Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

O Gazetecil Turco

O Gazetecil Turco
novembro 07
16:36 2016

Vivemos hoje num corpo global que integra as emoções mais simples da alma humana até as mais complexas equações matemáticas: O coração do mundo hoje habita o Oriente, em contrapartida, a racionalidade, a ciência, enfim, o ‘cérebro’ do qual fazemos parte se encontra no Ocidente. Vivemos num constante estado de equilíbrio, num mundo amplamente desequilibrado”, suspira Kamil Ergin enquanto toma uma pequena xícara de café e degusta um pequeno doce caseiro do Centro Cultural Brasil-Turquia, no bairro do Borda Gato, na grande São Paulo.

Para o gazetecil, jornalista, turco, impossibilitado de voltar à sua terra natal desde a tentativa de golpe contra o governo Erdogan, em julho desse ano, é por conta da autocracia das figuras de poder e da avareza política e econômica de líderes mundiais que vivemos, hoje, um cenário de incertezas e inseguranças: “Vivemos hoje num cenário onde a democracia, ou melhor, a vontade soberana do povo de pautar mudanças no país ainda são os melhores remédios para esse período enfermo. Seja na Síria, no Líbano ou ainda sob a tutela ditatorial do atual presidente turco, é preciso que a própria humanidade se reconheça como prisioneira para, assim, propor mudanças e quebrar suas correntes.” Jornalista de um dos maiores jornais da Turquia, o Zaman, Kamil sempre tomou a frente da defesa dos direitos humanos, da laicidade do estado e, sobretudo, da manifestação de diferentes grupos étnicos e religiosos como uma das demonstrações mais claras de democracia de fala e pluralidade de pensamento; Ergin vive atualmente, após seu exílio no Brasil, trabalha no porta Voz da Turquia.

Formado em linguística pela Universidade de Marmara, e membro ativo do movimento Hizmet – principal movimento de social do país que tenta, por meio de serviços voluntários, principalmente na área da educação, moldar uma sociedade turca mais democrática e menos intolerante -, Kamil nem sempre foi jornalista. Antes da tentativa de golpe Turquia, da intervenção do estatal no jornal Zaman e de ter seu nome posto na “lista de personas não gratas”, o jovem jornalista era um simples professor em terra tupiniquins; um forasteiro incomum que assumiu o papel de curioso que queria entender como, numa terra de praias e coqueiros, de misturas étnicas e religiosas e sob forte influência da cultura norte-americana, poderia-se cultivar pretextos trabalhistas, uma democracia para todos, parte do grande socialismo “latino­­-americano”.

Viu-se de frente a uma cultura totalmente nova, com hábitos e costumes diferentes e uma língua completamente diferente; uma terra nova (MUITO longe de ser socialista), um povo novo, e com seu sangue “quente e cheio de vontade” pronto para descobri-la. Encontrou um mundo novo na sala de aula: do ensino de inglês em instituições de ensino (sem falar uma única palavra em português) foi, aos poucos, tomando familiaridade com o idioma, com o trato das palavras, com vocativos, apostos, e sujeitos; de todos os tipos. Mas por mais que sua vida estivesse imensa numa cultura e repleta de pessoas que queriam seu bem, ela mais lhe parecia vazia: as repetitivas jornadas de trabalho, a divisão padrão do tempo de aula e dos conteúdos disponíveis para cada turma, o breve chiado do giz cruzando o quadro negro vazio davam a leve sensação a Kamil de que, por mais que fosse apaixonado por dar aulas e proporcionar conhecimento, seu lugar não era na sala de aula, mas, sim, além das carteiras e dos livros didáticos; enxergando o mundo por outros olhos e emprestando sua voz àqueles que não a têm.

E assim, voltou a Turquia. Tentando entender melhor o mundo e as relações de poder que governos, empresas multinacionais e como essas organizações influenciam na maneira que vivemos e co-vivemos hoje; Kamil se tornou jornalista. Escolheu o sinuoso caminho de informar pessoas seguindo pretextos humanos, democráticos, universais: foi correspondente de guerra em mais de 30 regiões no Oriente médio, visitou e publicou em jornais mundo afora – No Brasil, foram a Folha e o Estado – e encontrou no ofício jornalístico um lugar, um espaço onde pudesse ajudar pessoas emprestando suas palavras, seu nome, seu olhos.

Mas tudo mudou no fatídico 15 de julho. Daquele dia em diante sua vida nunca mais seria a mesma: após a tentativa de golpe em solo turco, o presidente Erdogan precisa encontrar “os culpados” pela articulação de forças políticas contra seu governo, assim o Movimento Hizmet, o qual sempre foi visto como um “inimigo público e pessoal” de Erdogan tornou-se um bode expiratório, um mártir que possibilitou a “restruturação” da Turquia. Com a introdução da política de “caça às bruxas”, todos os membros do movimento se tornaram alvos pessoais do presidente, inclusive Kamil, que desde a data infortúnia é proibido de voltar à sua terra de origem: de rever seus amigos e sua família.

Sua vida financeira também piorou: com o cerco de censura montado pelo governo, o principais jornais os quais mandava seus textos e suas impressões estão sob jurisdição do Estado, ou seja nenhuma de suas análises, colunas, matérias, reportagens, notas é publicada nesses veículos. Mas com um sorriso tímido no rosto não desamina: “Por mais que não exista mais mídia na Turquia, o importante é fazer um bom trabalho jornalístico: uma boa matéria, uma boa crítica. Onde isso vai ser publicado é algo de segundo plano: só o fato de alguém ler, entender o que acontece aqui no Brasil ou na ditadura de Erdogan já vale a pena”.

O jornalista turco-brasileiro, como ele mesmo diz: “sou 50% brasileiro. Por mais eu tenha um “coração” brasileiro, ainda tenho uma alma de minha terra, um sentimento quente que sempre me envolve”, Kamil vive hoje como assessor do Centro de Cultural Brasil-Turquia e como um dos responsáveis do Portal Voz da Turquia, e mesmo em face de tempos sombrios, o jornalista ressalta: “ É preciso ter fé no que escrevemos e pensamos, só assim conseguiremos mudar o mundo”.

Fonte: www.vozdaturquia.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer