Últimas notícias

Oferta de recompensa da Turquia para caçar críticos de Erdoğan atiça rede de informantes no exterior

Oferta de recompensa da Turquia para caçar críticos de Erdoğan atiça rede de informantes no exterior
dezembro 13
21:02 2022

Uma recompensa oferecida pelo governo turco por informações sobre críticos e opositores do presidente autoritário Recep Tayyip Erdoğan tem atraído uma série de informantes nas comunidades da diáspora para espioná-los e reportar a Ancara. 

De acordo com documentos confidenciais obtidos pelo Nordic Monitor, um desses casos foi registrado na Alemanha, onde um informante passou informações particulares sobre um jornalista e autor sediado nos EUA que criticou o Erdoğan às autoridades turcas para reclamar o dinheiro da recompensa. 

Em 16 de março de 2021, uma mulher turca chamada Seda Sultan, que vive e trabalha na Alemanha, enviou um e-mail à Direção Geral de Segurança (Emniyet), a principal agência de aplicação da lei da Turquia. Ela disse que estava de posse do atual endereço residencial, número de telefone e endereços de e-mail de Ahmet Kurucan e que compartilharia as informações em troca da recompensa. 

Kurucan, que vive nos EUA há mais de 20 anos, escreveu artigos de opinião críticos sobre o governo Erdoğan para o Zaman, em tempos o jornal mais difundido da Turquia. Zaman, que costumava vender 1,2 milhões de exemplares por dia em seu pico, foi apreendido pelo governo em março de 2016, pois o governo queria silenciar o jornal da grande mídia, que expunha a corrupção no governo Erdoğan e revelava operações clandestinas de inteligência que ajudavam e incentivavam grupos armados jihadistas. Foi fechada pelo governo quatro meses depois. 

O jornalista continua a escrever op-eds para o site de notícias turco Tr724 que opera a partir da Bélgica. Ele também esteve envolvido em várias organizações de diálogo inter-religioso e culturais nos EUA. A Turquia pediu a extradição do jornalista, mas o Departamento de Estado dos EUA disse que os Estados Unidos não estão convencidos das acusações da Turquia contra ele e pediu às autoridades turcas que fornecessem provas concretas para o pedido de extradição. 

A informante na Alemanha escreveu em seu e-mail que ela encontrou o site da Emniyet, que listava as pessoas procuradas pela Turquia e viu Kurucan na lista. Ela expressou seu desejo de entregar as informações e obter a recompensa oferecida pelo governo. 

Afirmando que ela não era muito boa em turco, Sultan escreveu a mensagem em inglês. “Se pudéssemos cooperar com o governo da Turquia, eu poderia fornecer um número de telefone atual e um endereço residencial válido que poderia ser seu atual local de moradia. E um endereço de e-mail válido. Tenho provas de que ele está de posse deste número”, disse Sultan. 

O e-mail de Sultan motivou uma nova investigação criminal sobre Kurucan, que tem enfrentado múltiplas acusações sobre casos falsos lançados pelo governo Erdoğan desde 2015. Yusuf Fatih Akay, chefe do departamento de contraterrorismo da polícia de Ancara, encaminhou o e-mail do informante ao Ministério Público Chefe do Ministério Público de Ancara em 5 de agosto de 2022, juntamente com o arquivo de investigação policial. 

O arquivo secreto de investigação policial revelou que o Ministério das Relações Exteriores turco já havia identificado a residência de Kurucan na cidade de Clifton, Nova Jersey, e compartilhou as informações com outros ramos do governo. A declaração de Kurucan de seu endereço em cinco transferências bancárias para a Turquia via MoneyGram, no valor total de US$ 2.270 entre 2017 e 2019, também foi detectada pelas autoridades turcas e acrescentada ao seu dossiê de caso. 

Criado em outubro de 2015 num esforço para emular a lista dos mais procurados do FBI, a lista da Turquia no início incluía 101 nomes, depois o número saltou para 676 em dois meses. Em janeiro de 2021, havia 1.300 suspeitos na lista divididos em cinco categorias codificadas por cores, com o vermelho designando os mais procurados, seguido por azul, verde, laranja e cinza. 

Não há explicação oficial satisfatória sobre qual cor corresponde a qual. A polícia turca também anunciou uma recompensa em dinheiro para qualquer pessoa que forneça informações que levem à captura de suspeitos. A partir de 2019, a recompensa variava entre meio milhão e 10 milhões de liras turcas, dependendo da categoria. 

O governo acrescentou muitos participantes do movimento Hizmet, um grupo baseado na fé que critica o presidente turco e seu governo em uma série de questões, à lista como parte de uma campanha de intimidação para abafar a dissidência e reprimir a oposição. O movimento, principalmente ativo na educação, no diálogo inter-religioso e em atividades de divulgação, nunca esteve associado a qualquer tipo de violência desde os anos 60, quando foi lançado por Fethullah Gülen, hoje residente nos EUA e crítico feroz do regime Erdoğan. 

O jornal propagandista Sabah exortou os turcos na Europa a espionar os críticos do governo Erdoğan. 

De acordo com os regulamentos, os limites de recompensa são aumentados a cada ano, de acordo com as taxas oficiais anunciadas pela autoridade fiscal sob o processo de reavaliação (yeniden değerleme), que determina o valor dos ativos ajustados à inflação. A taxa de revalorização para o ano 2020 foi de 9,11%, e aumentou para 36,20% em 2021 e 122,93% em 2022. Como resultado, a maior recompensa em dinheiro corresponde a mais de 33 milhões de liras turcas, ou aproximadamente US$ 1,8 milhões a partir do dia atual. O dinheiro é pago pelo Ministério do Interior, e a identidade do informante é mantida em segredo. O informante não precisa ser um cidadão turco. 

Centenas de oponentes do governo Erdoğan chegaram a estas listas nos últimos anos como pessoas procuradas por acusações de terrorismo em meio a abusos flagrantes do sistema de justiça criminal para punir dissidentes em casos fraudulentos e de motivação política que não possuem provas que justifiquem acusações graves. 

A Turquia também intensificou a repressão transnacional para suprimir as críticas no exterior e estabeleceu uma rede de espionagem e informantes para assediar os opositores e coletar informações sobre eles, violando as leis dos países anfitriões. 

A rede de informantes da Turquia nas comunidades da diáspora, especialmente na Europa, se expandiu muito desde 2014, quando Erdoğan se viu incriminado em investigações de corrupção maciça que foram tornadas públicas em dezembro de 2013. Os arquivos dos casos de corrupção expuseram como o Erdoğan e seus cúmplices se enriqueceram em propinas, suborno, abuso de poder e esquemas de lavagem de dinheiro para o regime iraniano. Quando foram reveladas provas na forma de escutas telefônicas, registros bancários e vigilância por vídeo e foto, quatro ministros tiveram que se demitir do gabinete Erdoğan. 

O presidente turco acusou seus oponentes, principalmente participantes do movimento Hizmet, em casa e nos países ocidentais, de orquestrar as sondas de enxerto para expulsá-lo do poder no que ele chamou de golpe judicial. Milhares de juízes e promotores, incluindo aqueles que estavam envolvidos na investigação de funcionários do governo, foram demitidos quando ele iniciou uma repressão sem precedentes contra o movimento. 

O Presidente Erdoğan apelou publicamente a seus seguidores e os encorajou a fazer uso da linha direta do informante para informar a polícia e os promotores sobre suas críticas. Organizações alinhadas com Erdoğan na Europa haviam inclusive realizado uma campanha em 2016, anunciando como os expatriados deveriam informar a Turquia sobre pessoas que sabiam que eram participantes do Hizmet. O Nordic Monitor informou várias vezes no passado como a chamada do Erdoğan encontrou uma audiência na grande diáspora turca na Europa, resultando na vitimização de muitos turcos que não compartilham da visão islâmica do Erdoğan e se opõem às políticas de seu governo. 

Não há estatísticas oficiais atualizadas sobre quantos foram informados por esta rede. Mas de acordo com uma declaração emitida em outubro de 2016 pela polícia turca, as dicas que recebeu sobre os participantes do Hizmet haviam totalizado 40.000 em três meses, esmagando o departamento de polícia. 

Os críticos perfilados pelo governo estão sujeitos à vigilância de agentes da agência de inteligência turca MIT no exterior e frequentemente são negados serviços consulares, tais como procuração e registro de nascimento, bem como ter seus passaportes revogados. Seus bens na Turquia são apreendidos e seus familiares em casa correm o risco de serem acusados criminalmente. 

O governo Erdoğan marca todos os seus críticos como terroristas, e mais de 100 jornalistas estão atualmente presos em prisões turcas sob acusações de terrorismo, tornando a Turquia um dos principais carcerários de jornalistas do mundo. Mais de 30% de todos os diplomatas turcos, 60% de todos os chefes de polícia superiores, metade de todos os generais militares e cerca de 30% de todos os juízes e promotores na Turquia também foram declarados terroristas durante a noite de 2016 pelas decisões executivas do governo Erdoğan, sem nenhuma investigação administrativa efetiva e certamente sem nenhum processo judicial. 

por Abdullah Bozkurt 

Fonte: Turkey’s bounty offer to hunt down Erdoğan critics entices informant network abroad – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer