Últimas notícias

A grande “fake” de Erdogan inaugura uma nova era econômica para a Turquia

A grande “fake” de Erdogan inaugura uma nova era econômica para a Turquia
agosto 25
20:57 2020

O presidente turco proclama a descoberta de um depósito como um fato que mudará a história de seu país, mas que só confirma que a comunicação política também alcançou a geoenergia.

As táticas de comunicação política são universais. A combinação de meias verdades com apresentações faraônicas à mídia se repete de Washington a Paris, via Moscou ou Ancara.

Esta semana, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan falou à mídia após a inauguração de uma fábrica de painéis solares em Ancara. O evento apresentou a florescente indústria renovável turca, que está lutando com outros países para se firmar entre os principais fornecedores globais de componentes.

“Acredito que na sexta-feira poderei dar boas notícias à nação. É um sonho. Estou confiante que abrirá uma nova era para a Turquia.” Erdogan cumpriu assim a primeira máxima de uma mensagem política, que nada mais é do que “aquecer” a atmosfera antes de lançá-la. A intenção do dirigente turco era chamar a atenção para o “novo hard power” que a Turquia exerce na sua área de influência.

Após a mensagem, todas as empresas do setor de energia turco obtiveram um lucro na bolsa de valores próximo a 10%. As autoridades otomanas tentaram “filtrar” para a mídia nacional e internacional que a notícia estava relacionada à descoberta de algum tipo de depósito de hidrocarboneto. Inclusive se apontava o lugar. O Mar Negro pode ser o ponto exato da descoberta que pode mudar a história da Turquia no século 21.

O efeito já foi criado. As empresas de energia revalorizadas, os líderes mundiais em expectativa, a marcação da imprensa em vermelho na sexta-feira para dar espaço às informações que vieram de Ancara, etc. Tudo pronto e preparado para que Ancara se torne o centro de mídia do dia. Porém, na comunicação política, é tão importante criar expectativas quanto satisfazê-las. Qualquer anúncio exagerado ou sem credibilidade tende a produzir o efeito contrário, por mais que o destinatário da mensagem seja a comunidade nacional e não internacional.

Sexta-feira. As empresas turcas estão prontas para receber seus lucros anunciados com 36 horas de antecedência. O presidente Erdogan se apresenta solenemente perante a mídia para declarar, sem ambiguidades ou meias medidas, que, em poucos anos, “o gás estará a serviço da nação”. A seguir, ele dará detalhes sobre a maior descoberta de gás da história do país. Os tickers começam a ferver ante ao que todos os analistas começam a considerar a mãe de todas as notícias.

Depois das preliminares, é hora de especificar exatamente o volume do que foi anunciado. A quantidade exata que fará com que a Turquia entre em “uma nova era” sem qualquer dependência externa de energia. Erdogan respira fundo e joga a bomba. A quantidade de gás encontrada é de 320 bilhões de metros cúbicos. É quando a comunicação política dá lugar ao marketing. Para um leigo da área, 320 bilhões é uma quantia inimaginável e, portanto, muito mais contundente do que falar em 320 bcm, a unidade universal de medida responsável pelos trilhões de metros cúbicos de gás natural.

Depois de tentar encobrir a bombástica da mensagem usando uma medida que é pelo menos questionável, devemos proceder para comparar exatamente a magnitude do anúncio. 320 bcm representa, aproximadamente, a importação de gás (principalmente iraniano e russo) da Turquia em 7 anos. Em outras palavras, a descoberta macro que levará a Turquia a uma nova era é reduzida a preencher suas importações de gás por menos de uma década.

A jazida de Sakarya, província turca da qual herdou o nome, ainda não comprovou a “qualidade de suas reservas”. Este aspecto foi omitido pelo presidente turco e não é a mesma coisa falar de reservas provadas do que de prováveis ​​ou possíveis. Os primeiros são aqueles que têm mais de 90% de chance de serem extraídos. Em suma, a dificuldade exata de obtenção do gás é conhecida. Normalmente, governos ou empresas que o anunciam têm tecnologia suficiente para extraí-lo ‘por conta própria’, algo que realmente a Turquia está longe de conseguir, pelo menos neste momento.

As reservas prováveis ​​mal chegam a 50% de chance de serem produzidas. Eles introduzem um maior grau de incerteza e, portanto, desvalorizam o preço da descoberta anunciada. Por fim, as reservas possíveis costumam ser um brinde ao sol. Com possibilidades de produção de 10%, eles ocupam o último lugar na classificação mundial de reservas regulamentadas. Erdogan omitiu esse pequeno detalhe em suas explicações sobre a grande descoberta turca.

Em todo caso, o anúncio turco deve ser enquadrado na política de choque que o país vive em suas aspirações geopolíticas no Mediterrâneo Oriental. Historicamente, a Turquia experimentou a falta de hidrocarbonetos em grande escala em seu território com frustração; aspecto vital em uma nação rodeada de grandes produtores.

Este fato justifica o interesse e o grande esforço de Ancara para “fazer-se”, de uma forma ou de outra, com recursos para reduzir a sua elevada dependência energética e uma fatura de mais de 45.000 milhões de euros que religiosamente paga todos os anos aos cofres de Moscou e Teerã e que, talvez, agora sejam os que suportam as consequências do aumento da soberania energética turca.

A última qualificação da mãe de todos os anúncios é a baixa relevância da indústria extrativa turca. Ancara terá que desenvolver tecnologia nacional nativa para ser capaz de produzir gás em Sakarya com eficiência. Desistir do controle da produção doméstica seria um fracasso para o presidente Erdogan. Seus esforços na Líbia e em Chipre não fariam sentido se agora fossem direcionados a recorrer a empresas estrangeiras para extrair e canalizar o gás encontrado.

Como em qualquer empresa, a exploração dos recursos exige um investimento prévio que o governo terá de alocar se realmente quiser entrar em uma nova era energética, curiosamente, em um mundo que olha cada vez mais os hidrocarbonetos com mais desconfiança.

Erdogan está ciente do anúncio limitado na sexta-feira. Por isso, esforçou-se por fortalecer seus seguidores, incluindo no mesmo pacote a conversão em mesquita da antiga basílica bizantina de Istambul. Em termos estratégicos, o anúncio da jazida Sakarya, mais do que um golpe na geopolítica global, servirá para confirmar que a comunicação política se impõe mais uma vez às realidades técnicas, tornando-se um aspecto essencial no polêmico mundo da geoenergia.

Fonte: La gran ‘fake’ de Erdogan inaugura una nueva era económica para Turquía 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer