Últimas notícias

Documentos oficiais revelam ‘fichamentos’ ilegais de supostos participantes do movimento Hizmet

Documentos oficiais revelam ‘fichamentos’ ilegais de supostos participantes do movimento Hizmet
dezembro 15
17:03 2021

Documentos oficiais compartilhados no Twitter por um ex-procurador mostraram como os burocratas do Ministério da Saúde traçaram o perfil de supostos participantes do movimento Hizmet, que é baseado na fé, após uma tentativa de golpe em julho de 2016, o Stockholm Center for Freedom informou na quarta-feira.

Uma lista anexa a uma comunicação oficial contém informações sobre o pessoal médico, incluindo seus números de identificação nacional, os nomes e endereços de seus empregadores, seus números de telefone celular e notas sobre suas supostas ligações com o movimento Hizmet.

Algumas das notas incluem “membro de Ufuk Sağlık-Sen”, um sindicato legalmente estabelecido de trabalhadores da saúde; “seu filho [ou filha] estuda em uma escola afiliada ao Hizmet”; “Hizmetista hardcore”; e “cônjuge de um Hizmetista hardcore”.

O documento, datado de 28 de julho de 2016, é uma petição do diretor de saúde pública da província de Afyon enviada ao governador Aziz Yıldırım solicitando a aprovação de uma correção em um documento previamente comunicado que incluía a apresentação de uma lista de funcionários que deveriam ser suspensos e submetidos a uma investigação judicial e/ou administrativa.

O governo do Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) lançou uma guerra contra o movimento Hizmet, uma iniciativa cívica mundial inspirada nas ideias do clérigo muçulmano Fethullah Gülen, após as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013 que implicaram os membros da família e do círculo interno do então primeiro-ministro e atual presidente Recep Tayyip Erdoğan.

Descartando as investigações como um golpe e conspiração do Hizmet contra seu governo, Erdoğan designou o movimento como uma organização terrorista e começou a alvejar seus participantes. Ele intensificou a repressão ao movimento após a tentativa de golpe de 15 de julho de 2016, que acusou Gülen de ser o mestre. Gülen e o movimento negam fortemente o envolvimento no golpe abortivo ou em qualquer atividade terrorista.

Após a tentativa de golpe, o governo turco declarou estado de emergência e realizou um expurgo maciço das instituições estatais sob o pretexto de uma luta contra o golpe de estado. Mais de 130.000 funcionários públicos, incluindo 4.156 juízes e promotores, assim como 29.444 membros das forças armadas, foram sumariamente demitidos de seus empregos por suposta afiliação ou relacionamento com “organizações terroristas” por decretos-lei de emergência não sujeitos a escrutínio judicial ou parlamentar.

Ex-funcionários públicos não só foram demitidos de seus empregos, como também foram proibidos de trabalhar novamente no setor público e de obter um passaporte. O governo também lhes dificultou o trabalho formal no setor privado. Foram colocadas notas no banco de dados da previdência social sobre funcionários públicos demitidos para dissuadir potenciais empregadores.

O governo turco aceitou tais atividades diárias como ter uma conta ou depositar dinheiro em um banco filiado ao movimento Hizmet, trabalhar em qualquer instituição ligada ao movimento ou assinar certos jornais e revistas como referência para identificar e prender dezenas de milhares de supostos membros do movimento sob a acusação de pertencerem a uma organização terrorista.

Fonte: Official documents reveal illegal profiling of alleged Gülen movement followers – Turkish Minute

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer