Últimas notícias

Comitê da ONU culpa Turquia em caso de professor que morreu sob custódia após prisão por ligações com Hizmet

Comitê da ONU culpa Turquia em caso de professor que morreu sob custódia após prisão por ligações com Hizmet
dezembro 02
19:05 2022

O Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas divulgou na quarta-feira sua decisão a respeito de um pedido apresentado em nome de um professor que foi supostamente torturado sob custódia policial e, posteriormente, morreu durante um expurgo pós-golpe em agosto de 2016, dizendo que o Estado violou seus direitos e os direitos de sua família sob vários artigos do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos da ONU. 

Após um golpe fracassado na Turquia em 15 de julho de 2016, o professor Gökhan Açıkkollu foi detido em 24 de julho de 2016 sob acusações falsas de conspiração de golpe e terrorismo e permaneceu sob custódia policial por 13 dias, durante os quais foi submetido a torturas físicas e psicológicas até sua morte. 

Sua esposa, Mümine Açıkkollu, que apresentou a comunicação em seu nome em 29 de janeiro de 2020, alegou que a tortura e a morte de seu marido sob custódia policial constituem violações pelo governo da Turquia dos artigos 6, 7, 9 e 14 do pacto. 

‼️ NOVAS VISÕES DO #HRCTTEE ADOTADAS DURANTE SUA 136ª SESSÃO (OCT./NOV. 2022) . ATENÇÃO ESPECIAL AO ACIKKOLLU V. #TURKIYE (COM. 3730/2020) SOBRE A FALTA DE DILIGÊNCIA NA PROTEÇÃO DA #VIDA + # SAÚDE DO MARIDO DO AUTOR ILEGALMENTE DETIDO (V. DOS ART. 6, 7 E 9 DO #ICCPR) 

– HÉLÈNE TIGROUDJA (@HELENETIGROUDJA) 30 DE NOVEMBRO DE 2022 

O comitê disse em sua decisão que constatou que a parte do Estado não conseguiu proteger a vida do Açıkkollu enquanto estava detido, considerando seus conhecidos problemas de saúde pré-existentes, tais como ansiedade social devido ao estresse sofrido durante o serviço militar, diabetes e ataques de pânico, em violação aos Artigos 6 e 7 do Pacto. 

Também concluiu que o fracasso das autoridades da parte do Estado em investigar pronta e completamente as circunstâncias da morte de Açıkkollu efetivamente negou um remédio para a autora e seus filhos, e representou um sofrimento mental em violação de seus direitos sob o Artigo 7. 

O comitê disse ainda que o governo do Presidente Recep Tayyip Erdoğan não comprovou que a detenção do Açıkkollu atendeu aos critérios de “razoabilidade e necessidade”, concluindo, portanto, que sua detenção constituía uma violação de seus direitos sob o Artigo 9 (1) e (2) do convênio. 

O comitê também disse, em resposta à apresentação do governo, que a comunicação deveria ser considerada inadmissível devido ao não esgotamento dos recursos internos, uma vez que o pedido do autor à Corte Constitucional ainda estava pendente, mas que considerou que o governo não havia demonstrado que o pedido teria sido eficaz, na prática, para contestar a legalidade da detenção de seu marido e posterior morte em custódia. 

Também observou que as sentenças da Corte Constitucional, que decidiram que o uso do pedido ByLock pode ser considerado como prova única ou decisiva da ofensa criminal de ser membro do FETÖ, um termo depreciativo cunhado pelo governo turco para se referir ao movimento de Gülen baseado na fé como uma organização terrorista, foram publicadas após a prisão e detenção de Açıkkollu e, portanto, o governo não conseguiu justificar sua detenção. 

ByLock, uma vez amplamente disponível online, tem sido considerado uma ferramenta secreta de comunicação entre apoiadores do movimento Gülen desde uma tentativa de golpe que ocorreu em julho de 2016, apesar da falta de qualquer evidência de que as mensagens ByLock estivessem relacionadas ao putsch abortivo. 

O comitê disse que o governo era obrigado a “(a) conduzir uma investigação rápida, imparcial e completa sobre as circunstâncias da prisão arbitrária, tortura e morte do marido da autora; (b) processar os responsáveis; e (c) proporcionar uma compensação adequada à autora e seus filhos”, além de tomar todas as medidas necessárias para evitar a ocorrência de violações semelhantes no futuro. 

Em sua decisão, o comitê se referiu a um vídeo mostrando a negligência dos policiais na morte de Açıkkollu, que foi divulgado no site de notícias Bold Medya em agosto de 2019. 

No vídeo, Açıkkollu é visto em uma cela de uma pessoa com quatro outros detentos no porão de um prédio do departamento de polícia İstanbul. Por volta das quatro da manhã do dia 5 de agosto, ele começa a mostrar sinais de desconforto. Ele se aproxima dos bares e chama os agentes da polícia por alguns minutos, mas ninguém responde. Após ele voltar para a cama, os espasmos começam alguns minutos depois, o que desperta os outros detentos na cela. Leva mais quatro minutos até que os guardas da ala de detenção o tirem da cela, momento em que ele não mostra mais nenhum sinal de vida. 

Testemunho tirado de um médico que também estava detido no mesmo prédio diz que Açıkkollu não tinha pulso quando lhe foi pedido para realizar uma massagem cardíaca. 

Um relatório adicional de autópsia, elaborado pelo especialista médico forense Professor Şebnem Korur Fincancı, mostrou que Açıkkollu tinha sofrido um ataque cardíaco devido a uma série de causas, incluindo sua exposição à tortura e à privação de sua medicação para diabetes. 

O Presidente Erdoğan tem visado seguidores do movimento Gülen, inspirado pelo clérigo turco muçulmano Fethullah Gülen, desde as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013, que implicaram o então primeiro-ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo interno. 

Desistindo das investigações como um golpe e conspiração Gülenista contra seu governo, Erdoğan designou o movimento como uma organização terrorista e começou a alvejar seus membros. Erdoğan intensificou a repressão contra o movimento após a tentativa de golpe. 

Açıkkollu foi um dos mais de 130.000 funcionários públicos que foram demitidos de seus empregos por decretos governamentais emitidos sob o estado de emergência que foi declarado na sequência do golpe fracassado. O governo finalmente anunciou sua inocência um ano e meio após sua morte e ele foi “reintegrado” ao seu emprego no início de 2018. 

Fonte: UN committee faults Turkey in case of teacher who died in custody after arrest over Gülen links – Turkish Minute  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer