Últimas notícias

332.000 pessoas foram detidas como parte da caça às bruxas de Erdoğan desde 2016

332.000 pessoas foram detidas como parte da caça às bruxas de Erdoğan desde 2016
julho 20
16:25 2022

No sexto aniversário de uma tentativa de golpe na Turquia, em 15 de julho de 2016, novas estatísticas oficiais foram divulgadas mostrando a extensão de uma caça às bruxas realizada pelo presidente turco Recep Tayyip Erdoğan contra participantes do movimento Hizmet, que o governo declarou uma organização terrorista e alegou ter orquestrado o golpe abortado. 

Segundo os números oficiais, apenas 0,46% das pessoas que foram detidas foram condenadas por envolvimento na tentativa de golpe. Cerca de 20.000 pessoas filiadas ao movimento ainda estão na prisão. 

O Ministro do Interior Süleyman Soylu anunciou que 332.884 pessoas foram detidas entre 15 de julho de 2016 e 20 de junho de 2022, durante um painel de discussão na semana passada, antes do aniversário da tentativa de golpe. Isto significa que 154 pessoas por dia foram detidas pela polícia ou pela gendarmaria. Novamente, como disse Soylu, 101.000 pessoas foram presas, e a supervisão judicial foi ordenada para 104.000 pessoas. 

No clima de caça às bruxas após o golpe, todos que estavam supostamente afiliados ao movimento Hizmet, um grupo baseado na fé inspirado no clérigo turco Fethullah Gülen, seja civil ou militar, começou a ser detido sob acusações de terrorismo. De acordo com estatísticas publicadas pela agência de notícias estatal Anadolu em 12 de julho, 117.208 pessoas foram condenadas por filiação ao movimento Hizmet, enquanto 87.519 foram absolvidas da acusação. No entanto, os especialistas judiciais expressam ceticismo sobre o número de pessoas que foram absolvidas de todas as acusações por um tribunal de justiça”. 

De acordo com Anadolu, 29.455 pessoas ainda estão em liberdade. A maioria dessas pessoas deixou a Turquia ilegalmente em viagens perigosas e solicitou asilo político, principalmente em países europeus. Os participantes do movimento Hizmet procuram proteção devido ao medo de prisão arbitrária, falta de um julgamento justo, tortura e maus-tratos. 

A estatística mais marcante no relatório de Anadolu é o número de pessoas condenadas a penas de prisão perpétua agravadas, que duram até a morte do condenado e são aplicadas sob rigorosas medidas de segurança. A vida agravada foi introduzida para substituir a pena de morte, que foi abolida na Turquia em 2004. Muitos países europeus consideram isto uma justificativa para a rejeição dos pedidos de extradição da Turquia. 

Um total de 1.634 pessoas foram condenadas a agravar a vida desde 2016, condenadas pelo crime de tentativa de derrubar o governo da República da Turquia. Os oficiais militares que supostamente participaram da tentativa de golpe foram, em sua maioria, condenados a esta sentença. Em outras palavras, apenas 0,46% dos detidos sob acusações de terrorismo ou tentativa de derrubar o governo foram considerados culpados de envolvimento na tentativa de golpe. Outros réus foram condenados por pertencerem a uma organização terrorista.  

Atualmente, 19.300 pessoas estão na prisão, seja em prisão provisória ou como prisioneiros condenados por filiação ao movimento Hizmet. 

De acordo com Anadolu, a Turquia solicitou a extradição de 1.133 pessoas de 110 países. 

De acordo com os números atualizados, 24.339 membros militares foram demitidos do serviço. O processo administrativo para remoção está em andamento para 1.079 oficiais que muito provavelmente serão demitidos nos próximos meses. Além disso, 3.213 oficiais aposentados foram destituídos de seu posto como se nunca tivessem servido no serviço militar. 

Entretanto, os números publicados pelo Estado-Maior Turco imediatamente após 15 de julho de 2016 mostram que o número de oficiais envolvidos no golpe foi bastante baixo. Um total de 8.651 membros militares participaram do golpe, correspondendo a apenas 1,5% das Forças Armadas Turcas (TSK). Desses 1.761 eram recrutas e 1.214 eram cadetes militares. Dado o fato de que cerca de 150 generais e milhares de oficiais de baixa patente foram condenados a penas de golpe, os especialistas militares acham estranho que um número tão insignificante de tropas tenha participado da tentativa de golpe. 

Aproximadamente cinco vezes o número de oficiais supostamente envolvidos na tentativa de golpe foi expulso das forças armadas. Oficiais neonacionalistas aposentados e grupos políticos que apoiam o governo afirmam insistentemente que esses oficiais tentaram um golpe de Estado na Turquia por ordem da OTAN e acolhem bem as purgas, já que exigem que a Turquia saia da OTAN. 

A Turquia é de longe o líder no número de prisioneiros condenados por terrorismo na Europa, de acordo com o relatório anual do Conselho da Europa de 2021 sobre Estatísticas Penais de Populações Prisionais, mais conhecido como ESPAÇO I. 

O relatório também mostra como o governo turco, que tem sido criticado por organizações internacionais de direitos humanos e pelas Nações Unidas pela implementação e alcance de sua lei antiterrorista, transforma seus cidadãos em condenados terroristas. 

De acordo com uma análise do Monitor Nórdico baseada em dados do ESPAÇO I, 32.006 pessoas condenadas por um crime relacionado ao terrorismo estão atualmente atrás das grades. A Turquia acolhe quase todos os prisioneiros condenados por terrorismo na Europa. A Turquia é seguida pela Federação Russa com 1.026 prisioneiros, ou 3,2 por cento do número total de prisioneiros terroristas. A Espanha está em terceiro lugar, com 195 detentos. 

Na sequência da tentativa de golpe, 4.560 juízes e promotores foram demitidos e substituídos pelo Presidente Erdoğan lealistas, muitos dos quais mal saíram da faculdade e outros que eram políticos do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP). Um total de 2.431 dos juízes e promotores foram detidos sob acusações falsas.  Mais de 130.000 funcionários públicos, bem como 29.444 membros das forças armadas, foram afastados de seus cargos por decretos-lei de emergência, não sujeitos a escrutínio judicial ou parlamentar.   

por Levent Kenez 

Fonte: 332,000 people have been detained as part of Erdoğan’s witch hunt since 2016 – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer