Últimas notícias

Políticos da oposição condenam a detenção de 37 por ajudar famílias de participantes do Hizmet presos

Políticos da oposição condenam a detenção de 37 por ajudar famílias de participantes do Hizmet presos
junho 12
16:40 2022

Dois políticos da oposição condenaram uma recente operação realizada em Bartın em quatro províncias, na qual 37 pessoas foram detidas sob a acusação de terrorismo de ajudar as famílias de pessoas presas por supostos vínculos com o movimento Hizmet.

Como parte de uma investigação lançada pelo Ministério Público Bartın, no início desta semana a polícia invadiu um armazém no bairro de Gölbucak que continha açúcar, óleo, legumes e materiais de limpeza que supostamente seriam usados para atender às necessidades de famílias de pessoas que foram expulsas do serviço público através de decretos-lei, que estavam na prisão devido a supostos vínculos com o movimento Hizmet ou que acabaram de ser libertadas.

A polícia deteve 37 pessoas, confiscando seu dinheiro, joias, telefones celulares e computadores em uma operação baseada em Bartın que também foi realizada em Karabük, İstanbul e nas províncias de Isparta.

Ömer Faruk Gergerlioğlu, um legislador do Partido Democrata Popular (HDP) pró-curdo e um proeminente defensor dos direitos humanos, disse na sexta-feira em um vídeo que divulgou no Twitter que o armazém invadido pela polícia não pertencia aos participantes do Hizmet, mas fazia parte de uma mercearia e que partidários do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) no poder também estavam entre os detidos na operação que ele descreveu como “ridícula”.

“Agora você pode ser declarado terrorista enquanto faz compras em uma mercearia”, disse o deputado, alegando que a operação foi conduzida pelo Departamento de Polícia Bartın apenas para ganhar o favor do novo governador Bartın que tomou posse há duas semanas.

Bartın’daki dev(!) operasyonun iç yüzünü açıklıyorum.

Eyy TC vatandaşları artık bir bakkaldan alışveriş yaparken de terörist olabilirsiniz:)

Dronelarla çekilen operasyonun içi boş, yeni gelen @tcbartinvalilik e yaranma çabası.

Bırakın şu şu çocukca işleri! pic.twitter.com/po5xt7uImH

– Ömer Faruk Gergerlioğlu (@gergerliogluof) 10 de junho de 2022

Mustafa Yeneroğlu, ex-político do AKP e atual membro do Partido Democracia e Progresso (DEVA), também criticou a operação, referindo-se a um relatório do governo pró-governamental Yeni Şafak diariamente, que fazia a manchete “FETÖ’s food storage” quando cobria a batida policial.

FETÖ é um termo depreciativo usado pelo governo turco para se referir ao movimento Hizmet baseado na fé como uma organização terrorista.

Yeneroğlu disse: “Olhe para esta mentalidade de notícia. … Se vocês fossem jornalistas [reais], questionariam este entendimento da lei. Se você valorizasse o Islã, saberia como os prisioneiros eram tratados após a batalha de Badr. [Dizem] que foi fornecida ajuda alimentar às pessoas. O rancor e o ódio destruíram tanto suas mentes que [eles questionam] como é que eles [Gülenistas] não estão condenados à fome? De alguma forma tudo é legítimo [quando é feito] contra o FETÖ [membros]”.

Bırakın gazeteciliği, insanlıktan o kadar kopmuşlar ki şu haber anlayışına bakın.

Lafa gelince Müslümanlığı kimseye kaptırmaz vicdansızlar.

Gazeteci olsanız bu hukuk anlayışını sorgularsınız.

Müslümanlığa değer verseniz Bedir savaşı sonrası tutsaklara muameleyi bilirsiniz. https://t.co/Z7Yn2r7c0L pic.twitter.com/1q1IuUwJCR

– Mustafa Yeneroğlu (@myeneroglu) 10 de junho de 2022

O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan tem como alvo os seguidores do movimento Hizmet, um grupo baseado na fé inspirado no clérigo turco Fethullah Gülen, desde as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013, que implicaram o então primeiro-ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo interno.

Desistindo das investigações como um golpe e conspiração do Hizmet contra seu governo, Erdoğan designou o movimento como uma organização terrorista e começou a alvejar seus membros. Ele intensificou a repressão ao movimento após uma tentativa de golpe em 15 de julho de 2016 que ele acusou Gülen de ser o mestre. Gülen e o movimento negam fortemente o envolvimento no putsch abortivo ou em qualquer atividade terrorista.

Após a tentativa de golpe, o governo turco declarou estado de emergência, que permaneceu em vigor por dois anos, e realizou uma purga maciça das instituições estatais, demitindo sumariamente mais de 130.000 funcionários públicos, incluindo acadêmicos, professores, diplomatas e policiais com decretos-lei de emergência sujeitos a nenhum escrutínio judicial ou parlamentar por suposta afiliação ou relacionamento com “organizações terroristas”.

Um total de 319.587 pessoas foram detidas e 99.962 presas em operações contra apoiadores do movimento Hizmet desde a tentativa de golpe, disse o Ministro do Interior da Turquia, Süleyman Soylu, em novembro.

Atividades diárias como ter uma conta ou depositar dinheiro em um banco filiado ao movimento Hizmet, trabalhar em qualquer instituição ligada ao movimento ou assinar certos jornais e revistas foram aceitas como referências para identificar e prender supostos membros do movimento.

Além dos milhares que foram presos, dezenas de outros seguidores do movimento Hizmet tiveram que fugir da Turquia para evitar a repressão do governo.

Fonte: Opposition politicians condemn detention of 37 for helping families of jailed Gülen followers – Turkish Minute

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer