Últimas notícias

Comissão de estado de emergência suspendeu justiça para as vítimas da purga por anos, diz deputado da oposição 

Comissão de estado de emergência suspendeu justiça para as vítimas da purga por anos, diz deputado da oposição 
dezembro 17
00:29 2022

Uma comissão criada para julgar as queixas de indivíduos que foram prejudicados por decretos-lei do governo durante um estado de emergência de dois anos (OHAL) declarado após uma tentativa de golpe de 2016 na Turquia na realidade impediu os candidatos de esgotar os recursos legais internos durante vários anos, disse o defensor dos direitos humanos e deputado Ömer Faruk Gergerlioğlu, do Partido Democrático dos Povos (HDP). 

“A Comissão OHAL transformou-se em um órgão que constantemente rejeitou a Constituição e bloqueou o caminho para a justiça, apesar de o estado de emergência ter terminado há quatro anos”, disse ele. 

De acordo com Gergerlioğlu, a comissão foi criada ilegalmente e impediu os recursos à justiça. 

Os críticos expressaram desconfiança sobre a capacidade da comissão de servir à justiça desde sua fundação. 

O governo turco encerrará as operações da comissão no início de 2023, de acordo com reportagens da mídia local. 

As operações da comissão, que foi inicialmente estabelecida no verão de 2017 por um período de dois anos e cujo mandato foi então prorrogado várias vezes por decretos presidenciais, serão encerradas em seu sexto ano, em 22 de janeiro. 

O movimento para terminar o mandato da comissão veio como parte de um projeto de lei global apresentado ao Parlamento pelo Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), de acordo com relatórios da mídia turca, que acrescentou que as petições das pessoas demitidas por decretos governamentais seriam tratadas pelos ministérios relevantes após a expiração do mandato da comissão. 

O governo AKP declarou estado de emergência após um golpe falhado em 15 de julho de 2016, que permaneceu em vigor até 19 de julho de 2018. 

Mais de 130.000 funcionários públicos, incluindo 4.156 juízes e promotores, assim como 24.706 membros das forças armadas, foram sumariamente demitidos de seus empregos por suposta afiliação ou relacionamento com “organizações terroristas” por decretos-lei de emergência não sujeitos a escrutínio judicial ou parlamentar. 

A comissão aceita reclamações relativas à demissão do serviço público, empregos ou organizações; demissão da universidade e perda do status de estudante; fechamento de associações, organizações, sindicatos, federações, confederações, instituições privadas de saúde, instituições privadas de educação, instituições privadas de ensino superior, estações privadas de rádio e TV, jornais e revistas, agências de notícias, editoras e canais de distribuição; e a perda do status de aposentado através de decretos governamentais. 

A comissão rejeitou 106.970 pedidos dos 124.235 que havia processado desde sua criação, de acordo com uma declaração escrita que divulgou em 27 de maio. A declaração também mostrou que a comissão recebeu 127.130 pedidos, decidiu a favor de apenas 17.265 peticionários e ainda estava examinando 2.895 pedidos. 

O projeto de lei dizia que a comissão havia examinado mais de 127.000 pedidos, sem mencionar um número específico, de acordo com reportagens da mídia local. 

Fonte: State of emergency commission suspended justice for purge victims for years: opposition deputy – Stockholm Center for Freedom (stockholmcf.org)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer