Últimas notícias

Comitê de Direitos Humanos da ONU rejeita os principais argumentos do regime de Erdoğan sobre casos de terrorismo ligados ao movimento Hizmet

<strong>Comitê de Direitos Humanos da ONU rejeita os principais argumentos do regime de Erdoğan sobre casos de terrorismo ligados ao movimento Hizmet</strong>
novembro 26
22:01 2022

O Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas divulgou em 15 de novembro sua decisão sobre um pedido feito por um professor na Turquia que foi detido e preso por supostas ligações terroristas em 2018. Pedindo a libertação imediata do professor, a decisão do comitê abrirá um precedente para dezenas de milhares de suspeitos de terrorismo e pessoas condenadas e presas por acusações semelhantes no país.

A professora Mukadder Alakuş foi detida em 4 de setembro de 2018 sob alegações de que ela era membro do movimento Hizmet. Alakuş não recebeu comida, água ou remédios para seu dia de detenção.

Ela foi presa no dia seguinte e enviada para uma prisão em Eskişehir. Em dezembro de 2018, um tribunal local em Manisa condenou Akkuş a sete anos e seis meses de prisão por pertencer a uma organização terrorista. O tribunal citou o fato de que o suspeito depositou dinheiro no agora fechado Banco Asya, baixou o aplicativo de comunicação criptografada ByLock e participou de uma manifestação pacífica organizada para protestar contra o governo como base para a adesão à organização terrorista.

FOTO 1: Em uma foto sem data, Mukadder Alakuş na prisão com seu filho, que veio visitá-la.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, classificou pela primeira vez o movimento Hizmet como uma organização terrorista após as investigações de corrupção de dezembro de 2013 que o incriminam, seus familiares e seus associados comerciais e políticos em um esquema de violação de sanções ao Irã. Ele acusou Fethullah Gülen, que inspira o movimento, de iniciar as investigações de corrupção, acusação que Gülen negou.

O governo turco também acusa o movimento Hizmet de orquestrar uma polêmica tentativa de golpe em 15 de julho de 2016. O movimento, no entanto, nega veementemente qualquer envolvimento.

O governo turco aceitou tais atividades como ter uma conta no Banco Asya, afiliado ao Movimento Hizmet, ocupar um cargo administrativo em uma instituição ligada ao movimento Hizmet, assinar as publicações do grupo, ser membro de um sindicato ou outra instituição ligada ao movimento Hizmet e usar o aplicativo de mensagens criptografadas ByLock como referência para identificar e prender dezenas de milhares de seguidores do movimento Hizmet sob a acusação de pertencer a uma organização terrorista.

O Comitê de Direitos Humanos da ONU, em sua análise do mérito, lembrou que a noção de “arbitrariedade” deve ser interpretada de forma ampla para incluir elementos de inadequação, injustiça, falta de previsibilidade e devido processo legal, bem como elementos de razoabilidade, necessidade e proporcionalidade.

O comitê observou que o governo turco forneceu apenas uma cópia parcial da audiência judicial de 28 de dezembro de 2018, sem fornecer qualquer documentação adicional, como um mandado de prisão ou ordem de detenção, em relação às evidências contra Alakuş que justificariam sua detenção.

“Nestas circunstâncias, o Comitê considera que a parte Estado não demonstrou que a detenção do autor atendeu aos critérios de razoabilidade e necessidade. O Comitê, portanto, considera que a detenção do autor representou uma violação de seus direitos sob o artigo 9 (1) do Pacto”, diz a decisão do comitê.

DOCUMENTO

O comitê também disse que não pode concluir que o suposto uso de Akkuş do aplicativo ByLock e da conta do Bank Asya representou ofensas criminais suficientemente claras e previsíveis no momento em que os atos ocorreram. Muitos réus com o mesmo status de Alakuş usaram essa determinação do comitê da ONU em sua defesa durante os julgamentos, mas não conseguiram convencer os tribunais.

O comitê anunciou mais uma decisão que abrirá precedente em julgamentos de terrorismo na Turquia, considerando que “por princípio, o mero uso ou download de um meio de comunicação criptografado ou conta bancária não pode indicar, por si só, evidência de pertencimento a uma organização armada ilegal, a menos que seja apoiada por outras evidências, como registros de conversas”.

O comitê observou sobre as alegações de Alakuş que ela não foi capaz de preparar adequadamente sua defesa; que lhe foi negado o acesso a todo o arquivo do caso; que ela não tinha permissão para chamar e interrogar testemunhas; que ela não foi autorizada a comparecer pessoalmente ao julgamento, apesar de seu pedido datado de 14 de dezembro de 2018; que a condução do processo online e suas dentaduras deslocadas a impediram de se expressar corretamente. A decisão do comitê também disse que o governo turco não forneceu explicações ou provas documentais suficientes, como transcrições completas dos processos judiciais, a fim de fundamentar suas refutações das alegações de Alakuş sobre seu direito a um julgamento justo.

O comitê também observou que o pedido persistente da ré para estar fisicamente presente no tribunal e fazer sua defesa foi negado. Alakuş teve que acompanhar as audiências por meio de um sistema de videoconferência chamado SEGBİS, uma violação do direito a um julgamento justo de acordo com o comitê.

Uma das questões que os especialistas que avaliaram a decisão do comitê mais chamaram a atenção é que o comitê apontou que o Tribunal Constitucional turco é agora um canal jurídico disfuncional. A comissão argumentou que, no caso de Alakuş, o governo turco não apresentou nenhuma evidência de que uma reclamação individual para contestar a detenção perante o Tribunal Constitucional teria sido eficaz, na prática.

Da mesma forma, o ex-ministro da Justiça Sadullah Ergin disse em 2 de novembro que o Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) pode cancelar a posição do Tribunal Constitucional da Turquia, que enfrenta uma enxurrada de pedidos individuais, como um recurso interno se o tribunal não emitir decisões em conformidade com o TEDH.

O Dr. Gökhan Güneş, especialista jurídico, comentou no domingo sobre o desenvolvimento em uma série de tweets, dizendo que a decisão do comitê, que diz respeito diretamente aos procedimentos atuais na Turquia, foi “histórica”.

Hasan Dursun, um ex-promotor, declarou em um programa do YouTube hospedado pelo site de notícias TR724, com sede na Bélgica, que o comitê da ONU havia tomado várias decisões a favor de réus afiliados ao movimento Hizmet em relação a detenções e prisões arbitrárias no passado. “No entanto, nesse caso, o comitê examinou as evidências pela primeira vez”, acrescentou.

De acordo com Dursun, a Turquia deve implementar as decisões do comitê da ONU de acordo com os acordos internacionais e o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos que a Turquia se comprometeu a cumprir, bem como as decisões do TEDH.
Fonte: UN Human Rights Committee rejects Erdoğan regime’s main arguments on terrorism cases linked to Gülen movement – Nordic Monitor

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer