Últimas notícias
  • Embaixada da Turquia nas Filipinas espionou 29 críticos de Erdoğan A Embaixada da Turquia nas Filipinas espionou os cidadãos turcos no país e encaminhou a lista de perfis ilegais para Ancara, o que levou ao lançamento de procedimentos judiciais infundados contra eles, informou o Nordic Monitor, citando documentos legais. ...
  • Lira turca atinge recorde de baixa enquanto Erdogan despede banqueiros centrais A lira turca afundou a uma baixa recorde em relação ao dólar americano na quinta-feira depois que o presidente Recep Tayyip Erdoğan demitiu três membros do banco central em um decreto no meio da noite, informou a Agence France-Presse. ...
  • Condições de trabalho degradantes expulsam médicos da Turquia Milhares de médicos estão deixando a Turquia como resultado dos baixos salários aliados à violência que enfrentam de pacientes zangados e seus familiares, uma situação só agravada pela pandemia do coronavírus e pela crise econômica resultante. ...
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...

Como a Turquia está enviando uigures muçulmanos de volta à China sem quebrar sua promessa

Como a Turquia está enviando uigures muçulmanos de volta à China sem quebrar sua promessa
julho 27
22:06 2020

Revelado: O Presidente Erdogan está ajudando a China a repatriar dissidentes muçulmanos enviando-os para um terceiro país antes que eles retornem

Ela estava conversando com o filho, quando o telefonema foi interrompido de repente. E foi a última vez que alguém ouviu falar de Aimuzi Kuwanhan, uma mãe de dois filhos com 59 anos e muçulmana uigur que conseguiu fugir da China e chegar ao que ela pensava ser um porto seguro na Turquia de Recep Tayyip Erdogan.

Originalmente de Kashgar, em Xinjiang, na China – que já foi uma parada na Rota da Seda – Kuwanhan encontrou refúgio na Turquia de uma sufocante campanha de repressão contra os uigures da China. Parece que a China veio procurá-la e, um ano depois, ninguém pode sequer dizer se ela está viva.

A família da viúva acredita que ela foi extraditada para um destino desconhecido na China, via Tajiquistão. Como centenas, ela é uma vítima, eles acreditam, de grandes empresas colidindo com os direitos humanos, outro sacrifício humano para manter o investimento de Pequim fluindo para a Turquia.

Não é surpresa, portanto, que um número crescente de uigures na Turquia tenha medo do alcance da China. Ismael Cengiz, um proeminente ativista conhecido como o primeiro-ministro simbólico dos uigures, diz: “Existem ameaças e são sistemáticas. Eles querem que pensemos que podem nos levar a qualquer lugar.”

A Turquia orgulha-se de dizer que tem sido boa para os uigures. Estima-se que 50.000 deles são refugiados aqui, e eles floresceram sob Erdogan, que nos últimos anos se considerou um protetor dos muçulmanos em todo o mundo.

No bairro de Zeytinburnu, em Istambul, sua cultura prosperou. A poesia uigur é publicada; lojas em todo o distrito vendem roupas de uigures elaboradas; e restaurantes servem pratos de macarrão picantes que lembram muitos de suas casas.

A Turquia também lhes forneceu uma plataforma para dizer ao mundo o que eles dizem ser o genocídio perpetrado contra os muçulmanos da China, com 1,5 milhão de uigures em campos de concentração em todo o país. Até aqui, tudo bem.

Agora, advogados dizem que Pequim está manipulando acordos de extradição para arrastar os uigures de volta aos campos de reeducação. E, os ativistas argumentam, a crescente dependência econômica de Ancara em Pequim está comprometendo sua capacidade de suportar a pressão chinesa e proteger os uigures que fugiram de Xinjiang.

Apesar de que a Turquia se recusa a enviar os uigures diretamente de volta à China, os ativistas dizem que há pessoas dispostas a enviá-los para outros países, como o Tajiquistão. A partir daí, é mais fácil para a China garantir sua extradição.

Então, por que os turcos seriam cúmplices disso? Dinheiro, é a resposta, e garantir que o investimento chinês na Turquia continue.

Kuwanhan, que se acredita estar sofrendo de demência, desapareceu repentinamente da moradia pública em que vivia no meio do ano passado. Ela apareceu duas semanas depois com um telefonema de um centro de detenção em Izmir.

As autoridades turcas negam que Kuwanhan tenha sido detida no centro de deportação de Izmir. Mas os registros de ligações telefônicas provam que ela fez várias ligações telefônicas de uma linha fixa dentro do centro para sua família.

Depois de várias semanas, Kuwanhan – sua fotografia de passaporte mostrava uma mulher sorrindo timidamente e usando um lenço na cabeça – foi informada de que ela havia sido liberada, segundo a família. Mas, no meio da ligação para o filho, um guarda gritou para ela desligar o telefone. Não se tem mais notícias desde então.

Um advogado contratado por sua família descobriu posteriormente que ela havia sido extraditada para o Tajiquistão, apesar de nunca ter morado lá ou ter tido a cidadania tadjique. Fontes que conheciam Kuwanhan dizem que de lá que ela foi enviada para a China.

Ela não era ativista. Quem a conheceu disse que, depois de chegar à Turquia, ela tentou viver uma vida tranquila. Em 2012, porém, um de seus filhos foi condenado a 14 anos de prisão na China por aprender o Alcorão.

O caso dela se assemelha ao de Zinnetgul Tursun, outra uigur que foi deportada para o Tajiquistão no ano passado com suas filhas. Eles também não tinham ligações com o Tajiquistão e, depois de chegarem, foram enviados para a China.

Uma economia em convulsão e atritos com a Europa forçaram a Turquia a investir em outras amizades, em particular com a China. Como parte essencial da estratégia de investimento Belt & Road de Pequim, as empresas chinesas investiram bilhões no desenvolvimento da infraestrutura turca, e Pequim pretende dobrar os investimentos para mais de US $ 6 bilhões até o final do próximo ano.

Esse acolhimento das relações e a crescente dependência de Ancara no investimento de Pequim custaram caro aos uigures. Como diz Cengiz: “Há tanto dinheiro em jogo, nossa causa vem em segundo lugar”.

Apesar de apoiar publicamente a situação dos uigures, Ancara é prejudicada por acordos bilaterais com o Ministério da Justiça da China. Eles obrigam as autoridades turcas a investigar as denúncias feitas pela China contra indivíduos.

A Turquia também está interessada em melhorar sua posição internacional em como lida com terroristas em meio a alegações de que era suave com jihadistas estrangeiros que viajavam para a Síria nos primeiros anos da Guerra Civil Síria. Pequim é acusada de manipular isso.

O Sunday Telegraph estudou os documentos de inteligência chineses enviados pelo Ministério de Segurança Pública da China como parte de pedidos de extradição que proclamam que os alvos são suspeitos de terrorismo. Enquanto várias centenas de uigures viajaram de fato para a Síria para se juntar a grupos jihadistas uigur, os documentos se concentram simplesmente na identidade uigur.

Dezenas de uigures passaram meses em centros de detenção e deportação em toda a Turquia sem acusação, como resultado de demandas judiciais chinesas. Embora a Turquia tenha uma política de não deportar uigures para a China, onde eles provavelmente enfrentariam detenção ou morte, o Sunday Telegraph descobriu evidências de que a China conseguiu deportar uigures para outros países. Acredita-se que eles sejam enviados de lá para a China.

Ibrahim Ergin, advogado especializado em casos de deportação, disse: “Nenhum uigur será extraditado diretamente para a China. Acho que isso não vai mudar tão cedo. Então eles [China] tentam tornar suas vidas o mais miseráveis ​​possível e enviá-los para outros países sempre que possível. À medida que as relações entre China e Turquia melhoram, são os uigures que perdem”.

Ergin afirmou que os briefings de inteligência enviados como parte dos pedidos de extradição geralmente apresentam testemunhos fabricados. Um deles foi baseado em cinco testemunhos, mas três das supostas testemunhas foram executadas em campos chineses, disse ele.

Ele descreveu como o governo turco está sendo inundado por demandas de extradição, mandados de prisão e pedidos judiciais da China. Alguns vêm diretamente de Pequim, outros através da Interpol, e ele suspeita que outros sejam emitidos por outros países em nome da China.

Ergin disse: “Eu tenho uma lista de 200 acadêmicos uigures na Turquia. De uma maneira ou de outra, a China está exigindo todos os 200.”

Mas tem mais. Ilsan Aniwar, usando uma máscara azul com o slogan “Uigures livres”, é uma figura-chave na comunidade uigur, graças aos seus vídeos on-line no Turquestão Oriental – o nome uigur para Xinjiang. Ele afirma que Pequim está pressionando as autoridades turcas a reprimir o ativismo nos campos de concentração na China. E ele acredita que há espiões dentro do acampamento.

Aniwar disse: “Há pessoas trabalhando para a China em nossa comunidade. Costumávamos fazer campanha e aumentar a conscientização do lado de fora de todas as grandes mesquitas e exibir bandeiras [uigures] em todos os eventos públicos. Eles não nos deixam mais fazer essas coisas.”

O ativismo de Aniwar fez com que ele fosse preso várias vezes no ano passado. Ele disse ao Sunday Telegraph que, em seu período mais recente de detenções, os guardas tentaram induzi-lo a assinar um pedido de deportação voluntário.

Ele, como todos os ativistas com quem o Sunday Telegraph falou, está receoso com a Turquia. Como Ismail Cengiz diz: “Não é do nosso interesse escolher uma briga com o estado turco. Eles foram muito bons para nós. Quando ninguém mais estava ouvindo, eles nos acolheram.

O Sunday Telegraph procurou um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Turquia para comentar, mas não recebeu resposta. A Turquia negou veementemente deportar uigures para a China.

Fonte: https://www.telegraph.co.uk/news/2020/07/26/turkey-sending-muslim-uighurs-back-china-without-breaking-promise/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer