Últimas notícias

Documento divulgado revela que a Turquia espionou críticos de Erdoğan no exterior para uso contra a Finlândia nas conversações da OTAN 

Documento divulgado revela que a Turquia espionou críticos de Erdoğan no exterior para uso contra a Finlândia nas conversações da OTAN 
novembro 26
00:06 2022

Um documento de inteligência obtido pelo Nordic Monitor mostra que a Embaixada da Turquia em Helsinque traçou o perfil e reuniu informações sobre pessoas que se acredita serem participantes do movimento Hizmet, um grupo crítico do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan, para ajudar a forjar novos casos de extradição enquanto a Turquia e a Finlândia continuam as negociações para a adesão deste último à OTAN. 

A nota informativa vazada datada de 19 de julho de 2022 foi preparada pelo conselheiro do Ministério do Interior na Embaixada da Turquia, uma nova posição para as missões diplomáticas turcas cujo pessoal é do Ministério do Interior. O cargo foi projetado para realizar um trabalho coordenado com a polícia e o judiciário turcos em 2017, após ter sido revelado que os diplomatas turcos estavam espionando os opositores do Erdoğan em 2016, uma clara violação da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas e Assuntos Consulares. O Nordic Monitor informou anteriormente que os embaixadores seniores expressaram repetidamente seu desconforto nas reuniões anuais dos embaixadores turcos, alegando que os deveres relacionados à inteligência os colocavam em uma situação difícil nos países onde servem. 

A primeira parte do documento de perfil inclui cinco pessoas cujos pedidos de extradição foram rejeitados anteriormente, bem como as razões apresentadas pelas autoridades finlandesas. 

De acordo com a nota do conselheiro, as autoridades finlandesas recusaram um dos pedidos da Turquia, uma vez que foi determinado que a pessoa não estava na Finlândia. Para dois suspeitos, o suposto crime não constitui um crime sob a lei finlandesa, e para duas pessoas não está claro se os supostos crimes constituem ou não um crime na Finlândia. A Turquia retirou um pedido de extradição uma vez que as acusações contra essa pessoa foram retiradas nos tribunais turcos. 

Um detalhe interessante no documento é que as autoridades finlandesas não consideram crime depositar dinheiro no Banco Asya, ligado ao Hizmet, ou baixar um aplicativo de mensagens chamado ByLock. 

O governo turco aceitou tais atividades como ter uma conta no Banco Asya, manter uma posição administrativa em uma instituição ligada ao movimento Hizmet, assinar as publicações do grupo, ser membro de um sindicato ou outra instituição ligada ao movimento Hizmet e usar o aplicativo de mensagens criptografadas ByLock como referência para identificar e prender dezenas de milhares de participantes do movimento Hizmet sob a acusação de ser membro de uma organização terrorista. 

Em 15 de novembro, o Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas, em uma decisão sobre o requerimento de um réu participante do Hizmet, anunciou que “por uma questão de princípio, o simples uso ou download de um meio de comunicação criptografado ou conta bancária não pode indicar, por si só, evidência de ser membro de uma organização armada ilegal, a menos que seja apoiado por outras evidências, tais como registros de conversas”.  

A segunda parte do documento inclui os endereços e números de identificação de 28 cidadãos turcos, assim como os nomes das associações alegadamente afiliadas ao movimento Hizmet para as quais eles contribuíram. Algumas das pessoas que foram perfiladas são apenas mencionadas por terem participado de um jantar de Iftar em uma associação ligada ao Hizmet. Para uma pessoa, é declarado que seu filho participou de uma competição esportiva na Finlândia. O documento observa que há uma forte possibilidade de que haja mandados de prisão para essas pessoas sem qualquer informação sobre que tipo de crime elas possam ter cometido.  

O documento de inteligência foi preparado pelo Coronel Murat Kerçek da Gendarmeria, conselheiro do Ministério do Interior na Embaixada da Turquia. 

O conselheiro pede ao Ministério do Interior que aconselhe as autoridades competentes a iniciar os procedimentos de extradição, se considerado adequado. 

Em 28 de junho, Turquia, Finlândia e Suécia, durante uma cúpula da OTAN em Madri, assinaram um memorando para tratar das preocupações da Turquia, abrindo caminho para a adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN, contra a qual a Turquia havia anunciado anteriormente que era contra.  

Aparentemente, a Turquia queria fortalecer sua mão aumentando o número de pessoas solicitadas a serem extraditadas durante as negociações com a Finlândia, dada a data do documento. 

O conselheiro observa que a inteligência é coletada a partir de fontes abertas, escaneamentos de imprensa e uma revisão das atividades das ONGs filiadas ao Hizmet. O fato de que as informações de endereço de muitas pessoas não foram fornecidas, bem como a abundância de informações que não se baseiam em fontes confiáveis, mostra que o documento foi preparado rapidamente após uma solicitação de última hora. 

O documento de perfil foi transmitido a Ancara pelo coronel Murat Kerçek, atual conselheiro do Ministério do Interior na embaixada. Kerçek serviu anteriormente como chefe de desenvolvimento de software no Comando da Gendarmeria. 

Em maio de 2021, o Nordic Monitor publicou documentos de perfil de 31 cidadãos turcos na Finlândia que foram listados em arquivos de espionagem enviados por diplomatas turcos em Helsinque. Eles foram acusados de “filiação a um grupo terrorista” pelo promotor Adem Akıncı. A investigação foi baseada em arquivos de inteligência criados entre 2016 e 2018. 

por Levent Kenez 

Fonte: Leaked document reveals Turkey spied on Erdoğan critics abroad for use against Finland in NATO talks – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer