Últimas notícias

Comitê da ONU encontra violações de direitos em caso de prisão de professora por ligações com Hizmet e pede sua libertação

Comitê da ONU encontra violações de direitos em caso de prisão de professora por ligações com Hizmet e pede sua libertação
novembro 21
16:09 2022

O Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas pediu à Turquia que liberasse uma professora que foi presa em 2018 por supostos vínculos com um grupo baseado na fé e pagasse seus danos uma vez que a prisão violou seus direitos sob vários artigos do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos da ONU, informou o site de notícias Bold Medya. 

Mukadder Alakuş, que foi presa pela polícia em 4 de setembro de 2018 devido a seus supostos vínculos com o movimento Hizmet e ficou detida por um dia sem comida, água ou medicamentos, foi presa e enviada a uma prisão na província Eskişehir no dia seguinte. 

O governo turco acusa o movimento Hizmet de ter sido o mandante de uma tentativa de golpe em 15 de julho de 2016 e o rotula como “organização terrorista”, embora o movimento negue fortemente o envolvimento na tentativa de golpe ou em qualquer atividade terrorista. 

No final de dezembro de 2018, um tribunal local condenou Alakuş a sete anos, seis meses de prisão sob a acusação de ser membro de uma organização terrorista, com base no fato de ela ter depositado dinheiro em contas no agora fechado banco Bank Asya, que era filiado ao movimento Hizmet, e baixado o aplicativo ByLock em seu telefone e participado de um comício pacífico. 

ByLock, que já esteve amplamente disponível on-line, foi considerado uma ferramenta secreta de comunicação entre apoiadores do movimento Hizmet desde uma tentativa de golpe que ocorreu em julho de 2016, apesar da falta de qualquer evidência de que as mensagens ByLock estivessem relacionadas ao golpe abortivo. 

Embora Alakuş tenha recorrido da sentença no Tribunal Regional de Justiça İzmir e depois no Supremo Tribunal de Recursos, ambos os tribunais confirmaram a decisão de primeira instância em 22 de março de 2019 e 11 de fevereiro de 2020, respectivamente. 

Em 15 de novembro, o comitê divulgou sua decisão relativa ao pedido de Alakuş, que foi apresentado no final de 2019. 

O comitê disse que encontrou violações de direitos sob os artigos 9 (1), 10 e 14 (3) (b), (d) e (e) e 15 do convênio no caso do Alakuş, uma professora que sofre de uma série de problemas de saúde, incluindo espondilartrose, artrite psoriática, cálculos biliares, problemas dentários, asma crônica e bronquite e foi submetida a operações em seu menisco. 

O comitê disse considerar que o presidente Recep Tayyip Erdoğan do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) não conseguiu demonstrar que a detenção da professora satisfazia os critérios de “razoabilidade e necessidade”. 

Acrescentou que o mero uso ou download de um meio de comunicação criptografado ou de uma conta bancária não pode indicar, por si só, evidência de pertencer a uma organização armada ilegal, a menos que seja apoiado por outras evidências. 

Observando as alegações do Alakuş de que ela não recebeu alimentos, água ou medicamentos enquanto estava sob custódia policial, que ficou detida em uma cela superlotada em Eskişehir Prisão e que dormiu em um colchão no chão, sem uma dieta medicamente recomendada, água quente e banheiros acessíveis, o comitê concluiu que vários requisitos mínimos não foram cumpridos durante sua detenção e posterior prisão. 

“De acordo com o artigo 2 (3) (a) do Pacto, a parte do Estado tem a obrigação de proporcionar à autora uma solução eficaz. … Assim, a parte do Estado é obrigada, entre outras coisas, a liberar a autora e proporcionar-lhe uma compensação adequada pelas violações sofridas”, disse o comitê, acrescentando que o AKP também tinha a obrigação de tomar todas as medidas necessárias para evitar a ocorrência de violações semelhantes no futuro. 

“Tendo em mente que … a parte do Estado reconheceu a competência do Comitê para determinar se houve uma violação do Pacto … o Comitê deseja receber da parte do Estado, dentro de 180 dias, informações sobre as medidas tomadas para dar efeito aos pontos de vista do Comitê”, disse ainda o Comitê. 

Dr. Gökhan Güneş, um especialista jurídico e ativista de direitos humanos, comentou no domingo sobre o desenvolvimento em uma série de tweets na mídia social, dizendo que a decisão do comitê, que diz diretamente respeito aos procedimentos atuais na Turquia, foi “histórica”. 

Güneş explicou que foi “a decisão mais importante já tomada” em relação aos méritos de um caso desse tipo. 

Ele acrescentou que também era importante que o comitê dissesse, em resposta à apresentação do AKP que a comunicação deveria ser considerada inadmissível devido à não exaustão dos recursos internos, uma vez que o pedido do Alakuş ao Tribunal Constitucional ainda estava pendente, que ele considerou que o AKP não havia demonstrado que o pedido teria sido eficaz, na prática. 

O Presidente Erdoğan tem visado os seguidores do movimento Hizmet, inspirado pelo clérigo turco muçulmano Fethullah Gülen, desde as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013, que implicaram o então primeiro-ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo interno. 

Descartando as investigações como um golpe e conspiração do Hizmet contra seu governo, Erdoğan designou o movimento como uma organização terrorista e começou a alvejar seus membros. Erdoğan intensificou a repressão contra o movimento após a tentativa de golpe. 

Fonte: UN committee finds rights violations in case of teacher arrested over Gülen links, calls for her release – Turkish Minute  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer