, políticos e comerciais bem estabelecidos tanto com o Afeganistão quanto com o Paquistão, incluindo uma grande diáspora afegã, que antecedem e sobreviverão ao Talibã.

Ancara pode ter esperado que, a fim de obter aceitação internacional, o Talibã tivesse optado por um gabinete mais inclusivo, com mais nomes não-Pashtun, e uma governança mais pragmática, particularmente quando se trata da aplicação da lei Sharia e dos direitos das mulheres. Isto teria tornado o engajamento com o Talibã, e até mesmo um futuro reconhecimento de um governo Talibã, menos dispendioso para a Turquia. Mas o novo governo do Talibã já dissipou tais esperanças.

E à medida que o foco internacional no Afeganistão se desvanece, é provável que o Talibã aplique uma interpretação rigorosa da Sharia, tornando qualquer associação e cooperação com o Talibã potencialmente muito dispendiosa para a Turquia. O debate em torno da radicalização e do jihadismo que tem se concentrado nos desenvolvimentos no Oriente Médio é agora mais provável que se mude para o Afeganistão e há um risco de que as práticas do Talibã possam desencadear o isolamento do Afeganistão na comunidade internacional.

Neste contexto, uma política mal concebida para o Afeganistão, e muito menos uma associação com o Talibã – mesmo um reconhecimento potencial do governo Talibã – provavelmente será tão cara para a Turquia que compensaria quaisquer benefícios que este país esperava obter ao alavancar um papel de segurança no aeroporto de Cabul.

Fonte: Will Turkey’s Afghanistan ambitions backfire? | Chatham House – International Affairs Think Tank

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer