Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Turquia envia combatentes sírios para o Azerbaijão

Turquia envia combatentes sírios para o Azerbaijão
outubro 01
20:23 2020

Várias centenas de combatentes sírios foram enviados pela Turquia para apoiar o Azerbaijão em seu conflito em andamento com a Armênia, de acordo com um monitor de guerra e um comandante rebelde sírio.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos, que conta com pesquisadores em toda a Síria, disse que mais de 300 combatentes sírios foram enviados ao Azerbaijão, aliado de longa data da Turquia.

“Esses combatentes sírios vêm de dois grupos armados étnicos turcomanos, incluindo a Divisão Sultan Murad e a Brigada Suleyman Shah”, disse Rami Abdulrahman, diretor do Observatório Sírio, à VOA em entrevista por telefone na terça-feira.

Os dois grupos rebeldes sírios apoiados pela Turquia têm sido atores importantes nas áreas controladas pela Turquia no norte da Síria.

Ziad Hajj Obeid, comandante do Exército Nacional Sírio, apoiado pela Turquia, disse à Rudaw TV, um canal de TV curdo no Curdistão iraquiano, na segunda-feira que há duas razões pelas quais os rebeldes sírios são levados a se juntar à luta no Azerbaijão.

“Obviamente, alguns foram ao Azerbaijão em busca de incentivos financeiros, mas outros tomaram a decisão por um senso de dever para com nossos aliados turcos”, disse Obeid, acrescentando que “a Turquia tem sido nosso principal apoiador na Síria, e estamos simplesmente devolvendo o favor.”

Dois combatentes sírios entrevistados pela agência de notícias Reuters disseram que foram informados por seus comandantes de brigada síria que ganhariam cerca de US $ 1.500 por mês. A VOA não pôde verificar independentemente esta informação.

Os confrontos pelo território de Nagorno-Karabakh, que começaram no domingo, deixaram dezenas de mortos e centenas de feridos. Observadores dizem que os últimos combates em torno do enclave de grande etnia armênia no Azerbaijão são os piores desde os anos 1990.

Reivindicações negadas

As notícias sobre este desenvolvimento vieram primeiro do embaixador da Armênia na Rússia na segunda-feira, que disse que a Turquia havia enviado cerca de 4.000 combatentes do norte da Síria para o Azerbaijão.

O presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, negou tais afirmações, dizendo à TV Russian-1, um canal de notícias estatal russo, que eram “fake news”.

Hami Aksoy, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores turco, classificou as alegações de “infundadas”. Um oficial do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) negou as acusações.

Em um tweet na segunda-feira, Omer Celik, porta-voz do AKP, descreveu as acusações como mentiras e uma provocação contra a Turquia.

Apoio turco

A Turquia disse que apoiará o Azerbaijão com todos os meios necessários, pois o presidente turco Recep Tayyip Erdogan expressou o apoio de seu país ao Azerbaijão, chamando a Armênia de “a maior ameaça à paz na região”.

O governo armênio disse na segunda-feira que “especialistas” militares turcos estavam “lutando lado a lado com o Azerbaijão”. A Turquia negou essas acusações.

Fariz Ismailzade, vice-reitor da Universidade ADA em Baku, disse que o Azerbaijão não precisa de mercenários “porque temos um exército treinado profissionalmente”.

“A Turquia oferece apoio moral e político, mas não é parte no conflito e não envia nenhuma unidade militar”, disse ele à VOA.

“Até agora, o Azerbaijão usou apenas unidades do exército oficial (e) anunciou a mobilização parcial dos reservistas”, acrescentou Ismailzade.

Papel dos combatentes sírios

Ancara já usou milícias sírias no conflito líbio. A Turquia enviou à Líbia entre 3.500 e 3.800 combatentes sírios pagos no início de 2020, de acordo com um relatório de julho do inspetor-geral do Departamento de Defesa dos EUA.

A implantação fez parte dos esforços da Turquia para apoiar o Governo de Acordo Nacional (GNA) baseado em Trípoli contra as forças leais ao comandante Khalifa Haftar. Apesar do embargo de armas imposto à Líbia pelas Nações Unidas, a Turquia também forneceu drones e um sistema de defesa aérea para a GNA, que é reconhecida pela ONU.

O envio de milícias sírias pela Turquia supostamente desempenhou um papel na mudança do curso da guerra da Líbia, mas os especialistas não acreditam que seria o caso no conflito Armênia-Azerbaijão.

“Nagorno-Karabakh é uma região montanhosa, e lutar nas montanhas não é o mesmo que nas ruas”, disse Yeghia Tashjian, uma especialista em Beirute na região do Cáucaso.

“Muitos guerrilheiros (sírios) não estão preparados para isso”, disse ele à VOA. “Alguns deles lutaram na Líbia, onde o clima é quente, ou até mesmo em Idlib (na Síria), onde não está muito frio em comparação com Nagorno-Karabakh.”

Abdulrahman, do Observatório Sírio, disse que, dado o pequeno número de combatentes sírios enviados ao Azerbaijão, sua implantação é meramente um movimento simbólico de Ancara.

Matthew Bryza, ex-embaixador dos EUA no Azerbaijão e agora membro sênior do Conselho do Atlântico, não pôde confirmar se os relatos sobre a presença de combatentes sírios eram precisos, mas observou que a “situação mercenária” na Síria é um “trágico reflexo da economia do desespero.”

“Porque essas são decisões individuais (de lutar), não são decisões políticas”, disse ele à VOA. “Não acho que haverá um impacto político dessas decisões, a menos que, por algum motivo, a Turquia tenha conseguido forçar as pessoas a irem da Síria ao Azerbaijão para lutar.”

Fonte: Monitor: Turkey Sending Syrian Fighters to Azerbaijan 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer