Últimas notícias

Professores que trabalham em escolas do Hizmet são deportados da Libéria

Professores que trabalham em escolas do Hizmet são deportados da Libéria
abril 30
00:09 2022

O governo liberiano em 22 de abril deportou sumariamente professores turcos e azeri e suas famílias – 12 pessoas no total – trabalhando em uma escola afiliada ao movimento Hizmet, que é baseado na fé, que foi alvo do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan, informou a Turkish Minute, citando o site de notícias Bold Medya. 

Os professores trabalharam na Escola Internacional Light, uma instituição educacional que opera na capital da Libéria, Monróvia, e filiada ao movimento Hizmet. 

Erdoğan tem como alvo os seguidores do movimento, que realiza atividades educacionais, bem como trabalho beneficente em todo o mundo, desde as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013, que implicaram o então primeiro-ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo interno. 

Descartando as investigações como um golpe e conspiração do Hizmet contra seu governo, Erdoğan designou o movimento, inspirado nos ensinamentos do clérigo turco Fethullah Gülen, como uma organização terrorista e começou a alvejar seus membros. Erdoğan intensificou a repressão ao movimento após uma tentativa de golpe em 15 de julho de 2016, que ele acusou Gülen de ser o mestre. Gülen e o movimento negam fortemente o envolvimento no putsch abortivo ou em qualquer atividade terrorista. 

Os deportados não foram enviados à Turquia, mas estão em Gana, onde também existe uma escola turca, de acordo com reportagens da mídia local. 

Não houve comentários oficiais do governo da Libéria sobre o assunto. 

A mídia local comentou que a deportação abrupta foi resultado de aberturas da administração Erdoğan, com o objetivo de reprimir a dissidência em todo o mundo. 

Em julho de 2017, o Ministro das Relações Exteriores turco Mevlüt Çavuşoğlu foi à Libéria para fortalecer as relações diplomáticas entre os dois países e para convencer o governo liberiano a desmantelar os estabelecimentos afiliados ao Hizmet no país. 

Çavuşoğlu não conseguiu convencer o governo liberiano na época, liderado pela Presidente Ellen Johnson Sirleaf, que desaprovou a busca do Ministro das Relações Exteriores turco em solo liberiano. 

De acordo com um relatório do site de notícias Heritage, citando fontes não oficiais na administração do atual Presidente George Weah, os cidadãos turcos foram deportados sem cerimônias, citando “razões de segurança”. 

Desde a tentativa de golpe, os seguidores do movimento Hizmet têm sido submetidos a uma repressão maciça, com o governo turco e os meios de comunicação pró-governo demonizando seus membros. 

De acordo com uma declaração do Ministro do Interior turco Süleyman Soylu em 26 de novembro, um total de 292.000 pessoas foram detidas enquanto 96.000 outras foram presas devido a supostos vínculos com o movimento Hizmet desde o golpe fracassado. O ministro disse que há atualmente 25.655 pessoas nas prisões da Turquia que foram presas devido a vínculos com o movimento Hizmet. 

Além dos milhares que foram presos, dezenas de outros seguidores do movimento Hizmet tiveram que fugir da Turquia para evitar a repressão do governo. 

Fonte: Teachers working at Gülen schools deported from Liberia – Stockholm Center for Freedom (stockholmcf.org)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer