Últimas notícias

Turquia se torna um paraíso para lavagem de dinheiro conforme Irã e Rússia usam bancos turcos para evitar sanções

Turquia se torna um paraíso para lavagem de dinheiro conforme Irã e Rússia usam bancos turcos para evitar sanções
setembro 09
00:27 2022

A Turquia, já sob o monitoramento do GAFI global de lavagem de dinheiro, que está sendo monitorado pelo GAFI para se recuar no combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, deu mais um passo para impulsionar a transferência ilícita de riqueza sem que as autoridades façam perguntas. 

A medida, colocada na agenda do parlamento com uma emenda de última hora a um projeto de lei durante o debate no plenário, permitiu a transferência de dinheiro, ouro e outros bens para a Turquia sem a necessidade de explicar sua origem e sem penalidades impostas pelas autoridades turcas. 

A emenda foi rapidamente aprovada pelo parlamento, que é controlado pelo Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) do Presidente Recep Tayyip Erdoğan em meio a protestos da oposição de que a Turquia havia se tornado um paraíso para a lavagem de dinheiro e financiamento ilegal. 

Na última década, a Turquia, sob o regime corrupto do Erdoğan, tornou-se um país onde tanto os atores estatais quanto os não estatais acham bastante fácil estacionar seu dinheiro, especialmente utilizando bancos estatais, com líderes políticos seniores enriquecendo-se com comissões não reveladas sobre tais transferências. 

Tanto o Irã quanto a Rússia entraram no sistema bancário da Turquia para contornar as sanções impostas pelos EUA e seus aliados ocidentais, enquanto as redes de crime organizado e as organizações terroristas jihadistas foram autorizadas a usar a Turquia como um centro para movimentar fundos. 

A emenda foi trazida à agenda do parlamento pelo partido Erdoğan quando os legisladores estavam debatendo a Lei nº 7417, que basicamente introduziu mudanças nos cálculos da folha de pagamento do emprego público. Não teve nada a ver com o que o governo chamou de “anistia da riqueza”, ou varlık barışı em turco. 

Nenhuma disposição foi incluída para tal anistia no projeto de lei, e nenhuma emenda foi proposta durante o debate no comitê parlamentar pertinente antes de ser enviada ao plenário. O objetivo era evitar qualquer discussão sobre as alegações de lavagem de dinheiro. Os partidos de oposição foram informados sobre a emenda 10 minutos antes de ser introduzida no plenário, privando-os da oportunidade de examinar minuciosamente o texto e apresentar moções para interrompê-lo ou pelo menos adiá-lo. 

Quando o projeto de lei foi apresentado à Assembleia Geral para uma votação final em 1º de julho de 2022, um grupo de legisladores liderado por Erdoğan, o confidente Mustafa Elitaş, um ex-ministro, apresentou a emenda. Ela foi rapidamente aprovada com pouco debate sobre o que a emenda realmente implicava. Ela se tornou lei quando foi assinada pelo Presidente Erdoğan quatro dias depois e publicada no Diário Oficial. 

De acordo com a emenda, tanto pessoas físicas como jurídicas têm até março 31, 2023 para trazer dinheiro, ouro e outras riquezas de capital do exterior que não foram previamente divulgadas na Turquia. O projeto de lei não permite qualquer auditoria ou investigação sobre tais bens sob nenhuma circunstância, fornecendo imunidade total para lavadores de dinheiro, traficantes de drogas e outros que transferem suas riquezas para a Turquia. Aqueles que já estavam sob investigação por auditores governamentais também poderão explorar esta lei se alegarem que a riqueza sob auditoria foi obtida com tais transferências. 

O governo não imporá nenhum imposto sobre tais transferências se os fundos transferidos foram mantidos em um banco por pelo menos um ano. 

A oposição, apanhada de surpresa pela emenda de última hora, protestou contra o projeto de lei e alegou que o governo Erdoğan estava inclinado a transformar a Turquia em um centro de lavagem de dinheiro. “Se você aprovar leis que permitam a lavagem de dinheiro e transformar a Turquia em um centro de lavagem de dinheiro com tais emendas, significa que você está jogando este país em um desastre”, disse Abdüllatif Şener, um legislador da oposição do Partido Republicano do Povo (CHP). 

“Você apresenta um projeto de lei que lava dinheiro obtido do contrabando, do tráfico de drogas, do tráfico de mulheres e do terrorismo, que deveria ser objeto de investigação criminal”. Você está tentando fazer isso a partir do parlamento”, acrescentou ele. 

Ele sublinhou que o governo não incluiu tal disposição no projeto de lei original e não a apresentou nas audiências do comitê para esconder suas verdadeiras intenções e limitar o debate sobre os riscos de adotar tal projeto de lei. Ele acusou o governo Erdoğan de transformar a Turquia em um estado mafioso. 

 Esta não é a primeira vez que o governo Erdoğan pressiona por brechas para as pessoas que trazem dinheiro e bens para o país sem perguntas sobre como eles foram ganhos ou de onde eles se originaram. Em 2016, uma disposição semelhante foi aprovada pelo parlamento, fornecendo imunidade total tanto de investigações criminais quanto administrativas para tais transferências. A disposição, destinada a ser temporária, foi prorrogada sete vezes desde então. 

O governo não revelou quanto dinheiro foi declarado como parte da anistia da riqueza em 2016 e no ano seguinte. Os únicos números disponíveis publicamente foram fornecidos para os anos de 2018 e 2019 por um legislador do partido governista durante um debate no parlamento em outubro de 2020 – 16 bilhões de TL e 17 bilhões de TL, respectivamente. Nenhum número foi revelado para os anos seguintes. 

Além do dinheiro que foi para a Turquia de organizações criminosas e algumas entidades ligadas ao governo estrangeiro, o Presidente Erdoğan também trouxe bilhões do exterior que ele obteve de propinas e subornos. Temendo que os EUA pudessem vir atrás de sua riqueza escondida no exterior, ele informou que instruiu seus amigos a assegurar seu dinheiro trazendo-o para a Turquia sob vários esquemas. 

A ação de Erdoğan veio depois que a Câmara de Representantes dos EUA em 29 de outubro de 2019 aprovou o H.R.4695, a Lei de Proteção Contra Conflitos pela Turquia (PACT), que teria exigido que o Departamento de Estado informasse sobre o patrimônio líquido estimado e as fontes de renda conhecidas de Erdoğan e seus familiares, incluindo ativos, investimentos, outros interesses comerciais e informações relevantes sobre propriedade benéfica. O secretário de Estado teria sido instruído a consultar o secretário do Tesouro e o diretor da inteligência nacional na preparação do relatório. 

 Um projeto de lei da Câmara dos Estados Unidos intitulado “Protect Against Conflict by Turkey Act” (PACT) mencionou a investigação da riqueza do presidente turco e de seus familiares  

Uma disposição semelhante relativa ao Erdoğan também foi adotada pelo Senado na Lei de Promoção da Segurança Nacional Americana e Prevenção do Renascimento do ISIS de 2019 (S.2641). 

As sondas de enxerto em 2013 revelaram que Erdoğan e seus associados receberam uma enorme quantidade de subornos de um agente iraniano chamado Reza Zarrab, que lavou fundos do governo iraniano usando o banco estatal turco Halkbank para evitar as sanções dos EUA. Mais uma vez, as mesmas sondas mostraram que o filho de Erdogan, Bilal, secretamente tirou dinheiro do financista da Al-Qaeda Yasin al-Qadi, um amigo próximo do presidente turco. 

Com as sanções impostas pelos EUA e pela UE aos oligarcas russos desde o início do conflito Rússia-Ucrânia, a Turquia tornou-se uma saída para muitos russos estacionarem suas riquezas e entrarem no sistema bancário. O governo Erdoğan anunciou publicamente que não aderirá às sanções ocidentais, tornando a Turquia apenas aliada da OTAN que não impôs nenhuma sanção à Rússia por sua invasão da Ucrânia. 

A repressão às redes do crime organizado na Europa nos últimos anos também levou muitos criminosos a se estabelecerem na Turquia e transferirem suas riquezas para lá para protegê-la de apreensões. Os traficantes de drogas, em particular, voltaram-se para a Turquia para explorar o ambiente permissivo oferecido pelo regime Erdoğan, desde que paguem suas dívidas à liderança política. 

Em outubro de 2021, o Grupo de Ação Financeira Internacional (GAFI), o cão de guarda global contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo, colocou a Turquia em sua lista cinzenta de países porque encontrou uma série de deficiências estratégicas no combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo. A Turquia parece não se importar com a designação do GAFI, pois ainda não resolveu essas deficiências. Na verdade, mais brechas foram criadas deliberadamente pelo governo Erdoğan por meio de mudanças legislativas e administrativas. 

por Abdullah Bozkurt 

Fonte: Turkey turns into haven for money launderers as Iran and Russia use Turkish banks to avoid sanctions – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer