Últimas notícias

Tortura e maus-tratos desenfreados na Turquia após o golpe de 2016

Tortura e maus-tratos desenfreados na Turquia após o golpe de 2016
dezembro 12
00:54 2022

Um relatório publicado conjuntamente por London Advocacy e Human Rights Solidarity mostra como, com base em entrevistas com as vítimas, bem como em relatórios de grupos de direitos proeminentes, as autoridades policiais e judiciais turcas empregaram atos de tortura e maus-tratos contra pessoas que enfrentaram processos após um golpe fracassado no país em 2016. 

O relatório, intitulado “A Tortura Sistemática Politicamente Motivada na Turquia e seus Sobreviventes: Entrevistas com sobreviventes da tortura com sede no Reino Unido”, é o resultado do trabalho conjunto da London Advocacy, uma organização sem fins lucrativos que promove a educação sobre direitos humanos e está envolvida no trabalho de conscientização sobre violações de direitos humanos em todo o mundo, e Human Rights Solidarity, um grupo de direitos com sede em Londres. 

O relatório contém trechos de entrevistas com 10 vítimas de tortura ou maus-tratos na Turquia que foram detidas ou processadas após o golpe fracassado devido a seus vínculos aparentes com um grupo baseado na fé, o movimento Hizmet. 

O governo turco, que acusa o movimento Hizmet de comandar o golpe fracassado, rotulou o movimento como uma organização terrorista e lançou uma repressão maciça contra seus seguidores após a tentativa de golpe em 15 de julho de 2016. O movimento, no entanto, nega firmemente qualquer envolvimento no golpe fracassado ou em qualquer ato de terrorismo. 

Embora a Turquia seja parte das convenções internacionais sobre a proibição da tortura, e sua própria constituição e leis proíbem a prática, o país viu retornar as denúncias de tortura e maus-tratos sob custódia policial ou em prisões após a tentativa de golpe. 

A fim de evitar tortura ou maus-tratos às mãos da polícia ou das autoridades judiciais, milhares de pessoas fugiram do país após a tentativa de golpe e se refugiaram na Europa, nos EUA ou no Canadá. 

De acordo com o relatório, mais de 5.100 pessoas da Turquia pediram asilo no Reino Unido entre junho de 2016 e junho de 2022, enquanto uma estimativa de 110.000 pediu asilo na UE entre 2016 e 2021. 

Após a tentativa de golpe do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan, seus funcionários do governo, bem como alguns líderes religiosos empregaram retórica hostil contra os participantes do Hizmet, retratando-os como merecedores de atos de tortura e maus-tratos. 

O Presidente Erdoğan havia comparado o movimento Hizmet a um câncer em um discurso na província do Mar Negro de Zonguldak em abril de 2017 e disse que seus seguidores não teriam o direito à vida. 

“Nossa luta contra eles continuará até o final. Não vamos deixá-los apenas feridos”, disse Erdoğan. 

Além disso, os decretos governamentais emitidos durante um estado de emergência de dois anos, impostos logo após a tentativa de golpe, deu impunidade àqueles que se envolveram em atos de tortura e maus-tratos sob o pretexto de combater o terrorismo ou o golpe. 

Para o relatório, 30 sobreviventes dos atos de tortura ou maus-tratos cometidos pela Turquia após o golpe completaram questionários, e 10 deles concordaram em dar entrevistas sobre as provações pelas quais passaram. Entre os participantes da pesquisa estavam 30 adultos turcos (25 homens e cinco mulheres) que chegaram ao Reino Unido após a tentativa de golpe de 2016 na Turquia para procurar asilo. A idade média dos participantes era 41 anos. O participante mais velho tinha 58 anos de idade e o mais jovem tinha 29. 

Todos os 30 participantes foram acusados na Turquia nos termos do Artigo 314 do Código Penal turco, que diz respeito à adesão a uma organização terrorista, devido à sua participação real ou alegada no movimento Hizmet. Os nomes dos participantes da pesquisa foram mantidos anônimos devido a preocupações com a segurança. 

Uma das vítimas de tortura, uma professora referida no relatório como entrevistada 6, disse que estava vendada e que um saco de lixo foi colocado em sua cabeça na Delegacia de Polícia de Ancara, onde ela foi levada junto com seu marido após sua detenção em Istambul em agosto de 2016. A professora disse que ela tinha dificuldade para respirar e pensou que morreria quando se recusasse a dar nomes de outras pessoas ligadas ao Hizmet à polícia. 

A professora disse que ela não pôde relatar os maus-tratos a um médico durante um exame médico obrigatório por causa da presença de policiais na sala. 

Ela também disse que viu pias cobertas de sangue no banheiro e outros detentos com sinais aparentes de maus-tratos em seus corpos após terem sido interrogados. 

As vítimas de tortura reclamaram que foram levadas a interrogatórios informais na ausência de um advogado, durante os quais foram insultadas, ameaçadas e forçadas a dar os nomes de outros, enquanto alguns deles disseram que foram sujeitos a espancamento, venda, asfixia e despir-se acompanhados da ameaça de estupro durante esses interrogatórios. 

“Cada um desses relatos fornece provas diretas de tortura e maus-tratos, contribuindo para a lenta divulgação da tortura presente na Turquia após o golpe de 2016”, disse o relatório, que também incluiu recomendações para o governo turco e organismos internacionais que lidam com a tortura sobre como os atos de tortura e maus-tratos na Turquia podem ser trazidos a um fim. 

Fonte: Torture, ill-treatment rampant in Turkey following 2016 coup: report – Turkish Minute  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer