Últimas notícias
  • Embaixada da Turquia nas Filipinas espionou 29 críticos de Erdoğan A Embaixada da Turquia nas Filipinas espionou os cidadãos turcos no país e encaminhou a lista de perfis ilegais para Ancara, o que levou ao lançamento de procedimentos judiciais infundados contra eles, informou o Nordic Monitor, citando documentos legais. ...
  • Lira turca atinge recorde de baixa enquanto Erdogan despede banqueiros centrais A lira turca afundou a uma baixa recorde em relação ao dólar americano na quinta-feira depois que o presidente Recep Tayyip Erdoğan demitiu três membros do banco central em um decreto no meio da noite, informou a Agence France-Presse. ...
  • Condições de trabalho degradantes expulsam médicos da Turquia Milhares de médicos estão deixando a Turquia como resultado dos baixos salários aliados à violência que enfrentam de pacientes zangados e seus familiares, uma situação só agravada pela pandemia do coronavírus e pela crise econômica resultante. ...
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...

Movimento Hizmet diz temer por liberdade na Turquia

Movimento Hizmet diz temer por liberdade na Turquia
março 16
19:23 2016

Considerado por boa parte da opinião pública ocidental como misterioso e acusado pelo governo turco de estar por trás da crise política que afeta o país, o movimento Hizmet vem fazendo uma ofensiva de relações-públicas para mostrar o que é e o que faz esta organização. Esta entidade da sociedade civil é a maior da Turquia e garante que não tem fins políticos. Possui representações em 150 países – inclusive o Brasil. O Hizmet se baseia na ideia de “Islã moderno e compatível com a democracia”, difundida desde os anos 60 por Fethullah Gülen. Gülen hoje tem 75 anos, é um ex-imã, escritor, pensador e professor. Vive nos EUA num auto-exílio desde 1999, quando saiu da Turquia por conta dos sucessivos golpes militares. Mesmo de longe, continua influenciando milhões de turcos e muçulmanos pelo mundo.

Ao movimento Hizmet são ligados um grande número de empresários, atuantes dentro e fora da Turquia: há donos de hospitais, escolas e impérios de mídia. Como a agência de notícias Cihan, a maior do país, que possui correspondentes em 82 países, incluindo o Brasil, onde possui um escritório estabelecido em 2011 no bairro dos Jardins, em São Paulo. A agência produz conteúdo para o jornal impresso “Zaman”, ligado ao mesmo grupo, que é líder absoluto de vendas na Turquia, com 1,25 milhão de exemplares vendidos por dia, além de uma versão em inglês.

– Estamos, obviamente, muito preocupados com as recentes investidas do (premier turco) Recep Tayyip Erdogan contra a liberdade de expressão no país, controlando, por exemplo, a internet. O Gülen, aliás, está muito triste com o rumo que a Turquia tem tomado, porque ele sempre acreditou que o Islã é compatível com a democracia – diz Bayram Ozturk, doutor em teologia islâmica, que mora há dois anos no Brasil.

Ozturk é colunista do “Zaman” e discípulo de Gülen, com quem estudou por três anos nos anos 90. As atividades do Hizmet no Brasil são: a agência de notícias e o jornal, um centro cultural (CCBT) e uma associação-comercial Brasil-Turquia, além de um colégio (de ensino fundamental e médio) chamado Belo Futuro Internacional, localizado no bairro de Santo Amaro, Zona Sul de São Paulo.

Yusuf Elemen, diretor do CCBT em São Paulo, rejeita rótulos de que o Hizmet (que significa “servir” em turco) é uma espécie de “Opus Dei turca”, como já foi definido.

– Nossa escola em São Paulo, por exemplo, é aberta para qualquer criança, de qualquer crença, não há ensino religioso. O Gülen sempre defendeu o diálogo entre as religiões – diz, lembrando que o ex-imã foi o primeiro líder do Islã a condenar os atentados de 11 de Setembro nos EUA. – Ele também condena qualquer ato de violência. O movimento não é religioso e nem ideológico, é um movimento civil mas com inspiração na fé (islâmica).

O Hizmet realiza ainda diversos trabalhos de caridade entre Rio e São Paulo, com foco na distribuição de alimentos nas favelas. Sobre a atual perseguição que o grupo sofre por parte do governo da Turquia, Ozturk lembra que Erdogan, logo que subiu ao poder, em 2003, tentou se aproximar de Gülen, que chegou a apoiá-lo para a elaboração de uma nova Constituição, apesar de, segundo o discípulo, o Hizmet nunca ter composto com o governo.

– O Erdogan insistiu várias vezes que o Gülen voltasse à Turquia, para fazer uma aliança. Mas ele nunca se sentiu seguro para voltar. Os acontecimentos recentes mostram que ele estava certo. O premier tomou uma série de decisões, de política interna e externa, desastradas. Ele culpa o Hizmet pela instabilidade porque simplesmente nossos ideais de democracia e modernidade encontram eco entre tantos turcos insatisfeitos – comenta Ozturk.

Segundo ele, Fethullah Gülen vive cercado por alunos, numa casa no estado americano da Pensilvânia. Para fazer o curso, precisa morar com o ex-imã: mulheres só são aceitas se forem casadas. Gülen não é casado e não tem filhos. Os cursos consistem em discutir como os ensinamentos do Alcorão podem ser aplicados no mundo moderno. Gülen tem problemas de pressão, coração e diabetes e, por isso, quase não sai de casa. Antigos discípulos como Ozturk lhe fazem visitas “de uma a duas vezes por ano”.

– Muita da instabilidade e da violência que o mundo islâmico vive hoje acontece porque há um retardo do nível intelectual de sua população. Esse atraso se dá no desenvolvimento dos países em si e na forma de pensamento: não dá mais para culpar o atraso à colonização ocidental, ao imperialismo. Nos primeiros séculos do Islã, fazíamos parte de sociedades muito avançadas. É preciso resgatar isso – atesta o discípulo de Gülen.

Mariana Timóteo da Costa

Publicado em O Globo

Fonte: http://pt-hizmetmovement.blogspot.com.br

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer