Últimas notícias

Crianças sem mãe deixadas aos cuidados de parentes depois que pai foi enviado para prisão por causa de laços com Hizmet

Crianças sem mãe deixadas aos cuidados de parentes depois que pai foi enviado para prisão por causa de laços com Hizmet
dezembro 31
18:33 2021

Dois filhos sem mãe com 7 e 2 anos de idade foram deixados aos cuidados de seus parentes em diferentes cidades depois que seu pai foi enviado à prisão na última quinta-feira para cumprir uma pena relacionada ao terrorismo devido a seus supostos laços com o movimento Hizmet, informou o Stockholm Center for Freedom, citando o site de notícias Bold Medya.

Muhammed Hanefi Aksoy estava trabalhando em um dormitório estudantil afiliado ao movimento, antes de ser fechado em 2016. Ele foi condenado a sete anos, seis meses de prisão por ser membro de uma organização terrorista por trabalhar em uma instituição afiliada ao Hizmet, tendo uma conta no agora fechado Banco Asya, um dos maiores bancos comerciais da Turquia na época, e usando o aplicativo de mensagens criptografadas ByLock.

Sua esposa Nagihan Aksoy morreu em setembro em um acidente de trânsito. Ela era uma ex-professora demitida de seu emprego por um decreto de emergência devido a seus supostos vínculos com o movimento Hizmet. Fatih, de dois anos de idade, está atualmente com seu tio na província de Yalova, e Hümeyra está com sua tia na província de Nevşehir, a 700 quilômetros de distância. O pai deles está em uma prisão em İzmir.

O governo do Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) lançou uma guerra contra o movimento Hizmet, uma iniciativa cívica mundial inspirada nas ideias do clérigo muçulmano Fethullah Gülen, após as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013 que implicaram os membros da família e do círculo interno do então primeiro-ministro e atual presidente Recep Tayyip Erdoğan.

Descartando as investigações como um golpe e conspiração do Hizmet, o governo AKP designou o movimento como uma organização terrorista e começou a alvejar seus membros. O governo intensificou a repressão ao movimento após uma tentativa de golpe em 15 de julho de 2016, que acusaram Gülen de ser o mestre. Gülen e o movimento negam fortemente o envolvimento no golpe abortivo ou em qualquer atividade terrorista.

A Turquia considera a ByLock, uma vez disponível no Google Play e na App Store da Apple, uma ferramenta secreta de comunicação entre os apoiadores do movimento Hizmet, baseado na fé, levando à prisão de milhares de pessoas que a utilizavam. O Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária do Conselho de Direitos Humanos da ONU declarou em outubro de 2018 que a detenção, prisão e condenação com base no uso do ByLock na Turquia violou os artigos 19, 21 e 22 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos.

Após o golpe abortivo, o governo turco declarou estado de emergência e realizou um expurgo maciço das instituições estatais sob o pretexto de uma luta contra o golpe de estado. Mais de 130.000 funcionários públicos foram sumariamente afastados de seus empregos por suposta afiliação ou relacionamento com “organizações terroristas” por decretos-lei de emergência não sujeitos a escrutínio judicial ou parlamentar.

Um total de 319.587 pessoas foram detidas e 99.962 presas em operações contra apoiadores do movimento Hizmet desde a tentativa de golpe, disse o Ministro do Interior da Turquia, Süleyman Soylu, em novembro.

Fonte: Motherless children left to care of relatives after father sent to prison over Gülen links – Turkish Minute

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer