Últimas notícias
  • CoE insta “fortemente” as autoridades turcas a liberar Demirtaş O Comitê de Ministros do Conselho da Europa adotou na quinta-feira uma resolução provisória "instando fortemente" as autoridades turcas a assegurar a libertação imediata do líder curdo preso Selahattin Demirtaş....
  • A crise monetária da Turquia Após a demissão do ministro das finanças e sua substituição por um lealista em 2 de dezembro, a lira turca continuou seu declínio constante em relação ao dólar, elevando suas perdas do ano para quase 50%. A moeda turca está novamente sob ataque especulativo, semelhante aos episódios anteriores em julho de 2018 e outubro de 2020. Os cortes antecipados do Banco Central da República da Turquia (CBRT) na taxa de câmbio desde setembro resultaram em um êxodo de capital estrangeiro e em uma corrida na demanda por divisas entre os investidores domésticos. Enquanto isso, os preços globais de commodities e energia permanecem altos (apesar da recente queda nos preços do petróleo), e as expectativas em relação à inflação se deterioraram significativamente, levando a taxa de câmbio TL a cair de 8,30 para 13,60 para o dólar em menos de três meses....
  • Turquia aumentará sua presença na INTERPOL, diz membro recém-eleito do Comitê Executivo A Turquia aumentará sua presença na INTERPOL aumentando seu número de oficiais de ligação na Secretaria Geral e nomeando mais candidatos para cargos superiores dentro da organização, disse na quinta-feira Selçuk Sevgel, membro recém-eleito do Comitê Executivo da INTERPOL, em entrevista à agência estatal de notícias Anadolu, informou o Stockholm Center for Freedom....
  • Papa pede por cura em um Chipre dividido, arcebispo ortodoxo ataca a Turquia Papa encontra os líderes cristãos ortodoxos de Chipre. Pede por cura na ilha dividida. Líder cipriota turco convida papa a visitar o norte. Muitos dos participantes da missa são filipinos que trabalham no Chipre...
  • Ministro das finanças da Turquia, Lutfi Elvan, demite-se em meio à crise monetária O Ministro das Finanças e do Tesouro da Turquia, Lutfi Elvan, renunciou em meio a uma forte queda da lira turca, de acordo com um decreto presidencial emitido no jornal oficial turco na quinta-feira....
  • Documentário sobre femicídios na Turquia é a indicação ao Oscar do Reino Unido Um documentário relatando os esforços dos ativistas que trabalham para acabar com a violência contra as mulheres na Turquia foi escolhido como a entrada oficial do Reino Unido para a categoria de Melhor Longa Metragem Internacional no Oscar....
  • Homem sequestrado pela inteligência turca forçado a testemunhar contra deputados da oposição Segundo Gergerlioğlu, Yasin Ugan foi forçado a testemunhar sob tortura que os dois deputados eram filiados ao movimento Hizmet, um grupo baseado na fé inspirado nos ensinamentos do clérigo turco Fethullah Gülen, que tem sido alvo do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan desde as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013, que implicaram o então primeiro-ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo interno....
  • 8 morrem em fortes tempestades que assolaram o oeste da Turquia As províncias do oeste da Turquia, incluindo a cidade mais populosa do país, Istambul, foram duramente atingidas por condições climáticas adversas, com oito pessoas morrendo como resultado de acidentes relacionados ao clima em três províncias, noticiou a mídia turca na terça-feira....
  • Autoridades na Turquia investigam avisos de escassez de medicamentos após queda da lira As autoridades turcas estão sondando as discrepâncias entre os registros e os estoques reais de alguns medicamentos, disse o Ministério da Saúde na terça-feira, depois que consumidores, farmácias e chefes de indústria advertiram sobre as interrupções nos fornecimentos devido a uma queda da moeda....
  • “Nosso dinheiro não tem valor”: Aumenta a frustração na Turquia com a crise de Lira A insistência do Presidente Recep Tayyip Erdogan em direcionar a política monetária e manter as taxas de juros baixas está drenando a confiança, dizem os economistas....

Gulen não ordenou o golpe na Turquia, dizem espiões da UE

Gulen não ordenou o golpe na Turquia, dizem espiões da UE
janeiro 18
17:08 2017

O clérigo exilado Fethullah Gulen não ordenou o golpe na Turquia, diz um documento vazado dos serviços de inteligência da União Europeia (UE).

O documento, escrito pela unidade de compartilhamento de inteligência da UE, o Intcen, também diz que o expurgo pós-golpe dos supostos apoiadores de Gulen liderado pelo presidente Recep Tayyip Erdogan foi projetado para aprofundar ser controle sobre o poder.

As revelações jogam luz sobre a reação da UE ao golpe fracassado, e mostram como as agências de inteligência da Europa consideram Gulen como o “mestre” de um movimento “antissemítico e anticristão”.

Elas também colocam um destaque indesejado sobre o Intcen.

“É provável que um grupo de autoridades composto de gulenistas, kemalistas, oponentes do AKP e oportunistas estava por detrás do golpe. É improvável que o próprio Gulen tenha desemprenhado algum papel nisso tudo”, dizia o documento.

“É improvável que Gulen realmente teve a capacidade para tomar uma medida como essa”.

Os kemalistas são turcos secularistas que se opõem às visões islamistas do partido político de Erdogan, o AKP.

O relatório de inteligência da UE dizia que indivíduos militares gulenistas, que não tinham patentes acima de tenente ou capitão, podem ter se sentido “sob pressão” para se juntarem à tentativa de golpe em julho de 2016 porque eles sabiam que Erdogan havia planejado ir atrás deles em agosto daquele ano.

O relatório dizia que seu “expurgo iminente” teria feito eles serem processados por ofensas de terrorismo.

O relatório dizia que Erdogan estava tentando desmantelar o movimento Gulen na Turquia porque ele era o seu “único rival real” em sua tentativa de governar o país via “um sistema presidencial completo”.

O relatório também dizia que Erdogan “explorou” o golpe para lançar uma “campanha repressiva mais ampla contra os oponentes do AKP” em prol de “ambições pessoais”.

O relatório dizia que a MIT, o serviço de inteligência da Turquia, começou a compilar listas de “indivíduos problemáticos” anos atrás.

O relatório dizia que as listas também continham os nomes de “ativistas civis” que participaram de protestos anti-Erdogan no Parque Gezi, em Istambul, no ano de 2013.

“A enorme onda de prisões nos dias que seguiram a tentativa de golpe já estava previamente preparada. O golpe foi apenas um catalisador para a repressão preparada de antemão”, dizia o relatório da inteligência.

UE morna

O Intcen é uma divisão do serviço dos negócios estrangeiros da UE em que agentes de inteligência destacados, de estados da UE, compartilham informações.

Ele apresentou o relatório de seis páginas, intitulado “Turquia – O Impacto do Movimento Gulenista”, em 24 de agosto do ano passado a oficiais da UE e a embaixadores dos estados-membros em Bruxelas.

O documento sigiloso foi descoberto primeiro pelo The Times, um jornal britânico, na terça-feira (17 de janeiro de 2016).

Os pontos de vista no documento vazado, também visto pelo EUobserver, foram repetidos quase palavra por palavra por Johannes Hahn, o comissário da UE lidando com a Turquia, em sua reação ao golpe.

Ele disse na época que o golpe parecia “com algo que havia sido preparado. Que as listas [de supostos gulenistas] estavam disponíveis [tão cedo] depois dos eventos indica que isso tudo foi preparado e que a um certo momento deve ser usado”.

Declarações subsequentes da UE também foram mornas quanto a Erdogan.

O bloco clamou por restrições, especialmente quando o expurgo de Erdogan se espalhou para membros do parlamento e a mídia, incitando respostas furiosas do presidente turco.

O mestre

O vazamento da UE aparece em uma época em que a Turquia está pedindo aos EUA que extraditem Gulen.

Apesar de o relatório de inteligência ter exonerado Gulen quanto ao golpe, não o pintou em uma luz favorável.

O relatório dizia que ensinamentos publicados em seu nome “na superfície … propagam tolerância”, mas “ao mesmo tempo, eruditos islâmicos peritos no uso da língua e símbolos reconhecem que eles são expressamente antissemíticos e anticristãos”.

O relatório dizia que Gulen era o “mestre” de uma estrutura “mundial” que possuía filiais em cerca de 100 países na Europa, América do Norte e do Sul, Ásia e África.

O relatório dizia que suas “ordens” foram “aplicadas” por “imãs especiais” e por seguidores “convictos” que “infiltraram” instituições estatais.

O relatório dizia que os gulenistas possuíam 160 escolas de elite por todo o mundo onde eles preparavam alunos.

Efeitos do vazamento

O vazamento é uma vergonha para o serviço de negócios estrangeiros da UE em uma época em que ela está tentando galvanizar a cooperação de segurança da UE.

O relatório da Intcen foi marcado como “confidencial”, significando que, na própria literatura da UE, que poderia suscitar “queixa formal ou outras sanções” por países que não sejam da UE e “danificar operações de segurança ou inteligência” da UE, se viesse a público.

O relatório não revelou suas fontes, mas foi marcado como “não publicável e para não ser divulgado a terceiros estados e organizações internacionais”.

A intenção era que o relatório fosse enviado via canais criptografados ou mantido no papel em “condições seguras”.

Sua divulgação poderia prejudicar as relações entre a UE e a Turquia e entre os EUA e a Turquia em uma época em que Erdogan está construindo laços mais próximos com a Rússia.

A divulgação poderia prejudicar também a Intcen, se estados-membros pararem de confiar no gabinete da UE para manter seus segredos.

Andrew Rettman

Fonte: www.euobserver.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer