Últimas notícias

Acusações vagas usadas para perseguir o movimento Hizmet diz relatores da ONU

Acusações vagas usadas para perseguir o movimento Hizmet diz relatores da ONU
janeiro 27
18:28 2021

A vaga e imprecisa acusação de “pertencer a uma organização terrorista armada” parece ser repetidamente mal utilizada para atingir os críticos das políticas do governo turco e para criminalizar as atividades legítimas de apoiadores do movimento Hizmet, disse o vice-presidente do Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Detenção Arbitrária e três relatores especiais em uma carta ao governo turco, informou o Centro para a Liberdade de Estocolmo na quarta-feira.

A carta, datada de 10 de novembro, foi publicada pela ONU juntamente com a resposta do governo turco 60 dias após o envio. A carta da ONU solicitou que o governo turco respondesse a perguntas sobre os casos de 43 cidadãos turcos que apresentaram denúncias à ONU com alegações individuais de prisão arbitrária, detenção e/ou processo judicial no contexto de um suposto golpe em Julho de 2016.

A Turquia experimentou uma polêmica tentativa de golpe militar na noite de 15 de julho de 2016, que matou 251 pessoas e feriu mais de mil outras. O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan imediatamente acusou o movimento Hizmet, um grupo religioso inspirado pelo clérigo turco Fethullah Gülen, de ser o mentor da tentativa de golpe e iniciou uma grande repressão na manhã seguinte, que acabou levando à demissão sumária de mais de 130.000 servidores públicos, incluindo 4.156 juízes e promotores, bem como 20.610 membros das forças armadas, por suposta participação ou relacionamento com “organizações terroristas” por atos institucionais de emergência sujeitos a escrutínio judicial ou parlamentar. Gülen e o movimento Hizmet negam veementemente o envolvimento no golpe ou qualquer atividade terrorista.

Os relatores da ONU sublinharam que o movimento Gülen “parece ter se desenvolvido ao longo de décadas e gozava, até bem recentemente, de considerável liberdade para estabelecer uma presença generalizada e respeitável em todos os setores da sociedade turca, incluindo instituições religiosas, educação, sociedade civil e sindicatos, mídia, finanças e negócios. ”

Erdoğan tinha como alvo os seguidores do movimento Hizmet desde as investigações de corrupção de 17 a 25 de dezembro de 2013, que envolveram o então primeiro-ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo íntimo. Descartando as investigações como um golpe encabeçado pelo movimento Hizmet e conspiração contra seu governo, ele designou o movimento como uma organização terrorista e começou a perseguir seus membros.

A carta também afirmava que muitas organizações filiadas ao movimento que foram fechadas depois de 15 de julho estavam abertas e operando legalmente até aquela data. Destacando no  entanto que o governo turco tem aceitado atividades cotidianas como ter conta ou depositar dinheiro em banco filiado ao movimento Hizmet, ser membro de um sindicato vinculado ao movimento, trabalhar em qualquer instituição com vínculo com o movimento ou assinar certos jornais e revistas como referência para identificar e prender dezenas de milhares de pessoas sob a acusação de pertencer a uma organização terrorista.

Os 43 candidatos incluem o jornalista preso Ali Ünal; o ex-cadete da Força Aérea Furkan Çetinkaya, que foi condenado à prisão perpétua sob a acusação de golpe; Nurullah Albayrak, advogado de Fethullah Gülen; além de professores, juízes e policiais.

Em sua resposta, o governo turco forneceu uma nota informativa contendo suas bem conhecidas opiniões sobre o movimento Gülen e a tentativa de golpe de 15 de julho. A carta, que foi submetida pela missão permanente da Turquia ao Escritório das Nações Unidas em Genebra, solicitou que os relatores da ONU “não permitissem que a FETÖ (uma sigla depreciativa usada pelo governo para rotular o movimento Hizmet) e seus membros abusassem desses mecanismos e para rejeitar suas alegações. ”

Os relatores da ONU também reiteraram suas preocupações com o “ambiente repressivo que o governo [turco] estabeleceu para o exercício dos direitos fundamentais na Turquia”.

Fonte: https://www.turkishminute.com/2021/01/13/vague-terrorism-charge-used-to-target-supporters-of-the-gulen-movement-un-special-rapporteurs/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer