Últimas notícias

Turquia busca ganhos diplomáticos após intervenção militar na Líbia

Turquia busca ganhos diplomáticos após intervenção militar na Líbia
junho 22
23:00 2020

A Turquia está buscando colher recompensas diplomáticas por seu sucesso militar na Líbia. Os recentes ganhos das forças apoiadas pela Turquia do Governo Nacional da Líbia (GNA) estão aumentando a influência de Ancara na Líbia e com a União Europeia.

A Turquia enviou pessoal militar para a Líbia em janeiro para apoiar o GNA de Trípoli. Ele estava sob ataque contínuo de forças lideradas pelo general líbio Khalif Haftar, que tem uma base de poder no leste da Líbia. O Exército Nacional da Líbia (LNA) de Haftar tem o apoio de países como Emirados Árabes Unidos, Egito e Rússia.

O destacamento militar turco para a Líbia, amplamente visto como uma aposta pelo presidente Recep Tayyip Erdogan, acabou virando um divisor de águas na guerra civil.

As forças de Haftar foram expulsas dos subúrbios de Trípoli e continuam a sofrer perdas territoriais.

O ministro turco de Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu e Hakan Fidan, chefe da Organização Nacional de Inteligência da Turquia, lideraram quarta-feira uma delegação de alto nível em Trípoli, destacando o papel crítico que a Turquia está desempenhando na Líbia. Segundo relatos da mídia turca pró-governo, Ancara está buscando estabelecer uma base aérea e naval na Líbia.

Até o momento, o governo turco ainda não comentou oficialmente sobre as notícias, mas a presença militar de Ancara na Líbia pode ser uma grande moeda de troca com a União Europeia.

“Estrategicamente a Líbia é muito importante para a UE, sendo a porta de entrada da África para a Europa”, disse o embaixador turco aposentado no Qatar, Mithat Rende.

O caos da guerra civil da Líbia fez do país uma das principais rotas de contrabando para migrantes que tentam entrar na UE.

Ancara já tem um acordo com a UE para impedir que refugiados e migrantes tentem entrar na Turquia, em troca de bilhões de dólares em ajuda.

O professor de ciências políticas Ilhan Uzgel, da Universidade de Ancara, disse que Erdogan agora vê uma oportunidade de estender o papel da Turquia como guardião da UE na Líbia. Ancara tem inúmeras questões em negociação com Bruxelas na renovação de uma união aduaneira em viagens sem visto.

“A Turquia usou os refugiados sírios como moeda de troca contra a UE, era uma política de chantagem e funcionou de alguma forma. Agora, com a Líbia, a Turquia tem um novo cartão ou influência contra a UE. Portanto, eles [a UE] podem não estar felizes, mas a UE normalmente está barganhando com a Turquia sobre as questões dos refugiados”, disse Uzgel.

A França e a Alemanha criticaram fortemente a intervenção militar turca na Líbia, embora com a Alemanha assumindo a presidência da UE em julho, a chanceler alemã Angela Merkel possa estar procurando Erdogan para um acordo.

“A presença militar turca na Líbia fortaleceria sua posição em relação à UE em geral e à Alemanha em particular”, disse o especialista em relações internacionais Zaur Gasimov, da Universidade de Bonn.

“Os temores de mais afluxo de refugiados nunca foram tão fortes como agora na Europa, já fortemente desafiados pela pandemia de coronavírus e recessão econômica”, acrescentou.

Merkel falou por telefone com Erdogan este mês sobre a Líbia. Sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores italiano, Luigi Di Maio, viajou para Ancara para conversar com seu colega turco, Mevlut Cavusoglu, sobre a estabilização do país do norte da África.

“Eles [a UE] não gostam da personalidade dele [de Erdogan]; não o respeitam. Mas eles sabem que ele pode fechar um acordo e ele mantém suas promessas de certa forma”, disse Uzgel.

Nos EUA, o governo Trump também pode ver Ancara como um parceiro na Líbia.

“A Turquia e os EUA juntos podem fazer uma diferença positiva [na Líbia]”, disse o vice-presidente turco Fuat Oktay na sexta-feira.

O presidente dos EUA, Donald Trump e Erdogan concordaram este mês em cooperar  na questão da Líbia, embora a natureza da cooperação permaneça incerta.

Também neste mês, os militares dos EUA acusaram a Rússia de tentar pressionar por uma posição estratégica no flanco sul da OTAN à custa de vidas inocentes na Líbia. Moscou é um dos principais apoiadores de Haftar, embora negue qualquer envolvimento militar. Mas a intervenção militar turca na Líbia é vista como frustrando as ambições russas.

Uma reunião entre ministros das Relações Exteriores da Rússia e da Turquia convocada pela Rússia para 14 de junho para conversar sobre a Líbia foi cancelada.

“O cancelamento veio da Turquia”, disse Uzgel. “É a regra de qualquer conflito, geralmente é o lado perdedor que pede um cessar-fogo. A Turquia não quer parar na Líbia.”

Moscou, no entanto, é acusada de estabelecer uma presença militar substancial na Líbia. Na quinta-feira, o Comando Africano dos EUA publicou o que dizia serem novas imagens de aviões russos na Líbia.

“A Rússia enviou seus jatos militares para a Líbia, mas não ouvimos dizer que eles usaram seus jatos efetivamente contra as forças da GNA. Poderia ter sido usado efetivamente porque os drones [turcos] não são páreo para os caças. Mas eles não foram usados”. Parece mais uma importância simbólica; é mais um blefe do que uma ferramenta em uma luta”, disse Uzgel.

Moscou pode relutar em arriscar suas relações com a Turquia, que melhoraram acentuadamente nos últimos anos, para o alarme dos parceiros da Otan na Turquia. Os dois países têm fortes laços comerciais e estão cooperando na guerra civil síria, apesar de apoiar lados rivais no conflito. Turquia, Rússia e Irã fazem parte do processo Astana, que busca acabar com o conflito. Enquanto Moscou e Ancara chegaram a um acordo para impor um cessar-fogo em Afrin, a última região controlada pelos rebeldes.

Observadores dizem que, apesar do sucesso da Turquia na Líbia, ela ainda precisa lidar com Moscou com cuidado. A Rússia pode minar os esforços da Turquia para estabilizar a Líbia ou recuar contra os interesses turcos em outros lugares.

No entanto, Gasimov acredita que o pragmatismo prevalecerá.

“A Turquia e a Rússia provavelmente administrariam um acordo na Líbia, como fizeram na Síria, e de fato o antagonismo da Líbia os ligaria ainda mais”, disse ele.

Gasimov disse que a Rússia pode estar se adaptando à demanda da Turquia para acabar com o papel de liderança de Haftar, como parte de algum acordo líbio.

“A posição russa é heterogênea e dinâmica. Haftar, que estudou na URSS, não é mais visto como o único fator-chave para a presença da Rússia na Líbia. Moscou está procurando alternativas”, disse ele.

Qualquer acordo russo, no entanto, provavelmente será limitado pelo desejo da Turquia de trabalhar com seus aliados ocidentais na Líbia.

“Ancara pode fazer um acordo com Moscou, mas nos seus termos”, disse Uzgel. “Eles podem ter um acordo limitado de curto prazo com a Rússia. Qualquer coisa a mais do que isso e a UE não ficaria feliz, nem os Estados Unidos. Pode haver um acordo temporário em pequena escala com a Rússia”.

Fonte: Turkey Seeks Diplomatic Gains After Risky Libya Military Intervention 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer