Últimas notícias

Diálogo inter-religioso com judeus e cristãos citado como delito criminal na Turquia em uma nova acusação

Diálogo inter-religioso com judeus e cristãos citado como delito criminal na Turquia em uma nova acusação
abril 06
16:51 2022

Em uma acusação feita recentemente contra um grupo crítico do governo na Turquia, os promotores públicos citaram o diálogo inter-religioso com judeus e cristãos como evidência criminal para nivelar as acusações. 

Os promotores alegaram na acusação apresentada a um alto tribunal criminal em Istambul em 2 de março de 2022 que o movimento Hizmet, um grupo contrário ao governo do presidente Recep Tayyip Erdoğan, havia estabelecido o diálogo com organizações judaicas e cristãs em vez de muçulmanas e turcas ao redor do mundo. 

As alegações foram incorporadas na acusação pelos procuradores-chefes adjuntos Bülent Başar e Zafer Koç, como parte de uma campanha do governo para reprimir as pessoas que se acredita serem filiadas ao grupo Hizmet. 

As acusações refletem como a ideologia islâmica política da elite política dominante, que define os não-muçulmanos como inimigos, tem dominância na condução de processos criminais na Turquia, um país que teve um histórico ruim em matéria de direitos humanos na última década. 

O Presidente Erdoğan já havia feito esforços de diálogo inter-religioso no passado, dizendo que não pode haver diálogo entre islamismo e cristianismo, em um discurso xenófobo que proferiu aos legisladores no Parlamento paquistanês em novembro de 2016 durante uma visita oficial ao país. 

Parte da acusação, datada de 2 de março de 2022, listou o diálogo inter-religioso com judeus e cristãos como evidência criminal contra o grupo Hizmet. 

Esta não é a primeira vez que os promotores de justiça listaram as atividades de diálogo inter-religioso como evidência de um crime, apesar do fato de que não há nenhuma disposição legal no Código Penal turco descrevendo tal trabalho como criminoso. Em 2015, uma acusação apresentada contra Fethullah Gülen, o estudioso turco muçulmano, residente nos EUA, que inspirou o movimento, listou a reunião de Gülen de 1998 com o papa no Vaticano como prova criminal. 

A nova acusação visa 68 chefes de polícia turcos que no passado haviam investigado um grupo neonacionalista violento que ameaçava minorias não-muçulmanas na Turquia, conspiraram assassinatos e traçaram perfis ilegais de grupos cristãos em uma campanha de vigilância clandestina. 

A investigação, lançada em junho de 2007 depois que a polícia descobriu um esconderijo de armas e explosivos em Istambul, identificou 275 suspeitos, alguns dos quais trabalhavam com os militares turcos, como impulsionando a campanha contra as minorias não-muçulmanas. 

Durante a investigação, a polícia também expôs o Patriarcado Ortodoxo Turco Independente (Bağımsız Türk Ortodoks Patrikhanesi), um patriarcado falso, ligado à inteligência turca, dirigido pelo mesmo grupo neonacionalista na Turquia. O grupo tinha perseguido ferozmente uma campanha odiosa visando o Patriarcado Ecumênico de Constantinopla. 

Os suspeitos foram julgados e condenados, mas posteriormente libertados em 2014, quando fizeram um acordo secreto com Erdoğan, que orquestrou sua libertação apesar das provas esmagadoras no dossiê do caso. As mesas foram viradas contra os chefes de polícia e promotores que haviam exposto o grupo. O governo Erdoğan expulsou todos os envolvidos nas investigações e processos, prendendo muitos sob acusações falsas. 

A acusação foi apresentada ao tribunal pelos procuradores-chefes adjuntos Bülent Başar e Zafer Koç 

Salvo pelo governo, o grupo retomou suas atividades hostis contra os não-muçulmanos na Turquia. Sevgi Erenerol, um criminoso condenado e um dos líderes do Patriarcado Ortodoxo Turco Independente, apresentou uma queixa criminal em 2019 contra o Patriarca Ecumênico Bartolomeu I, líder espiritual dos cristãos ortodoxos orientais em todo o mundo, e 12 membros do Sínodo. Em sua queixa Erenerol acusou o patriarca ecumênico de ser separatista e divisor, descrevendo-o como uma ferramenta dos Estados Unidos. 

A campanha do grupo neonacionalista contra Bartolomeu I veio logo após a decisão da igreja, em janeiro de 2019, de reconhecer a Igreja ucraniana, cortando um vínculo de quatro séculos com a Igreja Ortodoxa Russa. 

Erenerol e seu grupo radical desempenharam um papel de liderança em uma campanha demonizante lançada contra o jornalista turco-armênio Hrant Dink, que foi acusado de insultar o Estado turco antes de ser morto por uma figura nacionalista em janeiro de 2007. Erenerol liderou um protesto contra o jornalista em frente ao tribunal onde Dink estava sendo julgado e até orquestrou um assalto de seu grupo, vitimizando ainda mais Dink. 

A investigação policial revelou que a Erenerol trabalhou em estreita colaboração com Veli Küçük, um brigadeiro geral turco aposentado que fundou o JİTEM, um notório braço de inteligência da Gendarmaria turca. Eles tinham se reunido nesta falsa igreja ortodoxa durante anos para discutir enredos. Küçük também foi condenado em 2013 e condenado a prisão perpétua, mas foi libertado em 2014 com a ajuda de Erdoğan. 

Fethullah Gülen encontrou-se com João Paulo II em 1998 no Vaticano. 

Alguns dos chefes de polícia que foram indiciados no início deste mês estiveram envolvidos na investigação de ameaças contra grupos judeus na Turquia. Em 2010 o chefe da polícia Yurt Atayün e sua equipe investigaram agentes de um grupo turco pró-iraniano ligado à Força Quds do Irã depois que o grupo emitiu uma ameaça geral contra judeus na Turquia e ao redor do mundo. 

“Os judeus na Turquia, incluindo seus rabinos e líderes, sempre apoiaram o regime sionista [Israel] e não merecem mais se sentir seguros na Turquia”, disse Nureddin Şirin, um criminoso condenado que cumpriu pena por acusações de terrorismo e seus vínculos com a Força Quds. Şirin fez comentários a um grupo chamado Plataforma de Voluntários de Gaza, que se reuniu para protestar contra a prisão de İzzet Şahin, o representante da Cisjordânia da Fundação jihadista para Direitos Humanos e Liberdades e Ajuda Humanitária (İnsan Hak ve Hürriyetleri ve İnsani Yardım Vakfı, ou IHH) em 8 de maio de 2010. 

Atayün ordenou às unidades policiais que investigassem Şirin e seus associados sobre ameaças aos judeus na Turquia, mas essa ordem foi posteriormente citada como evidência para a prisão de Atayun e seus colegas que estavam envolvidos na investigação das celas da Quds Force. Atayün está preso desde 2014 sob acusações fabricadas apresentadas pelo governo. O Nordic Monitor publicou uma história no ano passado revelando como outro chefe de polícia foi preso pelo governo Erdoğan porque ele tomou medidas para proteger os judeus com base na inteligência da Mossad que foi passada para a Turquia através dos canais oficiais. 

Yurt Atayün, um chefe de polícia veterano, está preso na Turquia por investigar ameaças contra os judeus e por sondar as celas da Quds Force. 

Sob a regra dos 20 anos do Erdoğan, a Turquia tornou-se território hostil para muitos grupos não muçulmanos, com um rápido aumento de xenofobia, antissemitismo e sentimentos anticristãos entre a população. A campanha de ódio contra as minorias não-muçulmanas é frequentemente refletida nas observações e comentários oficiais feitos por funcionários do governo e ampliada para uma audiência maior pelos meios de comunicação controlados pelo Estado. 

Os livros didáticos reescritos para ensinar os alunos nas escolas públicas também refletem a transformação radical que a Turquia tem sofrido nos últimos anos. Alguns dos artigos encontrados nos manuais escolares foram analisados e publicados pela Nordic Monitor no passado. Em um caso, o livro de história moderna da 12ª série está cheio de referências antiamericanas e antieuropeias, refletindo o que o presidente turco tem pregado em comícios e reuniões públicas. A edição de 2018, de autoria de Emrullah Alemdar e Savaş Keles e publicada pela gráfica do governo, justificou os ataques terroristas da Al-Qaeda contra os EUA em 11 de setembro de 2001 que mataram quase 3.000 pessoas, marcou a União Europeia como um clube cristão liderado pelo papa e criticou a aliança da OTAN. 

Fonte: Interfaith dialogue with Jews, Christians cited as criminal offense in Turkey in a new indictment – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer