Últimas notícias

A crise monetária da Turquia

A crise monetária da Turquia
dezembro 04
18:45 2021

Após a demissão do ministro das finanças e sua substituição por um lealista em 2 de dezembro, a lira turca continuou seu declínio constante em relação ao dólar, elevando suas perdas do ano para quase 50%. A moeda turca está novamente sob ataque especulativo, semelhante aos episódios anteriores em julho de 2018 e outubro de 2020. Os cortes antecipados do Banco Central da República da Turquia (CBRT) na taxa de câmbio desde setembro resultaram em um êxodo de capital estrangeiro e em uma corrida na demanda por divisas entre os investidores domésticos. Enquanto isso, os preços globais de commodities e energia permanecem altos (apesar da recente queda nos preços do petróleo), e as expectativas em relação à inflação se deterioraram significativamente, levando a taxa de câmbio TL a cair de 8,30 para 13,60 para o dólar em menos de três meses.

Uma mudança na política e cortes precoces nas taxas

Em setembro, a CBRT declarou subitamente que a taxa de política seria cortada com base na inflação de núcleo em vez da inflação global, sem qualquer anúncio prévio. Esta ação foi inconsistente com o mandato oficial do banco e foi interpretada como um compromisso por parte do governador do CBRT, Şahap Kavcıoğlu, sob pressão do presidente Recep Tayyip Erdoğan, para salvar seu emprego. Em consonância com isto, a CBRT reduziu sua taxa de apólice em 100 pontos base (bps) para 18,00%. Após a reunião de setembro, três membros do Comitê de Política Monetária (MPC) foram demitidos sem qualquer explicação e dois novos membros, de acordo com a teoria pouco ortodoxa do Erdoğan sobre taxas de juros, foram nomeados. Kemal Kılıçdaroğlu, o líder do principal partido de oposição, o Partido Republicano do Povo (CHP), pediu aos funcionários do governo que não seguissem as ordens do Erdoğan que são contra o interesse público e depois realizou uma reunião com o governador Kavcıoğlu, que foi ao mesmo tempo sem precedentes e inesperada.

Na reunião de outubro do MPC, a taxa de políticas foi reduzida em mais 200 bps, definitivamente acima das expectativas do mercado, e não apoiada por nenhum dado recente. Esta medida foi possivelmente forçada pelo Erdoğan e enviou uma mensagem à burocracia de que ele está encarregado de todas as decisões políticas e nenhum funcionário do governo deveria ouvir o apelo do Kılıçdaroğlu para resistir a suas ordens. Antes da reunião de novembro, Erdoğan indicou um novo corte na tarifa, e isto também foi entregue pelo MPC, que cortou a tarifa da política em mais 100 bps. Foi esta decisão final que resultou em um ataque especulativo contra a moeda turca. Não houve nenhum desenvolvimento de política externa em jogo desta vez, como a prisão de um cidadão americano em 2018, ou choque externo, como a pandemia em 2020. Os investidores domésticos foram o principal motor da crise monetária, dado seu desejo de vender TL, já que a taxa de política da CBRT (15,00%) caiu bem abaixo da taxa de inflação oficial (19,89%).

Apesar da forte depreciação da TL, em 17 de novembro Erdoğan disse que continuaria sua luta contra as taxas de juros “até o fim” e sua equipe tentou apresentar a política pouco ortodoxa como uma estratégia bem planejada para a economia. Mais cortes nas taxas foram prometidos e provavelmente serão feitos na reunião do MPC em meados de dezembro. Dado o rápido declínio da TL, em 1º de dezembro, a CBRT interveio para sustentar a moeda vendendo quase US$ 1 bilhão de suas reservas externas. Isto resultou em uma recuperação temporária, mas é improvável que seja sustentável a longo prazo, tendo em vista as reservas limitadas do país e as taxas de juros reais negativas.

Ainda é muito cedo para dizer se a depreciação da TL vai continuar, mas é provável que haja mais turbulência nos próximos meses. A insistência do Erdoğan em novos cortes nas taxas e a perda de confiança dos consumidores em suas políticas econômicas são os principais fatores que impulsionam a depreciação. Dito isto, a TL já é muito barata em comparação com outras moedas de mercados emergentes e a tendência de saída de capital provavelmente está se aproximando de seu fim.

Impacto da política

Os principais resultados positivos desta política são um impulso ao comércio exterior devido aos menores custos de mão-de-obra e à redução da demanda por produtos importados acabados. Estes se refletem no saldo da conta corrente – a diferença entre bens e serviços exportados e importados – uma vez que a Turquia começou a ter um superávit na conta corrente em agosto, quando a taxa de câmbio era de 8,40 para o dólar e as receitas do turismo eram fracas em comparação com os níveis pré-pandêmicos. Esta tendência provavelmente continuará e resultará em um superávit significativo em conta corrente em 2022, uma vez que as receitas do turismo deverão atingir quase US$ 30 bilhões, a menos que a pandemia se agrave novamente. Isto tornaria os resgates da dívida externa muito mais fáceis e reduziria as vulnerabilidades externas da Turquia.

Os principais efeitos adversos desta política são uma perda significativa do poder de compra das famílias e uma volatilidade persistente da taxa de câmbio. A razão subjacente a isto é a crescente dolarização das contas de poupança dos proprietários de famílias e empresas. A TL já perdeu sua função de reserva de valor e se esta tendência negativa continuar, pode também causar a perda de sua unidade de conta e meio de funções de câmbio. Se isso acontecesse, então uma alta espiral de inflação começaria com um nível relativamente baixo em comparação com os anos 90, mas muito mais alto do que nos anos 2010. Os aumentos salariais serão sempre menores que a inflação, levando a um salto na taxa de pobreza. Os resultados mais críticos desta política serão a agitação social e as queixas entre os empresários sobre rupturas na cadeia de abastecimento devido à instabilidade interna.

Os investidores estrangeiros já se sentem amplamente protegidos, pois sua carteira dominada pela TL é muito pequena. Sua exposição ao risco da dívida em moeda estrangeira da Turquia é alta, mas a vontade do governo de fazer pagamentos a tempo e sua meta de superávit em conta corrente alivia este risco. As instituições de classificação de crédito podem mais uma vez baixar as notas para títulos soberanos. Entretanto, não se espera uma crise de balanço de pagamentos e uma incapacidade de fazer pagamentos de importação e resgatar a dívida externa. Os bancos turcos ainda têm acesso a empréstimos sindicalizados de instituições financeiras globais. Entretanto, o recente rebaixamento da Turquia para a lista cinza pelo Grupo de Ação Financeira Internacional (GAFI) para lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo tem causado danos significativos. Além disso, há rumores de que o MSCI, o principal fornecedor de índices financeiros para mercados emergentes, poderia rebaixar a Turquia de um grupo privilegiado de países desenvolvidos para uma lista de mercados fronteiriços ou para uma quarentena como a Argentina.

Perspectivas

Os economistas não sabem por quanto tempo mais a política pouco ortodoxa do Erdoğan pode continuar a ser implementada. O fato é que Erdoğan continua muito determinado a baixar as taxas e o mercado reage às suas palavras de forma rápida e dura. A demissão do ministro da Fazenda, Lütfi Elvan, e sua substituição por Nureddin Nebati, especialista em administração pública em vez de economia ou finanças e apoiador vocal do impulso do presidente para baixar as taxas, deve servir como um alerta precoce de uma flexibilização excessiva das políticas econômicas. O cenário básico não consiste em uma crise de balanço de pagamentos e controles de capital, portanto, provavelmente não haverá um efeito dominó para outros países em desenvolvimento. O crescimento do crédito e o déficit orçamentário ainda estão em níveis razoáveis. Qualquer aumento maciço nos gastos públicos e nas finanças através da impressão de dinheiro ou expansão monetária levará diretamente a novos mínimos para a moeda turca e agravará as expectativas inflacionárias. Estas medidas podem ser implementadas para manter a classificação de aprovação do Erdoğan, como por exemplo, aumentando drasticamente o salário-mínimo e os salários dos funcionários públicos. A burocracia não parou até agora as exigências não convencionais do Erdoğan. A aliança do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) com o Partido de Ação Nacionalista (MHP), ainda é forte e não há deputados suficientes do AKP que se demitiram para permitir eleições rápidas. Por enquanto, as questões mais críticas são se haverá protestos nas ruas devido ao aumento da pobreza e se o governo proclamará um estado de emergência em reação a eles.

M. Murat Kubilay

M. Murat Kubilay é um consultor financeiro independente sobre a economia turca e um acadêmico não-residente do Programa Turquia da MEI. As opiniões expressas nesta peça são as suas próprias.

Foto de OZAN KOSE/AFP via Getty Images

Fonte: Turkey’s self-made currency crisis | Middle East Institute (mei.edu)

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer