Últimas notícias

“Esperança perdida”: Inflação e abuso forçam os médicos a deixar a Turquia

“Esperança perdida”: Inflação e abuso forçam os médicos a deixar a Turquia
outubro 23
20:55 2022

O médico turco Mesut começou sua carreira querendo ajudar os pacientes e ser útil ao seu país, mas agora a ameaça de violência do paciente e o aumento da inflação o forçou a planejar uma mudança para o exterior. 

Mesut diz que deixará seu trabalho em um hospital privado de Istambul e no próximo ano partirá com sua esposa e dois filhos para a Alemanha. 

Ele faz parte de um número crescente de profissionais altamente qualificados que estão saindo ou querem sair da Turquia – uma tendência que os especialistas dizem ter se acelerado nos últimos anos à medida que as famílias lutam para acompanhar o aumento do custo de vida. 

“Perdemos toda esperança no futuro”, disse o anestesiologista de 38 anos à AFP. 

“Quando falo com meus colegas e amigos íntimos, eles estão desesperados. Todos estão considerando opções alternativas”, disse Mesut, que não quis dar seu nome completo. 

Os médicos turcos em particular dizem que suas condições de trabalho pioraram, com longas horas de trabalho, um aumento do abuso físico e verbal por parte dos pacientes ou seus parentes, e o bullying por parte dos chefes. 

Em um dos ataques mais recentes, um pistoleiro em julho atirou no cardiologista Ekrem Karakaya 15 vezes e o matou, alegadamente porque responsabilizou o médico pela morte de sua mãe. 

Os males econômicos da Turquia só tornaram a emigração mais atraente, com uma inflação superior a 83% e a lira turca tendo perdido cerca de 30% em valor em relação ao dólar desde o início do ano. 

Alguns dizem que mesmo as eleições do próximo ano – nas quais o presidente Recep Tayyip Erdogan lutará para estender seu governo de duas décadas – não oferecem nenhuma esperança de mudança. 

– “Perdeu toda a motivação” – 

Um médico especializado em um hospital público turco ganha uma média mensal de mais de US$ 1.000 — mais de três vezes o salário-mínimo de quase US$ 300, mas ainda assim muito menos do que um médico ganha na Europa. 

Mesut diz que ganha $2.000 por mês, mas mesmo isso não é suficiente agora que a vida é muito mais cara. 

“Trabalhamos duro, mas o dinheiro que recebemos… não tem valor”, disse ele. 

“Estamos expostos à violência, a espancamentos e ataques de pacientes, e perdemos toda a motivação”. 

O governo diz que está tentando resolver essas questões e, em julho, aumentou os salários dos médicos em 42% no setor público. 

Em agosto, introduziu reformas para melhorar ainda mais suas condições econômicas e protegê-los da violência. 

A regulamentação visa limitar o número de médicos que deixam a Turquia e frear a tendência crescente de profissionais médicos que mudam de hospitais públicos para hospitais privados para obter melhores salários. 

– A demonização dos médicos – 

Erdogan no mês passado soltou sua raiva sobre os turcos que deixavam o país. 

“Temos pena daqueles que chegam à porta de outros países por aspirações superficiais, só porque querem dirigir um carro melhor ou ir a mais concertos”, disse ele. 

Mesut disse que a demonização dos médicos por parte do governo foi a “última gota”. 

“Já fazemos muitos sacrifícios nesta profissão”, disse ele. 

“Eu já vinha pensando nisso há algum tempo, mas as palavras de nosso presidente, ‘deixe-os ir embora’, tiveram um papel importante na minha decisão de ir para o exterior”. 

Mesut já está aprendendo alemão antes de sua mudança com sua esposa, uma enfermeira da unidade de terapia intensiva, e seus filhos. 

– Drenagem cerebral – 

O professor Nergis Erdogan, presidente da Câmara Médica de Istambul, disse que os pedidos de certificados de idoneidade – documentos que permitem aos médicos trabalhar no exterior – haviam disparado este ano. 

Em 2012, apenas 59 médicos turcos se candidataram para receber os certificados. 

Mas somente nos primeiros nove meses deste ano, 1.938 médicos – 1.014 especialistas e 924 generalistas – fizeram pedidos. 

“Perguntamos aos estudantes do primeiro ano sobre suas projeções”. Uma parte significativa deles começa dizendo: ‘Eu vou fazer um curso de alemão'”, disse ela à AFP. 

Mehmet Cihan Dulluc, um estudante de medicina do primeiro ano em Ancara, disse que havia escolhido estudar em inglês para aumentar suas chances de encontrar um emprego no exterior. 

“Todos nós sonhamos em ir para o exterior”, disse o estudante de 19 anos à AFP, citando a violência contra médicos e muitos pacientes por médico na Turquia como apenas algumas das razões. 

Erdogan, o presidente da Câmara Médica de Istambul, disse que os médicos turcos recebem um novo paciente a cada três ou cinco minutos. 

“Eu já recebi de 80 a 100 pacientes por dia em minha carreira”. Mesmo 25 pacientes por dia é muito”, disse ela. 

Como a maioria de seus colegas de classe, Dulluc diz que quer viajar para o exterior assim que terminar a faculdade de medicina. 

“Mesmo antes da formatura, se eu tiver a chance, gostaria de ir para a Europa”, disse ele. 

Fulya OZERKAN 

Fonte: ‘Lost hope’: Inflation, abuse force doctors to quit Turkey (yahoo.com)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer