Últimas notícias

Banqueiro turco diz que os promotores americanos podem mais tarde questionar Zarrab sobre suas relações com Erdoğan

Banqueiro turco diz que os promotores americanos podem mais tarde questionar Zarrab sobre suas relações com Erdoğan
janeiro 19
00:48 2023

Um alto banqueiro turco condenado pelos EUA por ajudar o Irã a escapar das sanções dos EUA disse que os promotores podem questionar as relações de um comerciante de ouro turco-iraniano com o presidente Recep Tayyip Erdoğan e seu governo em “outra rodada” em um julgamento dos EUA sobre as sanções ao Irã, informou o site de notícias T24. 

Mehmet Hakan Atilla, ex-executivo do estatal turco Halkbank, foi condenado a 32 meses de prisão por um tribunal americano em maio de 2018 depois de ter sido condenado no início daquele ano por participar de um esquema para ajudar o Irã a escapar das sanções americanas. 

As acusações contra Atilla surgiram de uma investigação que se tornou pública pela primeira vez com a prisão de Reza Zarrab, comerciante de ouro nos EUA, em 2016. O homem de negócios, que os promotores americanos disseram ter laços estreitos com Erdoğan, fez um acordo e testemunhou no julgamento de Atilla como testemunha. 

Atilla disse em uma entrevista com o jornalista Cansu Çamlıbel do site de notícias T24 na segunda-feira, um dia antes da apresentação de seu caso pelo Halkbank na Suprema Corte dos EUA, que os promotores que escolheram não perguntar a Zarrab sobre suas ligações com Erdoğan e seu governo podem ter reservado essas perguntas para “outra rodada”. 

“[Isto é] porque a principal preocupação dos promotores é ganhar esse caso. Nesse ponto, não faz muito sentido expor essas relações e escrever um roteiro para isso”, disse Atilla. 

Zarrab, que testemunhou durante o julgamento americano que pagou mais de 50 milhões de dólares em subornos ao ministro das finanças da Turquia para ajudar no florescimento do esquema de sanções, tinha evitado a justiça na Turquia apesar de ser o principal suspeito em uma investigação de corrupção em massa no final de 2013 implicando o gabinete e a família do então primeiro-ministro Erdoğan. 

O banqueiro acrescentou que era “provável” que Zarrab estivesse novamente no banco nas audiências do Halkbank se a Suprema Corte dos EUA não se pronunciasse a favor do banco. 

Os promotores federais em Nova York em 2019 também apresentaram acusações contra o Halkbank, acusando-o de lavagem de dinheiro, fraude bancária e conspiração por supostamente ajudar o Irã a fugir das sanções econômicas. Eles alegam que o banco participou de um esquema para lavar cerca de US$ 20 bilhões dos lucros do petróleo e gás natural iranianos, violando as sanções dos EUA contra o Irã. 

Quando perguntado se a Suprema Corte dos EUA decidiria a favor do Halkbank, Atilla disse que esperava assim, acrescentando que não estava muito otimista em relação a isso, uma vez que não tem mais confiança no sistema judicial americano. 

Os advogados do Halkbank apresentarão seu caso perante a Suprema Corte dos EUA na terça-feira. 

Halkbank apelou anteriormente da decisão de um tribunal inferior que rejeitou a alegação do banco de que ele era imune à acusação dos EUA sob uma lei de 1976 chamada Lei de Imunidades Soberanas Estrangeiras (FSIA), que limita a jurisdição dos tribunais americanos sobre ações judiciais contra países estrangeiros porque o negócio é de propriedade majoritária do governo turco. 

A Procuradora Geral dos EUA Elizabeth Prelogar, entretanto, respondeu aos argumentos do Halkbank para evitar acusações criminais no mês passado, dizendo em um resumo de 62 páginas submetido à Suprema Corte dos EUA que o Halkbank não tinha nenhuma reivindicação de imunidade sob a FSIA e que não havia nenhum obstáculo legal para que o banco fosse processado nos EUA. 

O banco anteriormente se declarou inocente das acusações de fraude bancária, lavagem de dinheiro e conspiração por alegações de que usou funcionários de serviço de dinheiro e empresas de fachada na Turquia, no Irã e nos Emirados Árabes Unidos para escapar das sanções. 

Erdoğan chamou a decisão do governo dos EUA de acusar o banco de uma medida “feia e ilegal” e pressionou para que o caso fosse arquivado. 

Atilla foi libertado da prisão nos EUA em 2019 após passar 28 meses atrás das grades, e retornou à Turquia, onde foi recebido como herói pela administração do Presidente Erdoğan. Erdoğan rejeitou as acusações contra ele, insistindo que o caso contra Atilla tinha “motivação política”. 

Hakan Atilla 

Fonte: Turkish banker says US prosecutors may later question Zarrab about his relations with Erdoğan – Turkish Minute  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer