Últimas notícias

Europa desconfiada de centro turco esconder gás “feito em Moscou”

Europa desconfiada de centro turco esconder gás “feito em Moscou”
dezembro 01
23:42 2022

O plano do Presidente Vladimir Putin de fazer da Turquia um centro para o gás russo em teoria poderia permitir a Moscou mascarar suas exportações com combustível de outras fontes, mas isso poderia não ser suficiente para persuadir os europeus a comprar, disseram analistas e fontes. 

A Rússia forneceu 40% do mercado de gás da União Europeia até que Moscou, em 24 de fevereiro, enviou dezenas de milhares de tropas para a Ucrânia no que ela chama de “operação militar especial”. 

Desde então, o Ocidente introduziu sanções abrangentes, inclusive sobre o petróleo e o gás russos, cortou suas compras de combustíveis de origem russa e buscou alternativas. 

Após explosões – cuja causa está sob investigação – danificarem o sistema de gasodutos russos Nord Stream para a Europa sob o Mar Báltico, Putin propôs em outubro a criação de um centro de gás na Turquia, construindo uma rota sul para exportação. 

Sem ser específico, Putin disse que um centro poderia ser estabelecido na Turquia relativamente rápido, e previu que os clientes na Europa gostariam de assinar contratos. 

Até agora, não houve nenhum compromisso público para fazê-lo, e os analistas dizem que seriam necessários investimentos e tempo. 

“A Europa precisa do projeto, dada a determinação dos países da UE de renunciar ao gás russo no futuro próximo?” perguntou Alexei Gromov, da Fundação Instituto de Energia e Finanças de Moscou. 

Ele também disse que seria impossível reconfigurar os fluxos de gás dentro da União Europeia, uma vez que não existem ligações existentes que se conectem ao centro proposto do noroeste da Europa, que costumava obter gás através do Nord Stream 1. 

GÁS SOBRANDO 

Entretanto, a capacidade de gás e de tubulações está disponível. 

As exportações da Rússia para a Europa caíram 43,4% este ano e o gasoduto TurkStream para a Turquia está funcionando bem abaixo de seus 31,5 bilhões de metros cúbicos (bcm) de capacidade anual. 

Zongqiang Luo, analista sênior da Rystad Energy, estimou que cerca de 60% da capacidade do gasoduto foi inutilizada após as exportações deste ano de cerca de 10,6 bcm de gás até 21 de novembro. 

O analista sênior da Rystad, Luo, estimou que seriam necessários pelo menos de três a quatro anos para construir a nova e cara infraestrutura necessária. 

“Mesmo que um novo gasoduto pudesse ser construído, então quem vai comprar esse gás?”, perguntou ele. 

Outros pensavam que seriam encontrados compradores. 

Uma fonte no monopólio russo de exportação de gás por gasoduto, a Gazprom, disse acreditar que o centro facilitaria as vendas. 

“Isso não será gás russo, mas gás do centro”, disse a fonte, que não queria ser nomeada devido à sensibilidade do assunto. 

Uma fonte comercial na Europa disse que a China, que ultrapassou o Japão para se tornar o maior importador mundial de gás natural liquefeito (GNL) em 2021, já está revendendo GNL russo, que não foi rotulado como “feito em Moscou”. 

Ele disse que era possível que compradores no sul e leste da Europa talvez não se importassem com a origem do GNL. 

Observando que a Europa não impôs um embargo ao gás russo, ao contrário do petróleo, Alexander Gryaznov, diretor da S&P Global Ratings, disse que a Europa poderia estar disposta a comprar de Moscou através de mediadores. 

“É improvável que a Europa queira entrar em contratos diretos com a Federação Russa, e comprar volumes gratuitos no mercado na Turquia será politicamente aceitável”, disse ele, acrescentando que seria necessário tempo e dinheiro para estabelecer o centro. 

Alexei Grivach, do Fundo Nacional de Segurança Energética com sede em Moscou, disse que o centro apresentou oportunidades comerciais. 

“Se o centro começasse a funcionar, enormes possibilidades se abririam para todos os tipos de operações de troca”, disse ele. 

LAÇOS TURCOS 

Putin e o presidente turco Tayyip Erdogan estabeleceram relações estreitas nos últimos anos, apesar de um passado marcado pelo assassinato do embaixador russo Andrei Karlov em Ancara, em 2016, e da derrubada pela Turquia de um jato russo em uma missão à Síria um ano antes. 

A Turquia disse que também seria possível incluir o Gasoduto Trans Anatoliano de Gás Natural (TANAP), que transporta gás natural azerbaijano até a fronteira com a Turquia, no centro proposto. 

A Turquia e o Azerbaijão concordaram no mês passado em duplicar a capacidade do gasoduto dos atuais 16 bcm “a curto prazo”, e em 23 de novembro os chefes da empresa de energia estatal russa Gazprom e Azeri Socar, Alexei Miller e Rovshan Najaf, reuniram-se em Moscou. 

Nem a Gazprom nem a Socar forneceram detalhes da reunião, mas neste mês, a Rússia concordou em fornecer ao Azerbaijão 1 bcm de gás sob um novo contrato de curto prazo. 

O acordo “levantou algumas preocupações do mercado” sobre um possível acordo de troca de gás com a Rússia para exportar mais gás para a Europa, disse Luo. 

Com a proposta do centro de gás turco, a Rússia retornou a uma ideia antiga de acrescentar duas linhas ao gasoduto TurkStream existente para dobrar sua capacidade anual para 63 bcm. 

Isso corresponde exatamente aos volumes combinados que a Rússia vendeu através de várias rotas para Áustria, Bulgária, Hungria, Itália, Sérvia, Eslovênia e Turquia em 2020, de acordo com dados da Gazprom. 

A Rússia fornece gás dutoviário para a Europa principalmente via Ucrânia a uma taxa superior a 40 milhões de metros cúbicos por dia, menos da metade da quantidade que costumava vender para a União Europeia. 

Ela também fornece gás para o extremo sul da Europa Oriental, incluindo a Hungria, através da TurkStream. 

O TurkStream existente custou US$ 3,2 bilhões e o nunca lançado gasoduto Nord Stream 2 via Mar Báltico exigiu outros US$ 11 bilhões compartilhados entre a Gazprom e seus parceiros ocidentais. 

Nem a Gazprom, nem o Kremlin forneceram uma estimativa de custo para a ideia do centro turco. Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, recusou-se a comentar esta semana quando perguntado pela Reuters em uma teleconferência diária como o gás Azeri poderia ser usado no centro. 

A Gazprom e a Socar não responderam aos pedidos da Reuters para um comentário. 

(Relatório adicional da Tsvetelia Tsolova em Sófia, Francesca Landini em Milão e Oksana Kobzeva em Moscou; edição por Barbara Lewis) 

Fonte: Analysis-Europe wary of Turkish hub to hide gas ‘made in Moscow’ (msn.com)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer