Últimas notícias

Mafioso turco detido em Buenos Aires fala da prisão: “Políticos do meu país me pediram assassinatos”

Mafioso turco detido em Buenos Aires fala da prisão: “Políticos do meu país me pediram assassinatos”
agosto 03
16:27 2020

Serkan Kurtulus, capturado no mês passado, quebra o silêncio com Infobae depois de pedir ao governo que permaneça na Argentina como refugiado e acusa o partido do presidente Recep Erdogan de ordenar um ataque ao pastor Andrew Brunson. Sua fuga incomum para o país e o medo de ser morto por um espião em sua cela

A Interpol o havia marcado como armado e perigoso, tinham-no procurado em todo o mundo com uma Red Notice por sua cabeça, com um arquivo secreto detalhando 26 eventos armados desde 2016 com a metralhadora AK-47 como sua principal arma, uma vida acalorada dedicada à violência extrema e o assassino por contrato. Eles o acusaram de crimes como homicídio, assalto à mão armada, privação ilegal de liberdade e sequestro, ameaças, histórias de empresários assassinados a tiros e homens de negócios que imploravam por proteção para serem salvos dele, homens e prédios alvejados. No mês passado, um jornal turco detalhava a nova acusação contra ele: em novembro de 2019, um mês antes de sua chegada ao país, ele foi acusado de ser contratado para atirar em um chefe zonal do partido ultranacionalista do MHP em Izmir e depois fugir. Eles o envolveram na queda de um avião russo, abatido por mísseis. Ele foi a julgamento por isso. Ninguém poderia provar aquilo.

Então ele fugiu. Ele literalmente atravessou o mundo, acompanhado por um cúmplice e tenente com um passaporte falso para se estabelecer em Buenos Aires: atravessou a Geórgia, Azerbaijão, Ucrânia, Colômbia e depois a Argentina. Ele aprendeu espanhol no caminho, uma colombiana que se tornou sua namorada, ou sua professora, ensinou-lhe o básico. Ela o seguiu para Buenos Aires; nunca soube quem ele era. Viveu como um fugitivo de luxo com dinheiro no bolso, em um prédio de luxo na Rua Petrona Eyle, em Puerto Madero, no meio de uma pandemia, o membro selecionado de uma raça de bandidos que talvez este país nunca conheceu.

Serkan Kurtulus, nascido em Izmir em 1978, sempre foi esperto o suficiente para construir essa imagem de si mesmo, com um estilo de vida delirante que incluía posts no Twitter e Instagram de bilhetes de apostas em jogos de futebol na Premier League, citações do Alcorão e a exibição grosseira de armas de fogo, enquanto posava com supostos bandidos nas montanhas ou com homens que ele chamava de suspeitos patriotas debaixo de bandeiras jihadistas e mais armas em tendas em locais desconhecidos.

Hoje, Kurtulus sabe que falar e ser visto é sua melhor chance de permanecer vivo.

Ele está preso, na Unidade nº 28, o escritório do prefeito dos tribunais da rua Talcahuano, em uma cela superlotada de ladrões, com ladrões de celulares e sem-tetos e com cheiro de urina, para onde foi transferido depois que a divisão Interpol da Polícia Federal o prendeu no dia 11 de junho enquanto ele caminhava pela rua. A Sala II do Tribunal Federal de Cassação se recusou a libertá-lo na semana passada.

A Turquia reivindica sua extradição por meia dúzia de crimes. No entanto, algo atrasa sua saída do país. Kurtulus e sua cúmplice solicitaram formalmente que fossem refugiados no Estado argentino. Eles não planejam retornar à Turquia, porque algo mais assustador do que eles, diz Kurtulus, espera-os para os matarem.

Infobae seguiu seu caso, revelou sua captura, seu pedido para permanecer no país. Também se fez uma pergunta: do que ele tem medo?

O próprio Kurtulus fala da prisão para respondê-la. Ele faz isso em espanhol.

-Por que você fugiu para a Argentina?

-Para minha segurança. A Turquia quer me matar. Eu estava em guerra, o presidente ajudou um grupo terrorista. Vi muitas coisas, sei muitas coisas, agora a Turquia quer me culpar. Eu sei muito sobre assassinatos políticos. Eu estive com eles, mas vi muitas coisas ruins e não quero mais estar com eles. Na Geórgia, pedi para ser um refugiado e eles me disseram que eu tinha um alto risco de morrer na Turquia. Agora a Turquia quer me matar na cadeia … Muitos políticos querem me matar.

-Você quer viver na Argentina como refugiado?

-Eu quero ser um refugiado aqui. Meu advogado tem os papéis. Nós não queremos voltar.

-Você acha que o governo argentino o ajudará?

-Sim, queremos morar aqui, não queremos voltar. Eles certamente vão nos matar.

-Muitas pessoas querem matá-lo?

Sim, políticos querem me matar.

-Quem forneceu o dinheiro para sua fuga?

-Os meus amigos.

Assim, Kurtulus revela o que teme: o poder político da Turquia. Ele fala do “presidente”, do partido “AKP”, liderado pelo atual presidente, Recep Erdogan.

Além disso, ele revela a intenção desse poder de torná-lo seu assassino, um pistoleiro à venda para matar seus rivais.

O relato de Kurtulus é trespassado pela turbulência política interna da Turquia atual. O conflito entre Erdogan e o movimento Hizmet, inspirado pelo clérigo Fethullah Gülen em exílio nos Estados Unidos, acusado de fazer parte do golpe contra Erdogan em 15 de julho de 2016, é uma constante. Há um caso de particular preocupação para ele, o assassinato de Ahmet Kurtulus, com quem ele não tinha nenhuma relação, um homem forte do partido AKP em Izmir, cometido em 2019. Supostamente, segundo a mídia turca, Ahmet era suspeito de apoiar a organização criminosa de Serkan.

“Eles mataram Ahmet Kurtulus porque ele sabia”, diz Kurtulus, um caso de fogo amigo: “Eles queriam matar pessoas e culpar o Hizmet”.

Ele também repete outro nome famoso na Turquia: o do pastor presbiteriano americano Andrew Brunson, fundador de uma igreja em Izmir, acusado de ser um aliado do Hizmet no golpe de 2016, preso e depois enviado para prisão domiciliar, uma situação que causou fortes tensões entre Erdogan e Trump.

-O que aconteceu com Brunson?

-O AKP, eles queriam matá-lo e culpar o Hizmet. Um agente, meu amigo, queria matá-lo, mas não conseguiu. Depois, ele esteve comigo na Geórgia. Eu tenho muitos papéis, trabalhamos juntos. Então eles disseram: “Você precisa matar o Andrew Brunson”. Eu não aceitei matá-lo. Eles não me prometeram dinheiro por matá-lo. Nós estávamos juntos. O AKP queria ser forte nas ruas, com o Hizmet eles tinham problemas para conseguirem isso. Por isso eles queriam organizar pessoas como eu, eles queriam enviar a guerra.

“Quem pediu para você matar o Brunson?”

-O AKP queria, o AKP. Grandes políticos em Izmir.

Se o que Kurtulus diz é verdade, um estado soberano pediu uma bala clandestina para um inimigo do mais alto perfil internacional, um Estado de que o traficante assegura, foi seu aliado, seu parceiro.

-E você tem medo de que eles o assassinem na cadeia, aqui no país?

-Pode ser. A Turquia pode fazer muitas coisas, pode nos matar na prisão. Em um caminhão, um guarda me mostrou seu telefone, em voz do tradutor da Internet, em turco. Outros prisioneiros ouviram, mas não entenderam. Mas nós entendemos. Dizia: “VOCÊS AQUI MATAR”.

Fonte: Habla desde la cárcel el mafioso turco detenido en Puerto Madero: “Políticos de mi país me pidieron asesinatos”

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer